You are currently browsing the daily archive for Domingo, 10 Maio, 2009.

O F.C. Porto sagrou-se este domingo campeão nacional de futebol pela 24.ª vez, ao derrotar o Nacional da Madeira, por 1-0, na 28.ª jornada da Liga. É o quarto campeonato consecutivo dos dragões, sendo também o 17.º campeonato desde que Pinto da Costa assumiu a presidência do clube em 1982. Jesualdo Ferreira fez história ao tornar-se o primeiro treinador português a conquistar três campeonatos nacionais de futebol consecutivos.

F.C. Porto Campeão

jcl

Anúncios

O Museu do Oriente comemorou este sábado, 9 de Maio, o primeiro aniversário. O Capeia Arraiana esteve à fala com a sua directora, Natália Correia Guedes, doutorada em Museologia e com fortes ligações ao concelho do Sabugal onde passa com a família «os tempos livres possíveis» na sua quinta recuperada, junto ao rio Côa, em Vale das Éguas.

Natália Correia Guedes - Museu do OrienteA conversa com Natália Correia Guedes deu pano para mangas, ou para sermos mais rigorosos, para várias exposições. Ouvir falar de cultura a quem sabe e depois escolher o mais importante para escrever faz-nos perceber as dificuldades dos comissários das exposições quando seleccionam obras de arte. Abrindo uma excepção vamos dividir em duas partes a entrevista à directora do Museu do Oriente.
– No dia 9 de Março o Museu do Oriente festeja o seu primeiro aniversário…
– Até agora já visitaram o Museu cerca de 130 mil pessoas. A exposição inaugural «Máscaras da Ásia» foi prolongada em virtude do sucesso estando agora a ser desmontada. Durante este primeiro ano decorreram oficinas, workshops, conferências, cursos… espectáculos e concertos que esgotaram os 360 lugares do auditório, enfim, uma grande actividade paralela e onde se incluem as exposições, permanentes e temporárias, de gravura e fotografia.
– Há uma grande aposta nas escolas e nas crianças…
– Exactamente. É uma aposta prioritária. Há agendamento para visitas de escolas praticamente todos os dias. Os monitores fazem visitas guiadas sobre temáticas como, por exemplo, a presença portuguesa na Ásia ou marfins indo-portugueses. As escolas e os professores podem pedir visitas de estudo sobre temas que estejam a desenvolver nas aulas. Em tempos de contenção ter guias especializados em cada uma das matérias poderia obrigar a custos elevadíssimos mas o Museu do Oriente implementou um esquema inovador, pioneiro, que não implica a permanência do monitor. Há que conciliar os pedidos com a chamada do monitor e ele vem quando é necessário e consoante as disponibilidades sendo a despesa coberta com a receita. Os visitantes sabem que vão ter à sua espera um especialista e não um generalista. Imaginemos que as crianças querem um teatro. O monitor é igualmente actor e pode fazer um pequeno teatro relacionado com sombras chinesas, com marionetas ou teatro tailandês.
– Há muitos especialistas em Portugal sobre a cultura chinesa?
– Alguns. Começa a haver e a maior parte são antigos bolseiros da Fundação Oriente que estiveram em Macau, Timor ou Índia a fazer investigação nas áreas da História ou da Arte. Ou fotógrafos de renome. A próxima exposição temporária «Portulíndia» é uma exposição de fotografia comparativa entre Portugal e a Índia de um antigo bolseiro da Fundação.
