A propósito da minha última crónica, reparei que causou alguma polémica por se tratar de um tema algo quente. Continuo a defender que o acesso à cultura deve ser livre e os downloads ilegais são uma questão de consciência.

Pedro Miguel Fernandes - Série BUma das grandes questões que surge neste debate é a disponibilização de conteúdos artísticos na Internet. Eu não posso censurar alguém que vá à Internet descarregar um filme ou música, legal ou ilegalmente, mas posso sim censurar quem o colocou on-line sem a devida autorização e porventura possa lucrar com isso. Estes sim são os cibernautas que devem ser considerados culpados e punidos. Se calhar neste ponto não me expliquei bem na última crónica.
Considero que quem coloca os conteúdos on-line sem autorização também acaba por ser culpado pelos estúdios deixaram de investir em determinados realizadores por não serem rentáveis nas bilheteiras, acabando por apostar apenas no que é seguro.
Também é um facto que nunca como hoje se tornou tão fácil a divulgação da Arte. É verdade, mas um artista não vive do ar e não é disponibilizando as suas obras gratuitamente que vai sobreviver. É o mesmo que trabalhar para aquecer.
Cinema e DownloadsNeste aspecto a música é diferente do cinema, pois enquanto um músico consegue sobreviver através de concertos, muitos artistas já admitiram que se não fossem os espectáculos ao vivo deixavam o ramo, um realizador não vinga se não chegar às salas, pois só assim consegue ter uma projecção que não teria se fosse directo para DVD.
E continuo a defender que se em 1970 o panorama fosse igual ao de hoje em dia, se Martin Scorcese e companhia tivessem o azar de não conseguir vingar na bilheteira, mas fossem dos mais descarregados, não durariam muito tempo sem ajuda de algum produtor simpático. E todos sabemos que produtores simpáticos na indústria do Cinema são muito raros.
Em relação à qualidade dos filmes, cada um julga aquilo que vê da forma como vê. Há filmes que eu gosto e muita gente não gosta e há filmes que muita gente gosta e eu não gosto. Quem tem razão? Todos temos e ninguém tem. Se calhar os filmes de qualidade não são vistos e os filmes sem qualidade são vistos por milhares de pessoas em todo o mundo. Mas não me cabe a mim julgar o que é bom ou não.
E assim termino, prometendo voltar para a semana para falar de cinema aqui no Capeia Arraiana.
«Série B», opinião de Pedro Miguel Fernandes

pedrompfernandes@sapo.pt

Anúncios