You are currently browsing the daily archive for Domingo, 2 Agosto, 2009.

Estivemos de novo à fala com Amândio Assis, o empresário do caracol, cuja empresa, denominada «Caracol Real», está sedeada na Cerdeira do Côa, continuando uma conversa que tivemos há um ano e que na altura publicámos no Capeia Arraiana.

Amândio AssisO negócio do Caracol Real vai evoluindo, dando passos curtos, mas seguros. A frota automóvel conta agora seis viaturas, sendo uma delas um camião frigorífico com grande capacidade de transporte. Neste período de Verão a firma emprega 15 pessoas, embora no Inverno apenas mantenha seis trabalhadores. O negócio continua em expansão, vendendo caracol para todo o país e exportando para o estrangeiro, onde agora se destaca Angola, para onde seguirão algumas grandes encomendas.
Entretanto avançam as obras nas novas instalações da empresa, que já estão a ser parcialmente utilizadas, mas cujo arranque definitivo apenas acontecerá no ano que vem.
Há quanto tempo confecciona e vende caracol?
Desde há 27 anos, aqui na Cerdeira. Além do mais sou o produtor de caracol pronto a comer licenciado há mais tempo em Portugal.
E como nasceu a ideia deste negócio numa região que há alguns anos não apreciava muito este tipo de petisco?
Eu sempre gostei de caracóis e aprendi a cozinhá-los com o meu pai. Uma vez, quando já fixado nesta região, estava a lavar caracóis para os cozinhar em casa e veio-me à mente a ideia de me meter num negócio de confecção e venda de caracóis pelos bares e cafés da região. E assim comecei, a medo, mas avançando sempre, até chegar à posição que tenho hoje a nível comercial. Subi devagar, degrau a degrau, evitando sempre dar um trambolhão.
E a tão propalada crise mundial também afectou o seu negócio?
A crise sente-se quando toca a receber, que de resto as encomendas até aumentaram. Eu até digo que não temos capacidade para satisfazer as encomendas. Mas na verdade há um certo atraso nos pagamentos por parte de muitos clientes, o que nos causa problemas de tesouraria
As novas instalações poderão resolver esse problema de falta de capacidade produtiva?
Essa é a nossa aposta e julgo que vamos conseguir expandir muito o nosso negócio a partir daí.
E tem concorrência ao nível da região, ou sente que domina o ramo?
A concorrência existe a nível regional e nacional e isso é uma coisa boa. O que eu condeno é a chamada concorrência desleal, onde até chegam a copiar as nossas ideias. Agora são os espanhóis que já se lançaram no fornecimento de caracol pronto a comer, a partir do sul de Espanha. Houve uma empresa que aproveitou os conhecimentos que um português lhe transmitiu e agora lançou-se no mercado. Mas apurei que injectam gás nas embalagens para o produto durar mais tempo, e isso é pouco benéfico para a saúde de quem os consome. Também houve uma empresa da região que decidiu concorrer copiando o formato das nossas embalagens e até as informações impressas nas mesmas. Copiaram com tanta vontade que até reproduziram também o nosso código de barras, assim se denunciando inteiramente. É esta concorrência que eu denuncio porque não é leal e apenas pretende subir aproveitando o trabalho dos outros.
Há algo especial que diferencie o seu caracol?
