O Museu da Guarda está a preparar a abertura de um núcleo dedicado à inscrição rupestre do Cabeço das Fráguas situado nos limites dos concelhos do Sabugal e da Guarda.

Cabeço das FráguasA inscrição rupestre do Cabeço das Fráguas, no concelho do Sabugal, situada a cerca de 1020 metros de altitude tem sido alvo da curiosidade de especialistas em história e arqueologia europeus. O lugar ganhou notoriedade quando, em 1943, o general João de Almeida descobriu uma inscrição rupestre que foi, posteriormente, publicada em 1956 numa monografia de Adriano Vasco Rodrigues.
Em 2008 após sucessivas campanhas de escavação de equipas do Instituto Arqueológico Alemão de Madrid em parceria com o Museu da Guarda e a Faculdade de Letras da Universidade de Lisboa foi feito ao Instituto de Gestão do Património Arquitectónico e Arqueológico (IGESPAR) um pedido de classificação do sítio como Monumento Nacional. A equipa de arqueólogos luso-alemães, liderada por Thomas Schattner, descobriu várias peças em bronze e ferro, objectos de cerâmica e uma laje onde se descreve a oferenda de animais a diversas divindades.
Em declarações ao Jornal de Notícias, Thomas Schattner, esclareceu que os trabalhos têm como objectivo «compreender o nível de ocupação do lugar e a sua envolvente porque há vestígios de construções junto à inscrição e temos quase a certeza de que seria um importante santuário da região no período entre o século VI a.C. e o século I d.C., altura em que perdeu importância».
A directora do Museu da Guarda, Dulce Helena Borges, referiu que «a inscrição conjuga no mesmo texto o alfabeto latino e a chamada língua lusitana, falada em época pré-romana em praticamente todo o Ocidente hispânico e o molde é uma medida de salvaguarda de património em risco e a forma mais prática de o tornar acessível aos estudiosos e ao público em geral porque o achado é famoso no meio científico europeu e é muito idêntico a outro existente na zona de Cáceres, em Espanha».
Os custos da instalação no local do novo núcleo do Museu da Guarda, com abertura prevista para a Primavera de 2010, serão suportados pela Associação dos Amigos do Instituto Arqueológico Alemão de Madrid (IAAM) e pela firma Noraktrad com sede em Madrid.

Página da Associação dos Amigos do IAAM. Aqui.
jcl