You are currently browsing the daily archive for Quarta-feira, 24 Junho, 2009.

Na Ruvina, no café da Natália, estava tudo com antigamente; o mesmo balcão envidraçado, a máquina de café na prateleira sob os expositores de garrafas, umas quatro ou cinco mesas à volta da lareira e na sala contígua, subindo dois degraus, a mesa de bilhar…

João ValenteNo pátio, sob as escadas que levam ao primeiro andar, mais uma mesa, protegida por um guarda-sol de um vermelho desbotado. Nela já passei algumas tardes de Verão, na companhia dos meus primos, a jogar sueca.
Uma porta ao lado do balcão, dá para a cozinha térrea da casa, de onde saiu, pano de limpar a louça na mão, a Natália. Perguntei pela família; o Chico, o Carlos, que informou ela, «estavam de boa saúde e se recomendavam»; depois pela minha gente, que disse «não ter avistado desde o Natal».
Nem a minha tia Lurdes? – Indaguei.
Nem essa… Está para a Rebolosa, com a Isabel.
Limpando o balcão em longos círculos com o pano, quis saber o que tomava. Hesitei entre uma mini e um café. Optei pelo café, que nesse dia já vinha alegre da casa do Amândio e ainda queria tratar do orçamento das novas obras com o Aires.
Tomei o café e fui andando devagar; deslizando por entre as hortas do Chão do Ribeiro, vagueei pelas ruas pouco mudadas, observei as casas. Lá estava a da minha tia Conceição no início do largo, porta fechada, janelas corridas. Bebi no chafariz por debaixo da figueira, subi à torre da Igreja e sentei-me por momentos nas resguardas a ver as diferentes tonalidades vermelhas dos telhados e do verde dos quintais. Tudo parecia estar na mesma; enquanto olhava, as memórias assaltaram-me como uma copiosa chuva de Abril. Entre aqueles telhados e quintais tinha eu vivido muitos dos melhores tempos da minha juventude. Mesmo a meus pés, em frente, o portão e as escadinhas de muitas tardes e noites apaixonadas de ardor, a cabeça quente cheia de planos e aventuras. Ali eu fora feliz, por causa dos olhos negros de uma rapariga e dos beijos ousados do nosso amor.
Fazia-se tarde e apercebi-me que o sol já descia sobre a copa dos freixos, nos lameiros. Voltei a descer e atravessando o pequeno adro, subi pela rua deserta, passando pela longa fila de velhas casas desabitadas, torci o pé nos buracos do pavimento à curva da Ti Justina e finalmente detive-me diante da casa do padre António. No rés-do-chão uma porta enorme de madeira, já sem tinta; no primeiro andar, quatro janelões apagados. Fiquei parado, hesitante, a olhar a casa, não sabendo se devia ou não bater. Um rapazola desceu a rua; quando me viu ali especado, observou:
– É só abrir, nem precisa bater! Suba as escadas, sempre em frente… Devem estar na cozinha…
Obrigado – Respondi. E, subitamente, tinha a aldrava na mão.
Padre António Sanches - RuvinaEmpurrei-a com força, e a pesada porta abriu-se com dificuldade para um rés-do-chão silencioso e escuro. Do átrio pavimentado a granito subia uma velha escadaria senhorial, também em pedra, que conduzia a um largo corredor no primeiro andar, depois atravessando uma grande sala pobremente mobilada, à cozinha, num patamar ligeiramente inferior. Esta era de razoáveis dimensões, a mesa redonda e atoalhada cheia de papéis e jornais, junto à lareira, o fogão e por cima o cilindro de água quente.
A lareira, em granito enegrecido e revestida azulejos, estava acesa; os azulejos quentes reflectiam a luz difusa do lume e em volta da lareira, sentados, o padre António, a criada e duas visitas; um homem e uma mulher, esta fazendo renda.
Quando me viram parado à porta, o padre António sorriu, a criada fez um trejeito e a mulher que fazia na renda olhou um pouco para mim e depois baixou a cabeça, para apanhar o pano.
Desci as escadas, saudei os presentes O padre António levantou-se e vindo ao meu encontro, abraçou-me. Levantaram-se também a criada e as visitas, cedendo-me lugar junto à lareira.
Assim que me sentei, a conversa continuou sem cerimónia. A criada lamentou-se da sementeira das batatas, que o padre ainda teimava em fazer, apesar dos 92 anos e da saúde preclitante; o homem falou das ovelhas com que entretinha o tempo da reforma. À minha pergunta se fazia a ordenha, encolheu os ombros, «que não valia a pena… Não dava para o trabalho». A conversa derivou para a desertificação da terra, a falta de braços para amanhar os campos, dos parentescos entre diversas famílias. A senhora da renda, de vez em quando interrompendo a conversa, insistia que o padre bebesse toda a água da garrafa, para o exame ao estômago. A criada explicou então como o padre se vinha sentindo mal… Sem apetite, emagrecendo a olhos vistos… E a senhora da renda opinou que «era coisa séria… Que já tivera um mal ruim assim, mas de que se curara depois de muitas e complicadas operações». Falou-se por fim da minha mãe, falecida pelo Natal.
Aí fez-se um longo silêncio. Então o padre António poisando o copo, agarrando-me pelo braço, com a autoridade de quem foi amigo de quatro gerações da minha família, quer paterna, quer materna, sentenciou:
A Isabelinha foi um navego! – E querendo sublinhar a mulher de trabalho que a minha mãe fora, reiterou – Toda a vida um navego!
Quando me despedi para ir falar ao Aires e subi as escadas da cozinha, senti que para trás deixava um amigo muito querido, uma testemunha privilegiada dos momentos importantes da minha família, desde a primeira grande guerra aos dias de hoje.
Nunca mais se ouvirão aquelas suas palavras precisas e oportunas com que nos acompanhou nesses momentos, pois há dois anos partiu para sempre.
A vida continua, inexoravelmente, com mais uma sensação de vazio, mas o seu espectro permanece como uma viçosa e alta giesta na rusticidade granítica destas terras.
«Arroz com Todos», opinião de João Valente