– É um retorno do investimento da Fundação Oriente nos seus bolseiros…
– Exactamente. Até agora todas as exposições são da autoria de antigos bolseiros. A exposição «A obra de Edgar Martins» estava no Museu do Oriente quando o autor foi o vencedor do Prémio BES. Foi o máximo. Quando ganhou o prémio tinha aqui a exposição. A próxima exposição, do pintor Fausto Sampaio, vai ser inaugurada no primeiro aniversário. O artista andou pelas antigas colónias do Oriente, Índia, Timor e Macau.
– Ao fim do primeiro ano o Museu já está a seu gosto?
– Um Museu é uma obra em permanente evolução, em permanente actualização. Em matéria temática ainda faltam muitas iniciativas mas o que pretendemos é interessar é a comunidade. O nosso objectivo é interessar os portugueses e os estrangeiros com colecções afins para nos virem visitar e conhecer. Pretendemos promover o Museu nas zonas do Interior. Ainda há muito português que não consegue vir a Lisboa com facilidade.
– Há excursões para visitar o Museu do Oriente?
– Sim. De todo o País. A semana passada, por exemplo, tivemos um autocarro de Castelo Branco.
– E do Sabugal?
– Do Sabugal nunca aconteceu.
– A estratégia e a programação incluem levar as exposições do Museu do Oriente a locais que reúnam condições de preservação e segurança…
– A vereadora da cultura da Câmara de Leiria veio visitar o Museu e mostrou interesse em receber exposições nossas. Eles têm umas excelentes instalações num edifício que foi do Banco de Portugal e que vai receber a nossa exposição das máscaras em Agosto o período alto do turismo na região. Temos exposições programadas para Loures e para a Malaposta em Odivelas uma exposição de pintura muito interessante de Xavier Trindade. O espólio foi oferecido à Fundação pelos descendentes para ficar em Goa mas como a colecção estava nos Estados Unidos, houve um acordo que durante a viagem pudesse ser apresentada no Porto, em Leiria e Lisboa. O espaço físico do Museu começa a ser curto. Uma das exposições semi-permanentes intitulada «Deuses da Ásia» é constituída por exemplares que fazem parte de um espólio enorme, a colecção Kwok On (apelido de um coleccionador chinês) que durante uma vida juntou arte efémera oriental relacionada com o teatro e a vida quotidiana tendo organizado um pequeno museu em Paris. A determinada altura propôs à Câmara de Paris que recebesse a colecção mas esta não aceitou. Através de um amigo, que é professor na Universidade da Sorbonne, ofereceu a colecção ao doutor Monjardino e assim a Fundação recebeu, de uma só vez, 13 mil objectos. Neste momento temos expostos cerca de mil objectos ou que significa que durante 13 anos temos matéria para o piso 2 das exposições semi-permanentes. São objectos muito sensíveis e é necessário haver uma certa rotatividade. A actual exposição vai ser desmontada e vai ficar no seu lugar a colecção Ram Navami, um grande acontecimento festivo hindu e apresentada ao público como colecção Kwok On.
– Isso implica um tratamento muito grande de inventário?
– Temos uma senhora francesa Sylvie Gonfond, funcionária da Fundação, que orienta todos os inventários e que é comissária das exposições. O armazém no piso 3 está completamente ocupado de objectos com reserva que podem ser analisados, por exemplo, por investigadores respeitando determinadas condições pelo Museu.
(Continua.)

