Os Independentes, supostamente apartidários, têm sido para mim um tema recorrente, nesta rubrica, desde a primeira crónica em 14 de Dezembro de 2008. Como este Blogue me dá completa liberdade, lá vai…

José MorgadoManuel Alegre defende Listas de Independentes, porque há quem não tenha em quem votar e isso é um falhanço dos partidos.
Jorge Sampaio em «O Meu Livro de Política» da Texto Editora, (que aconselho a quem deseja abraçar esta profissão ou Job, desde muito cedo) fala da política aos jovens e faz um diagnóstico pouco abonatório da relação «cidadãos-politica.»Diz que os políticos estão desvalorizados e que as eleições são cada vez mais ignoradas.
Pina Prata é considerado uma ameaça para Carlos Encarnação (PSD/CDS/PPM), porque a sua candidatura Independente à Câmara, pode baralhar, pela primeira vez, as contas de alternância (PSD/PS).
Nos Açores, nas ilhas de S. Miguel, Terceira e Pico, há sete Listas de Independentes, às freguesias, porque se querem demarcar dos partidos políticos, devido à desilusão, descontentamento e cansaço dos políticos de carreira.
Em Faro e Vila do Bispo, apresentam-se pela primeira vez Listas de Cidadãos Independentes.
São mais de 50, as listas para as Câmaras, apresentadas por Movimentos de Cidadãos.
No Concelho do Sabugal, começaram a aparecer listas de independentes a nível de Juntas de Freguesia, já nas eleições autárquicas de 2005. Assim:
– No Soito, concorreram «Os Amigos do Soito», com 12 candidatos e tendo como opositores listas do PS e do PSD;
– Nos Fóios, concorreram com a designação «Fóios no Caminho Certo», com 12 candidatos e sem oposição;
– Na Lageosa, concorreram «Os Amigos da Lageosa», com 15 candidatos e sem oposição;
– Em Aldeia Velha, concorreram «Os Amigos de Aldeia Velha» com 13 candidatos e sem oposição;
– Em Rendo, concorreram «Os Amigos de Rendo», com14 candidatos e tendo como opositores o CDS.
Para as eleições de 11 de Outubro de 2009, o Soito deixou de contar com os «Amigos do Soito» e três dos elementos, candidatam-se nas listas do PS, MPT e CDU e Rendo também, encontrando-se dois dos seus membros nas listas do PS e PSD.
«Fóios no Caminho Certo» e «Os Amigos da Lageosa» continuam sem oposição e «Os Amigos de Aldeia Velha, com opositor o MPT.
No entanto a Nave, Santo Estevão, Aldeia da Ponte e Alfaiates, concorrem este ano com os seguintes Movimentos de Independentes:
– Na Nave, concorrem os «Amigos da Nave», com 14 candidatos, tendo como oposição o PS;
– Em Santo Estevão, concorrem os «Unidos Por Santo Estevão», com 16 candidatos, tendo por opositor o MPT;
– Em Aldeia da Ponte, concorrem os «Juntos Por Aldeia da Ponte», com15 candidatos, sem opositores;
– Em Alfaiates, concorrem os «Amigos de Alfaiates», com15 candidatos, tendo como opositor a CDU.
Considerando ainda que surgiu inicialmente uma candidatura independente a todos os órgãos autárquicos e que mais tarde, por falta de meios logísticos, arranjou uma «barriga de aluguer» mas que só inclui independentes, ao contrário dos independentes que foram convidados ou foram aceites por formações partidárias, a elas ficando ligadas em pé de igualdade com os seus filiados, excepto no pagamento de quotas, embora às vezes se tornem em autênticos «cavalos de Tróia» poderemos concluir que nas 33 freguesias que vão a votos, estão contidas 21 listas de independentes.
Para o politólogo Carlos Jalali, existem dois tipos de movimentos independentes, a sufrágio:
– Os verdadeiros independentes, composto por um conjunto de pessoas «sem filiação partidária no passado»;
– Aqueles, «encabeçados por figuras, mais ou menos mediáticas, outrora ligados a aparelhos políticos».
Desta vez, no Sabugal há para todos os gostos.
Escolham um bom prato, se possível regional e cuidado com as indigestões!
«Terras entre Côa e Raia», opinião de José Morgado

morgadio46@gmail.com

Anúncios