joaovalenteadvogado@gmail.com

O padre António Joaquim Sanches nasceu, na Ruvina, a 26 de Junho de 1914 e foi ordenado sacerdote em 30 de Julho de 1939. Faleceu no dia 7 de Junho de 2007. Não podemos deixar de nos associar a esta homenagem ao Padre António agora que passam 95 anos sobre o seu nascimento e dois anos sobre o seu falecimento. Se a memória dos homens (e dos autarcas) não for curta terá, com toda a justiça, direito a memorial na sua aldeia natal. Bem-haja por tudo Padre António.
José Carlos Lages

Anúncios

No passado sábado, dia 20 de Junho, tal como havia sido anunciado, realizou-se a festa do S. João em Foios. Os quatro mordomos apuraram-se para que tudo corresse bem. Quatro ou cinco dias antes trabalharam com afinco e tiveram a recompensa porque os objectivos foram plenamente alcançados.

GALERIA DE IMAGENS – 20-6-2009
Clique nas imagens para ampliar

 

Por voltas das 16,30 horas chegou à praça a camioneta com três vacas e um pequeno toiro para a largada que estava anunciada. Das 17 às 20 horas a rapaziada divertiu-se tanto no largo da praça como nas ruas circundantes. O gado, muito embora não fosse de grande porte, como convém, era bastante afinado. Só mesmo quem tiver olho vivo o pé ligeiro se poderá meter nestas brincadeiras.
O conterrâneo Tó Canhoto – também conhecido pelo padeiro dos Foios – lá se descuidou um pouco e teve azar. Uma vaca afinada – que corria como lebre – apanhou-o quando se escapava para uma calampeira. Foi no portão pequeno da casa do ti Chico da Clara que foi colhido. Já tinha o corpo na parte de dentro mas mesmo assim não deixou de levar uma marrada numa perna tendo-lhe partido a tíbia e o perónio um pouco acima do tornozelo. Chamou-se de imediato a ambulância, dos Bombeiros do Soito, que o transportou para o hospital da Guarda, onde ficou internado, tendo sido operado no dia seguinte. Sabemos que a operação correu bastante bem pelo que agora só o tempo o poderá recuperar.
A população dos Foios ficou consternada sobretudo porque exerce a actividade de padeiro. Desde há alguns anos que o Tó tem feito a distribuição do pão na maioria das freguesias da raia onde é muito querido e apreciado. Foi pena que lhe tivesse acontecido isto agora. Caminhamos para o mês de Agosto, altura em que o trabalho dobra e redobra.
Esperamos que tudo lhe corra de feição e que dentro de pouco tempo o possamos ter de novo entre nós ainda que seja de muletas, como é óbvio.
Como o estado de saúde do Tó Canhoto não era muito preocupante a festa continuou. Às 21 horas os mordomos começaram a colocar nas mesas as saborosas sardinhas, carne entremeada e febras. Foi tudo regado com a boa pinga como não podia deixar de ser.