Natália Correia Guedes, neta do escritor sabugalense Joaquim Manuel Correia (natural da Ruvina), já desempenhou vários cargos públicos, designadamente subscretária de Estado da Cultura (1990 e 91), catedrática da Universidade Católica, fundadora e directora do Museu Nacional do Traje (1975 a 79), directora-geral do Património Cultural, presidente do Instituto Português do Património Cultural (1980 a 84), directora do Museu Nacional dos Coches (1985 a 90), coordenadora do projecto «Inventário do Património Cultural (1997 a 2000), autora de diversos catálogos de exposições e monografias e comissária de exposições de arte em Portugal e no estrangeiro e mais recentemente comissária geral das Comemorações do V Centenário do Nascimento de S. Franciso Xavier.
jcl

Esta segunda parte da conversa com a directora do Museu do Oriente, Natália Correia Guedes, aborda a riqueza do património do Sabugal, o Grupo dos Amigos do Museu do Oriente e a Ordem Hospitaleira de São João de Deus cuja história se mistura com a das terras da raia ribacudana.

Natália Correia Guedes - Museu do Oriente– O concelho do Sabugal tem vestígios históricos interessantes…
– O concelho do Sabugal é muito rico em património. Há determinados nichos que estão esquecidos e que poderiam ser postos em destaque. Estive este fim-de-semana na Ponte de Sequeiros [n.r. Valongo do Côa]. Quem já leva a sua cultura sabe que está na presença de uma ponte romana que era uma via muito importante e a dificuldade de transportar todas aquelas pedras. Mas porque é que se justificou uma ponte naquele local? Porque havia minas de ouro e por isso muitas moedas se têm encontrado naquela rota. Mas isto devia ser explicado no local com um cartaz interpretativo. Quando há património disperso que faz parte de um roteiro constrói-se um centro de interpretação que explica toda essa matéria. Os visitantes a partir do centro de interpretação localizam-se geograficamente estando demarcados com muita clareza determinados locais para serem visitados. Os países nórdicos e a Holanda têm este trabalho extremamente bem feito nesta matéria.
– É esse o papel de um responsável de um Museu?
– Claro. É fundamental saber explicar e transmitir toda a sua sabedoria aos visitantes transformando um passeio turístico em ensinamentos culturais. Até porque o interlocutor pode saber mais. Uma vez o Museu de Arqueologia fez uma super-exposição com ouros pré-históricos. Uma professora de Vila Real vinha a acompanhar os alunos. Olhou para o cartaz e exclamou «Tenho em casa um colar destes!» O colar era nem mais nem menos do que um «torques pré-histórico» que um familiar tinha encontrado na lavoura do campo. O colar foi vendido a um antiquário mas eu consegui convencê-lo a revender e a Câmara adquiriu-o. O colar de valor incalculável está neste momento no Museu de Vila Real. E já que falamos de Vila Real não resisto a contar um episódio que se passou recentemente na Ruvina. O padre João Parente, de Vila Real, é especialista em numismática romana e já publicou livros sobre a adoração das serpentes. Elaborou uma colecção de milhares de moedas antigas e ofereceu-a à Câmara Municipal de Vila Real. É um benemérito. Já esteve comigo na Ruvina e aproveitámos para espreitar o chamado barroco da serpente.
– Conheço o Barroco da Serpente na Ruvina. Nem sequer está referenciado com placas. Tem algum interesse histórico?
– Encontrei-me com o padre João Parente na Academia Portuguesa de Ciências e a conversa andou à volta das características dos povos ofiusas, ou seja, povos que adoravam as serpentes – o nome Ofir está relacionado – e de como o cristianismo purificou todas essas adorações pré-históricas. Aproveitei para lhe perguntar quais são as características das cobras gravadas nas pedras. Ele fez-me um desenho com umas pequenas covas no final do rasto para onde o sangue escorria. No fundo o cristianismo purificou essa divinização da cobra e acabou por colocá-la na esfera que suporta a imagem de Nossa Senhora, ou seja, o domínio do bem sobre o mal. «Na Ruvina há lá uma barroca com essas características» comentei. Há pouco tempo, eu e o padre João fomos até lá, retirámos com uma vassoura de piassaba a terra que estava a tapar as reentrâncias e lá estava bem marcada a serpente.
– E esses vestígios deviam ser preservados?
