A Polícia Judiciária (PJ) apreendeu um computador e ouviu funcionários da Câmara de Penamacor na sequência de denúncias contra a autarquia, segundo informou ontem o presidente do município, Domingos Torrão (PS), no decurso de uma reunião pública do executivo, em resposta a questões dos vereadores da oposição.

PenamacorSegundo uma notícia entretanto divulgada pela agência Lusa, Domingos Torrão não revelou contudo pormenores sobre as diligências da PJ, nem sobre as matérias em causa.
Domingos Torrão informou que a Judiciária está a averiguar assuntos anteriores a Janeiro de 2002, o que abrange a época em que foi vice-presidente da autarquia, antes dos dois mandatos que viria a liderar.
Questionado pela agência Lusa, o autarca recusou-se a adiantar mais pormenores.
«Não fui ouvido, nem ninguém do executivo», referiu. «Perguntaram-me apenas se queria colaborar, respondi que estamos de portas abertas», sublinhou, referindo que na quinta-feira houve funcionários da autarquia ouvidos pela PJ no posto da GNR.
Entre as diligências efectuadas, os quatro elementos da Judiciária apreenderam «um computador». «Não sei o que lá estava», referiu o presidente do município.
Durante a reunião do executivo, Domingos Torrão referiu que a acção da PJ teve por base «exactamente o mesmo que se tem passado nos últimos anos: denúncias anónimas».
Domingos Torrão aludiu a correspondência «para a Inspecção-Geral de Administração Local (IGAL), Procuradoria e Polícia Judiciária feita ao longo dos anos» e que também já levou a IGAL à autarquia.
«Ainda bem que a IGAL já esteve, fez um relatório, exercemos o contraditório e aguardamos agora o relatório final», referiu.
«Continuamos disponíveis para colaborar com todas as entidades, sejam elas quais forem». «Aguardamos serenamente que tudo isto chegue ao fim», concluiu o autarca.
plb

Anúncios