Depois de todos bem comidos e bem bebidos teve início o baile que durou até às quatro da madrugada. Pouco depois da meia noite ardeu o pinheiro. É também um momento bonito e todas as pessoas esperam com alguma ansiedade.
Parabéns aos mordomos: Pedro Henriques, José Paralto, Hélio Leal e João Campos.
Ofereceram-se para o ano de 2010 os seguintes jovens: Tiago e João Pedro Dias, Francisco do Chico da Ti Bei, André Colela e Luis Carlos da São. Que tudo lhes corra bem são os nossos votos. Cá estaremos para ajudar.
João Campos

JOAQUIM SAPINHO

DESTE LADO DA RESSURREIÇÃO
Em exibição nos cinemas UCI

Deste Lado da Ressurreição - Joaquim Sapinho - 2012 Clique para ampliar

Indique o seu endereço de email para subscrever este blog e receber notificações de novos posts por email.

Junte-se a 836 outros seguidores

PUBLICIDADE

CARACOL REAL
Produtos Alimentares


Caracol Real - Produtos Alimentares - Cerdeira - Sabugal - Portugal Clique para visitar a Caracol Real


PUBLICIDADE

DOISPONTOCINCO
Vinhos de Belmonte


doispontocinco - vinhos de belmonte Clique para visitar Vinhos de Belmonte


CAPEIA ARRAIANA

PRÉMIO LITERÁRIO 2011
Blogue Capeia Arraiana
Agrupamento Escolas Sabugal

Prémio Literário Capeia Arraiana / Agrupamento Escolas Sabugal - 2011 Clique para ampliar

BIG MAT SABUGAL

BigMat - Sabugal

ELECTROCÔA

Electrocôa - Sabugal

TALHO MINIPREÇO

Talho Minipreço - Sabugal



FACEBOOK – CAPEIA ARRAIANA

Blogue Capeia Arraiana no Facebook Clique para ver a página

Já estamos no Facebook


31 Maio 2011: 5000 Amigos.


ASSOCIAÇÃO FUTEBOL GUARDA

ASSOCIAÇÃO FUTEBOL GUARDA

ESCOLHAS CAPEIA ARRAIANA

Livros em Destaque - Escolha Capeia Arraiana
Memórias do Rock Português - 2.º Volume - João Aristides Duarte

Autor: João Aristides Duarte
Edição: Autor
Venda: Casa do Castelo (Sabugal)
e: akapunkrural@gmail.com
Apoio: Capeia Arraiana



Guia Turístico Aldeias Históricas de Portugal

Autor: Susana Falhas
Edição: Olho de Turista
Venda: Casa do Castelo (Sabugal)



Música em Destaque - Escolha Capeia Arraiana
Cicatrizando

Autor: Américo Rodrigues
Capa: Cicatrizando
Tema: Acção Poética e Sonora
Venda: Casa do Castelo (Sabugal)



SABUGAL – BARES

BRAVO'S BAR
Tó de Ruivós

Bravo's Bar - Sabugal - Tó de Ruivós

LA CABAÑA
Bino de Alfaiates

La Cabaña - Alfaiates - Sabugal


AGÊNCIA VIAGENS ON-LINE

CERCAL – MILFONTES



FPCG – ACTIVIDADES

FEDERAÇÃO PORTUGUESA
CONFRARIAS GASTRONÓMICAS


FPCG-Federação Portuguesa Confrarias Gastronómicas - Destaques
FPCG-Federação Portuguesa Confrarias Gastronómicas Clique para visitar