Desde logo a forma como é confeccionado. Para que se faça uma boa confecção é primeiro necessário fazer uma boa escolha do caracol, pois só assim se garante a qualidade, sem a qual o produto não poderia ir para o mercado. Há que ter a certeza de que todo o caracol que vai a confeccionar está vivo. Temos umas caixas de plástico quadradas com um metro e vinte de lado por sessenta de altura, com uma tampa. É aí que se coloca o caracol que depois, durante a noite, sobe para as paredes da caixa e para a tampa. Esse caracol é apanhado, mas o que fica no fundo é deitado fora porque está morto. Durante cada mês nós deitamos fora centenas de quilos de caracol. Veja o que seria esse caracol ser cozinhado. Deita um cheiro nauseabundo e se o cozinharmos empesta todo o restante e dá-lhe mau paladar. Face a isto eu lanço um alerta aos consumidores de caracol: quando encontrarem no prato caracóis vazios isso significa que a triagem não foi feita e devem parar de comer e reclamar porque isso pode ser prejudicial para a saúde.
Uma boa triagem do caracol é então o primeiro passo para a qualidade do produto?
Considero isso essencial. Eu fui-me aperfeiçoando e concluí que tinha de seleccionar o caracol, porque as coisas têm que ser bem feitas. Hoje posso garantir que não confeccionamos um caracol que não esteja vivo. Mas também lhe digo que tudo começa logo na escolha do caracol quando o compramos aos nossos fornecedores. Eu preocupo-me em seleccionar o melhor caracol em vivo. Fruto da minha já longa experiência, domino bem as técnicas de selecção e consigo escolher os lotes que me garantem uma boa qualidade.
Em que época é que o caracol é melhor?
Dizem que nos meses que têm R eles não prestam. Isso tem a sua lógica porque o caracol só é bom quando ele não se alimenta. Deixa de comer quando começa a apertar o calor, a partir de Maio, quando os campos ficam secos, mas os melhores meses são Junho e Julho. A partir de Agosto, como o caracol não se alimenta, começa a emagrecer. Ele continua a ser bom, mas é já muito pequeno e começa a ficar algo escuro.
Também vende caracol congelado?
Sim, ultracongelamos caracol que é confeccionado precisamente nos melhores meses para o seu consumo e que depois pode ser consumido durante o resto do ano.
E como se deve fazer para consumir esse caracol congelado?
Deve ser preferencialmente descongelado no frigorífico, de forma lenta, porque depois dura mais tempo, ao contrário daquele que é descongelado no momento, que tem de ser todo consumido na hora.
O Caracol Real tem uma fórmula especial de confecção?
A nossa técnica foi aperfeiçoada nos nossos primeiros anos de actividade. Hoje o Caracol Real tem uma receita própria, muito rigorosa, com os condimentos apropriados e tudo controlado por peso e medida, de maneira a mantermos o paladar que o caracteriza.
E nunca recebeu reclamações quanto ao paladar?
Já sucedeu. Lembro-me uma vez de um cliente que telefonou a dizer-me que o caracol parecia insonso. Disse-lhe que lhe adicionasse um pouco de sal e o fizesse levantar fervura, o que o mesmo fez, telefonando-me de seguida a afirmar que já estava óptimo. Concluí que na confecção daquele caracol falhou a adição do sal. Isto pode acontecer.
Como empresário, o que pensa da economia regional em termos de presente e de futuro?
Há oportunidades a aproveitar. Temos boas estradas, embora uma ou outra estrada secundária não reúna boas condições de circulação, e isso é uma vantagem competitiva. O mesmo não digo do comboio, que o temos aqui à porta mas sem que os empresários o possam utilizar, porque a antiga Estação da Cerdeira já é apenas um apeadeiro sem qualquer importância. A vizinhança com Espanha também deve ser vista como uma potencialidade. No geral penso que temos condições de expansão dos negócios, desde que os apoios oficiais nos cheguem, pois isso é essencial para quem investe no interior.
plb

