O Destacamento Territorial da GNR de Pinhel deteve no dia 18 de Dezembro, sete romenos (três homens e quatro mulheres) pela prática de crimes de furto e burla num estabelecimento na localidade de Soeima, concelho de Alfandega da Fé e distrito de Bragança. No mesmo dia a GNR deteve em Vilar Formoso três argelinos residentes em Espanha que se dedicam a roubar em Portugal.

GNR-Guarda Nacional RepublicanaOs suspeitos actuam em grupo, havendo indicações de que poderão ter praticado vários crimes nos últimos dias e em diferentes pontos do país.
A GNR informou em comunicado que a detenção dos sete romenos ocorreu nas proximidades de Almendra, concelho de Vila Nova de Foz Côa, após perseguição policial, em virtude de por diversas vezes terem desrespeitado a «ordem de paragem». Após abandonarem a viatura refugiaram-se numa mata, tendo sido capturados após cerco policial ao local desenvolvido por 30 militares dos Destacamentos Territoriais de Pinhel e Vilar Formoso, apoiados por dois cães pisteiros.
Durante a operação foram efectuados disparos de advertência, não se registando feridos.
A GNR procedeu à apreensão de mil euros em numerário e diversos artigos de mercearia furtados na localidade de Soeima.
Os indivíduos, com idades compreendidas entre os 20 e os 60 anos, tinham consigo uma criança de 1 ano de idade, filha de uma das detidas.
Na mesma data o Destacamento de Vilar Formoso procedeu à detenção de três argelinos quando abandonavam Portugal no interior de um táxi, na posse de cerca de 300 peças em ouro, que a GNR suspeita serem fruto de diversos furtos a residências em Portugal. Os detidos residem em Zamora, e são titulares de autorizações de residência em Espanha. Os investigadores da GNR crêem que este grupo de argelinos é responsável por um conjunto de furtos na zona centro e que usam nas suas acções carros roubados que depois abandonam. Além das peças em ouro são ainda suspeitos de furtarem relógios, telemóveis e elevadas quantias em dinheiro. Embora não lhe tenham sido detectadas armas, a GNR pensa que se pode tratar de um grupo violento.
Capeia Arraiana falou com o Major Cunha Rasteiro, oficial de relações públicas do Comando Territorial da Guarda e responsável pela investigação criminal, que informou ser novidade a detenção de argelinos que se dedicam a assaltos, o mesmo não se passando como os romenos, que desde há algum tempo actuam em grupo em todo o território nacional.
plb