O leitor(a) já reparou na quantidade de organismos internacionais que existem? Qual deles toma as decisões mais importantes? Será que cada um tem o seu âmbito de actuação? Sinceramente não sei. Estou como muita gente: confuso no que concerne à articulação do poder a nível internacional.

António EmidioUma coisa é fácil de ver: tudo é regido pelos interesses das nações mais ricas e poderosas, não pelas necessidades dos países mais pobres e indefesos.
Presentemente, a Globalização, não é mais nem menos do que a tentativa de ocidentalizar todos os povos do Mundo, isto é, obrigar todos os povos, etnias, culturas, religiões, e até civilizações, a regerem-se pelos valores ocidentais, e principalmente pela economia de mercado. Mas como essa Globalização está baseada na concorrência, em vez de aproximar as nações, afasta-as cada vez mais.
Wall Street, Pentágono, ONU, Fundo Monetário Internacional, Organização Mundial do Comércio, Banco Mundial, Banco Central Europeu e NATO, são a oligarquia financeira e o poder militar que dominam o Mundo, valorizam ao máximo o conceito de economia de mercado, e desvalorizam o conceito de sociedade.
Estes organismos internacionais pouco ou nada têm servido para construir um Mundo mais justo, solidário e humano, antes pelo contrário, cada vez há mais fome, mais desordem, e mais guerras. Não é de admirar a fuga dos párias dos seus países pobres do Sul, para as nações mais ricas do Norte. Fogem à fome, à miséria e à guerra.
Quem manda? Organizações internacionais que coordenam o domínio dos Estados Unidos e dos seus aliados, sobre o resto da humanidade.
Um novo modelo de colonialismo.
«Passeio pelo Côa», opinião de António Emídio

ant.emidio@gmail.com