Anúncios

Visitando esta aldeia da Beira Baixa não se consegue adivinhar a sua importância e riqueza de outrora. Foi fundada no século I a.C., sendo então capital da circunscrição administrativa romana Cívicas Igaeditanorum.

José MorgadoIDANHA-A-VELHA – Embora não se saiba muito sobre a vida em Idanha-a-Velha nesta época, os historiadores pensam que tenha tido uma fase de grande enriquecimento, até porque era um ponto de paragem na grande estrada peninsular que ligava Emérita Augusta (Mérida) a Braccara Augusta (Braga). A povoação estendia-se da entrada norte até às margens do rio Ponsul, que delimita a sudoeste e oeste. No centro situava-se o fórum, um espaço rectangular contornado por um muro, que tinha na cabeceira Oeste um templo dedicado a Vénus. A Sul, deveriam ficar as termas. Nos séculos III e IV d.C., foi construída uma muralha que apenas protegia parte da povoação, a qual não foi suficiente para evitar que Idanha-a-Velha, tenha passado para as mãos dos Suevos no século V. Aliás, todos os indícios apontam para que a muralha tenha sido reconstruída por diversos conquistadores ao longo do tempo.
Do período de domínio dos Suevos destaca-se a criação da diocese da Egitânia, por decisão do rei Teodomiro no ano de 569, dirigida a partir de Idanha-a-Velha. Em 585 passa a integrar o reino visigótico e a cunhar a sua própria moeda em ouro.
Idanha-a-VelhaA actual Sé Catedral deverá ser uma evolução de uma primitiva edificação visigótica e o baptistério junto à porta Sul da Sé, uma herança da primeira basílica paleocristã da antiga vila. Deverá ter sido um templo suevo transformando em catedral pelos bispos visigodos que, depois, foi sofrendo várias obras até se chegar à construção que hoje pode ser visitado.
Em 713, Idanha-a-Velha conhece novos ocupantes. Desta vez, os muçulmanos. A prosperidade aumenta e Idanha-a-Velha cresce atingindo a dimensão de centros urbanos como Silves, Beja e Lisboa, bastantes relevantes na época. A Sé Catedral visigótica terá sido transformada em Mesquita, na qual se realizaram obras de reestruturação e acréscimos. A porta norte foi construída nesta altura.
A reconquista cristã foi complicada. D. Afonso Henriques entregou-a à Ordem do Templários. Contudo, viria a ser reconquistada pelos mouros, sendo libertada por D. Sancho I que a doa novamente aos Templários. No entanto, os muçulmanos voltariam a ocupá-la. Assim, não é de estranhar que Idanha-a-Velha esteja já numa fase de decadência quando D. Sancho II a entrega mais uma vez à Ordem dos Templários, em 1244. Da época do governo dos Templários destaca-se a torre que foi construída sobre o podium do fórum.
O empobrecimento de Idanha-a-Velha agravou-se com a deslocação das fronteiras mais para Sul e Leste, alterando com isso os eixos estratégicos e militares. Além disso, é um local com pouca aptidão defensiva. Em 1 de Junho de 1510, D. Manuel I concede-lhe um foral novo. Esta feita tentativa para restituir à cidade a importância de outrora.
Situada a 15 km de Idanha-a-Nova, sede de concelho, e a 31 km das Termas de Monfortinho – que faz fronteira com Espanha – , Idanha-a-Velha é conhecida pela sua beleza natural e pelas suas características de um museu aberto, ideal para quem gosta de turismo cultural e de embeber-se das paisagens que emolduram a história.
«Terras entre Côa e Raia», opinião de José Morgado

morgadio46@gmail.com

JOAQUIM SAPINHO

DESTE LADO DA RESSURREIÇÃO
Em exibição nos cinemas UCI

Deste Lado da Ressurreição - Joaquim Sapinho - 2012 Clique para ampliar

Indique o seu endereço de email para subscrever este blog e receber notificações de novos posts por email.

Junte-se a 836 outros seguidores

PUBLICIDADE

CARACOL REAL
Produtos Alimentares


Caracol Real - Produtos Alimentares - Cerdeira - Sabugal - Portugal Clique para visitar a Caracol Real


PUBLICIDADE

DOISPONTOCINCO
Vinhos de Belmonte


doispontocinco - vinhos de belmonte Clique para visitar Vinhos de Belmonte


CAPEIA ARRAIANA

PRÉMIO LITERÁRIO 2011
Blogue Capeia Arraiana
Agrupamento Escolas Sabugal

Prémio Literário Capeia Arraiana / Agrupamento Escolas Sabugal - 2011 Clique para ampliar

BIG MAT SABUGAL

BigMat - Sabugal

ELECTROCÔA

Electrocôa - Sabugal

TALHO MINIPREÇO

Talho Minipreço - Sabugal



FACEBOOK – CAPEIA ARRAIANA

Blogue Capeia Arraiana no Facebook Clique para ver a página

Já estamos no Facebook


31 Maio 2011: 5000 Amigos.


ASSOCIAÇÃO FUTEBOL GUARDA

ASSOCIAÇÃO FUTEBOL GUARDA

ESCOLHAS CAPEIA ARRAIANA

Livros em Destaque - Escolha Capeia Arraiana
Memórias do Rock Português - 2.º Volume - João Aristides Duarte

Autor: João Aristides Duarte
Edição: Autor
Venda: Casa do Castelo (Sabugal)
e: akapunkrural@gmail.com
Apoio: Capeia Arraiana



Guia Turístico Aldeias Históricas de Portugal

Autor: Susana Falhas
Edição: Olho de Turista
Venda: Casa do Castelo (Sabugal)



Música em Destaque - Escolha Capeia Arraiana
Cicatrizando

Autor: Américo Rodrigues
Capa: Cicatrizando
Tema: Acção Poética e Sonora
Venda: Casa do Castelo (Sabugal)



SABUGAL – BARES

BRAVO'S BAR
Tó de Ruivós

Bravo's Bar - Sabugal - Tó de Ruivós

LA CABAÑA
Bino de Alfaiates

La Cabaña - Alfaiates - Sabugal


AGÊNCIA VIAGENS ON-LINE

CERCAL – MILFONTES



FPCG – ACTIVIDADES

FEDERAÇÃO PORTUGUESA
CONFRARIAS GASTRONÓMICAS


FPCG-Federação Portuguesa Confrarias Gastronómicas - Destaques
FPCG-Federação Portuguesa Confrarias Gastronómicas Clique para visitar