SABUGAL

CONFRARIA DO BUCHO RAIANO
II Capítulo
e Cerimónia de Entronização
5 de Março de 2011


Confraria do Bucho Raiano  Sabugal Clique aqui
para ler os artigos relacionados

Contacto
confrariabuchoraiano@gmail.com


VILA NOVA DE POIARES

CONFRARIA DA CHANFANA

Confraria da Chanfana - Vila Nova de Poiares Clique para visitar



OLIVEIRA DO HOSPITAL

CONFRARIA DO QUEIJO
SERRA DA ESTRELA


Confraria do Queijo Serra da Estrela - Oliveira do Hospital - Coimbra Clique para visitar



CÃO RAÇA SERRA DA ESTRELA

APCSE
Associação Cão Serra da Estrela

Clique para visitar a página oficial


SORTELHA
Confraria Cão Serra da Estrela

Confraria do Cão da Serra da Estrela - Sortelha - Guarda Clique para ampliar



SABUGAL

CASA DO CASTELO
Largo do Castelo do Sabugal


Casa do Castelo


CALENDÁRIO

Arquivos

CATEGORIAS

VISITANTES ON-LINE

Hits - Estatísticas

  • 3.140.268 páginas lidas

PAGERANK – CAPEIA ARRAIANA

BLOGOSFERA

CALENDÁRIO CAPEIAS 2012

BLOGUES – BANDAS MÚSICA

SOC. FILARM. BENDADENSE
Bendada - Sabugal

BANDA FILARM. CASEGUENSE
Casegas - Covilhã


BLOGUES – DESPORTO

SPORTING CLUBE SABUGAL
Presidente: Carlos Janela

CICLISMO SERRA ESTRELA
Sérgio Gomes

KARATE GUARDA
Rui Jerónimo

BLOGUES RECOMENDADOS

A DONA DE CASA PERFEITA
Mónica Duarte

31 DA ARMADA
Rodrigo Moita de Deus

A PÁGINA DO ZÉ DA GUARDA
Crespo de Carvalho

ALVEITE GRANDE
Luís Ferreira

ARRASTÃO
Daniel Oliveira

CAFÉ PORTUGAL
Rui Dias José

CICLISMO SERRA ESTRELA
Sérgio Paulo Gomes

FANFARRA SACABUXA
Castanheira (Guarda)

GENTES DE BELMONTE
Investigador J.P.

CAFÉ MONDEGO
Américo Rodrigues

CCSR BAIRRO DA LUZ
Alexandre Pires

CORREIO DA GUARDA
Hélder Sequeira

CRÓNICAS DO ROCHEDO
Carlos Barbosa de Oliveira

GUARDA NOCTURNA
António Godinho Gil

JOGO DE SOMBRAS
Rui Isidro

MARMELEIRO
Francisco Barbeira

NA ROTA DAS PEDRAS
Célio Rolinho

O EGITANIENSE
Manuel Ramos (vários)

PADRE CÉSAR CRUZ
Religião Raiana

PEDRO AFONSO
Fotografia

PENAMACOR... SEMPRE!
Júlio Romão Machado

POR TERRAS DE RIBACÔA
Paulo Damasceno

PORTUGAL E OS JUDEUS
Jorge Martins

PORTUGAL NOTÁVEL
Carlos Castela

REGIONALIZAÇÃO
António Felizes/Afonso Miguel

ROCK EM PORTUGAL
Aristides Duarte

SOBRE O RISCO
Manuel Poppe

TMG
Teatro Municipal da Guarda

TUTATUX
Joaquim Tomé (fotografia)

ROTA DO CONTRABANDO
Vale da Mula


ENCONTRO DE BLOGUES NA BEIRA

ALDEIA DA MINHA VIDA
Susana Falhas

ALDEIA DE CABEÇA - SEIA
José Pinto

CARVALHAL DO SAPO
Acácio Moreira

CORTECEGA
Eugénia Santa Cruz

DOUROFOTOS
Fernando Peneiras

O ESPAÇO DO PINHAS
Nuno Pinheiro

OCEANO DE PALAVRAS
Luís Silva

PASSADO DE PEDRA
Graça Ferreira



FACEBOOK – BLOGUES

Anúncios