«Uma empresa nacional concebeu um sofisticado sistema de detecção de incêndios que permite poupar largos milhões de euros. Apesar de inovador os espanhóis foram pioneiros na aquisição dos aparelhos.»

José MorgadoÉ simples, é eficaz e pode poupar milhões.Chama-se Forest Fire Finder (FFF), é um avançado sistema tecnológico que permite detectar incêndios em menos de cinco minutos e foi concebido pela NGNS- Ingenious Solutions, uma empresa portuguesa que tenta há três anos demonstrar a validade do seu projecto na prevenção de fogos.
Apesar do interesse demonstrado por entidades de todo o país, apenas o Governo Civil de Santarém apostou, até agora, no FFF, tendo instalado o sistema em dois locais estratégicos no concelho de Ourém.
O tão propalado choque tecnológico, uma das bandeiras do Governo de Sócrates, acabaria por se revelar uma miragem para os dois sócios da NGNS, Pedro Vieira e José Matos, ambos com formação na área da física tecnológica. Apesar da indiferença nacional, o projecto nascido na Faculdade de Ciências e Tecnologia da Nova tem atraído as atenções em diversos países como Espanha (com sistemas instalados na Andaluzia e Galiza), Irão, China, Malásia ou Uruguai.
O Forest Fire Finder acabaria por tomar forma. Através de sensores atmosféricos é possível detectar nuvens de fumo orgânico (aquele que resulta da queima das árvores) num raio de 15 quilómetros. Além dos sensores, o aparelho é munido de câmaras que patrulham 24 horas por dia o terreno, fazendo “varrimentos” de 360 graus. Em Ourém, um dos sistemas esta colocado no castelo e outro na torre da igreja na localidade do Casal dos Bernardos.
Uma vez detectado o fogo, num período que não excede, por regra os cinco minutos, são enviados alertas via SMS, com respectiva imagem da coluna de fumo e localização do incêndio, para as autoridades responsáveis como os bombeiros, a GNR ou a Protecção Civil.
“A taxa de sucesso dos alertas do FFF é superior aos 90%, enquanto que a do sistema tradicional de vigilância ronda os 3%. Não achamos que se deve dispensar os vigilantes florestais mas essas pessoas seriam provavelmente mais úteis na limpeza das matas do que numa torre de vigilância, oito horas por dia, onde as temperaturas atingem os 40 graus”, realça o administrador da NGNS.
Forest Fire FinderSegundo as estimativas feitas pela empresa, “bastariam cerca de 300 aparelhos para cobrir as áreas florestais do país, um custo de 30 milhões de euros, um valor bem mais baixo que os 100 milhões gastos por ano com incêndios em Portugal”, lembra João Matos, que confessa a sua frustração quando assiste pela televisão às cenas, infelizmente, habituais, de incêndios de norte a sul do país. “Sinto que poderíamos estar a ajudar a prevenir a dimensão dos incêndios, pois quanto mais depressa for dado o alerta, mais depressa os bombeiros chegam ao local. Sem custos elevados de utilização de helicópteros, sem perdas de vidas e de habitações”, remata ainda o responsável da NGNS.»
A quando da visita recente do Sr. Presidente da República às zonas ardidas, alguém neste Blogue comentou que «depois de casa roubada, trancas à porta».
Ainda é cedo e não vi ninguém a por «trancas», mas «vale mais tarde do que nunca» e esta autentica tragédia, que se abateu sobre o Sabugal, sirva para, mais que não seja, acordar, quem de direito, para medidas de prevenção, atempadas, começando a actuar, na prática, sobre os factores próximos e remotos que contribuíram e continuam a contribuir, para estas desgraças, factores que já foram elencados e muito bem, neste blogue.
Mas, como agora é um período de promessas vãs e não de «mãos à obra», façamos votos que «a história não se repita»
Deixemos passar estes períodos eleitorais, com a certeza porém que se continuarmos a agir, como até agora, mais ano menos ano voltamos ao mesmo.
Os subsídios são bem vindos, como medidas curativas, que são e justas indemnizações, mas é fundamental investir nas medidas preventivas, que saíam «fora do papel».
Já muitos povos e povoados, se ergueram, com mais vigor, após terra queimada, fruto de guerras, catástrofes naturais ou provocadas.
Sigamos esses exemplos que a história nos dá.
(Artigo com extractos da crónica da jornalista Marisa Antunes.)
«Terras entre Côa e Raia», opinião de José Morgado

morgadio46@gmail.com