Na tarde de terça feira, dia 8 do corrente mês de Setembro, as equipas de sapadores do concelho do Sabugal não tiveram mãos a medir. Como se não bastassem os fogos criminosos também a mãe natureza foi madrasta. Em vez da chuva, bem caída, que tanta falta nos faz, surpreendeu-nos com fortes trovoadas e raios assustadores.

Trovoada nos FóiosFoi uma trovoada, quase seca, que provocou, nada mais nada menos, que oito fogos só na zona da raia sabugalense.
Valeu a união existente entre todas as equipas bem como os meios de comunicação de que fazem uso.
Hoje desloquei-me com os elementos da equipa de Foios para tirar umas fotos a um carvalho que ficou completamente destruído, por um raio, seguindo-se, de imediato, o respectivo incêndio.
Os elementos da equipa de sapadores da ACRISABUGAL, que estavam a combater noutra frente, comunicaram que havia fogo na direcção de Aldeia do Bispo. A equipa dos Foios encontrava-se a tentar apagar um fogo na Lageosa e, depois da extinção deste, correram para ver onde tinha deflagrado o da zona de Aldeia do Bispo. Penetraram mato dentro e deparam com um incêndio junto da raia mas na área geográfica de Navasfrias. España.
Combateram as chamas, que dominaram, tendo chegado, entretanto, um helicóptero espanhol, que transportava sete profissionais. Estes já pouco mais fizeram que o rescaldo tendo, mais tarde, surgido um carro dos bombeiros para espalharem a água achada por conveniente com medo de um possível reacendimento.
Tanto quanto me foi dito as equipas de Aldeia Velha e a de Malcata encontravam-se a lutar em outras frentes.
Fiquei satisfeito porque, há poucos dias, escrevi um artigo a reconhecer o trabalho realizado pelos bombeiros espanhóis aquando do fogo entre Vale de Espinho e Soito, mais propriamente na quinta do Daniel Nabais.
Terminei dizendo que amor com amor se paga e se um dia os espanhóis necessitassem da nossa ajuda que compareceríamos tão breve quanto possível. Não tardou, na verdade, que lhe tivéssemos pago com a mesma moeda.
Ainda há, às vezes, alguns ignorantes e mal formados a dizer que as equipas de sapadores não fazem nada. Que os acompanhem no terreno e verão como se comportam.
Já tive oportunidade de dizer ao Sr. Ministro da Agricultura que, nos Foios – e nem só – já se verificou algum progresso e desenvolvimento, depois do 25 de Abril de 1974 mas que, para mim, as equipas de sapadores também constituem e representam um enorme progresso a nível do nosso Município.
Quando falo das equipas de sapadores é sem desprestígio para os admiráveis Bombeiros que, naturalmente, com outros meios e com outra organização, têm desempenhado, a nível nacional, um trabalho sério que é digno do nosso apreço e sincero reconhecimento.
Todos, de mãos dadas, vão procurando fazer o melhor pelo Município e pelo País.
Anexo algumas fotos onde se pode ver o estado em ficou o carvalho onde caiu o raio.
José Manuel Campos (Foios)