SABUGAL

CONFRARIA DO BUCHO RAIANO
II Capítulo
e Cerimónia de Entronização
5 de Março de 2011


Confraria do Bucho Raiano  Sabugal Clique aqui
para ler os artigos relacionados

Contacto
confrariabuchoraiano@gmail.com


VILA NOVA DE POIARES

CONFRARIA DA CHANFANA

Confraria da Chanfana - Vila Nova de Poiares Clique para visitar



OLIVEIRA DO HOSPITAL

CONFRARIA DO QUEIJO
SERRA DA ESTRELA


Confraria do Queijo Serra da Estrela - Oliveira do Hospital - Coimbra Clique para visitar



CÃO RAÇA SERRA DA ESTRELA

APCSE
Associação Cão Serra da Estrela

Clique para visitar a página oficial


SORTELHA
Confraria Cão Serra da Estrela

Confraria do Cão da Serra da Estrela - Sortelha - Guarda Clique para ampliar



SABUGAL

CASA DO CASTELO
Largo do Castelo do Sabugal


Casa do Castelo


CALENDÁRIO

Arquivos

CATEGORIAS

VISITANTES ON-LINE

Hits - Estatísticas

  • 3.142.076 páginas lidas

PAGERANK – CAPEIA ARRAIANA

BLOGOSFERA

CALENDÁRIO CAPEIAS 2012

BLOGUES – BANDAS MÚSICA

SOC. FILARM. BENDADENSE
Bendada - Sabugal

BANDA FILARM. CASEGUENSE
Casegas - Covilhã


BLOGUES – DESPORTO

SPORTING CLUBE SABUGAL
Presidente: Carlos Janela

CICLISMO SERRA ESTRELA
Sérgio Gomes

KARATE GUARDA
Rui Jerónimo

BLOGUES RECOMENDADOS

A DONA DE CASA PERFEITA
Mónica Duarte

31 DA ARMADA
Rodrigo Moita de Deus

A PÁGINA DO ZÉ DA GUARDA
Crespo de Carvalho

ALVEITE GRANDE
Luís Ferreira

ARRASTÃO
Daniel Oliveira

CAFÉ PORTUGAL
Rui Dias José

CICLISMO SERRA ESTRELA
Sérgio Paulo Gomes

FANFARRA SACABUXA
Castanheira (Guarda)

GENTES DE BELMONTE
Investigador J.P.

CAFÉ MONDEGO
Américo Rodrigues

CCSR BAIRRO DA LUZ
Alexandre Pires

CORREIO DA GUARDA
Hélder Sequeira

CRÓNICAS DO ROCHEDO
Carlos Barbosa de Oliveira

GUARDA NOCTURNA
António Godinho Gil

JOGO DE SOMBRAS
Rui Isidro

MARMELEIRO
Francisco Barbeira

NA ROTA DAS PEDRAS
Célio Rolinho

O EGITANIENSE
Manuel Ramos (vários)

PADRE CÉSAR CRUZ
Religião Raiana

PEDRO AFONSO
Fotografia

PENAMACOR... SEMPRE!
Júlio Romão Machado

POR TERRAS DE RIBACÔA
Paulo Damasceno

PORTUGAL E OS JUDEUS
Jorge Martins

PORTUGAL NOTÁVEL
Carlos Castela

REGIONALIZAÇÃO
António Felizes/Afonso Miguel

ROCK EM PORTUGAL
Aristides Duarte

SOBRE O RISCO
Manuel Poppe

TMG
Teatro Municipal da Guarda

TUTATUX
Joaquim Tomé (fotografia)

ROTA DO CONTRABANDO
Vale da Mula


ENCONTRO DE BLOGUES NA BEIRA

ALDEIA DA MINHA VIDA
Susana Falhas

ALDEIA DE CABEÇA - SEIA
José Pinto

CARVALHAL DO SAPO
Acácio Moreira

CORTECEGA
Eugénia Santa Cruz

DOUROFOTOS
Fernando Peneiras

O ESPAÇO DO PINHAS
Nuno Pinheiro

OCEANO DE PALAVRAS
Luís Silva

PASSADO DE PEDRA
Graça Ferreira



FACEBOOK – BLOGUES

Anúncios