– Sem dúvida nenhuma. Mas por vezes falta sensibilidade. A adoração do javali e do porco selvagem existia porque era o único animal que conseguia vencer a cobra, altamente venenosa para o homem. Eram os chamados berrões. Há um estudo recente foi feito há três ou quatro anos sobre os berrões que são, geralmente, esculpidos em granito.
– A Fundação consegue comprar tudo o que gostaria?
– As Fundações não substituem o Estado mas têm um papel fundamental na recolha e preservação do património… É um fenómeno muito curioso. Desde que o Museu abriu há permanentemente propostas de venda de particulares. Nem sempre é possível. Neste momento há que ter um equilíbrio financeiro muito grande de gestão dos fundos e porque houve um investimento brutal em recuperar o edifício e montar o museu. O equilíbrio financeiro é fundamental.
– Já tiveram solicitações para «emprestarem» exposições de outros museus? E do Museu do Sabugal?
– As peças de arte viajam muito. Ainda não tivemos nenhuma exposição vinda de outro museu mas está em estudo essa possibilidade. Uma parte significativa da exposição Kwok On sobre máscaras já esteve numa cidade do sul de França. O sucesso foi tal que este ano veio cá um grupo da escola local visitar o Museu do Oriente. Do Museu do Sabugal não tivemos, até agora, nenhum pedido ou contacto.
– Quais são as actividades do Grupo de Amigos do Museu do Oriente?
– Acabou de sair daqui um autocarro com cerca de 40 pessoas, do Grupo de Amigos do Museu do Oriente, que vão até a Sines visitar o museu local… Têm mensalmente uma actividade que, na realidade, serve para levar a mensagem do Museu do Oriente e trazer notícias e novidades. A grande maioria é do corpo diplomático. Antigos embaixadores no Oriente e pessoas que viveram em Macau e Timor e que nos são muito úteis porque têm contactos e conhecem coleccionadores particulares. Vamos, por exemplo, fazer uma exposição sobre flores do Oriente. Eu tenho que localizar porcelanas com flores, pratas, etc., e há sempre algum deles que conhece alguém que tem lá em casa determinado objecto. Estas grupo dá ao Museu um grande enriquecimento cultural. Há pessoas que têm em casa peças excelentes, muitas vezes herdadas, e que nem sabem o que valem. Peças excepcionais. No ano passado uma senhora foi ao antiquário mostrar uma peça que tinha em casa. Era uma peça excepcional do século XVI que acabou por ser capa da revista do leilão de um importante leiloeiro em Londres. Durante séculos fomos entreposto de obras de arte excepcionais vindas do Oriente que passavam por Portugal compradas por burgueses endinheirados, nobres. As rotas das porcelanas, das sedas que representavam o lastro possível de um navio ou seja, aquele peso que era necessário para equilibrar o barco. Os chineses mais cultos apreciam a porcelana de melhor manufactura ou por que era monocromática ou uma pasta de melhor qualidade. A nossa Companhias das Indias fazia apenas o transporte. Nós temos exposta uma vitrina enorme com os pratos colocados em forma de dragão chinês e em que cada prato tem as armas de uma família portuguesa. São centenas de peças que a Fundação comprou a um coleccionador que as reuniu durante mais de 20 anos.
– Sei que esteve ligada à Ordem Hospitaleira de São João de Deus…
– Não é bem uma ligação. A Ordem Hospitaleira de São João de Deus, há uns dois anos, pediu-me para elaborar um programa para montar o Museu da Ordem. Eu ainda não estava aqui na Fundação Oriente. Fiz o programa mas quem veio a montar o Museu foi uma filha minha conservadora de museus, Carmina Correia Guedes, com o meu acompanhamento. A 8 de Março foi inaugurado o Museu no Hospital do Telhal, perto de Sintra. O que é que isto tem a ver com o Sabugal? Tem tudo a ver com o Sabugal. A Ordem Hospitaleira de São João de Deus foi extinta em Portugal, como todas as ordens religiosas, em Portugal em 1834. Quando regressam, pela mão do padre Bento Menni instalam-se em Aldeia da Ponte. A primeira casa da Ordem Hospitaleira foi em Aldeia da Ponte que infelizmente está em ruínas mas penso que recuperáveis. Devemos, pois, destacar este facto. Foi graças a uma adesão enorme da pessoas da zona do Sabugal que se restabeleceu a Ordem Hospitaleira em Portugal. Aliás, como sabe, muitos dos irmãos espalhados pelas casas da Ordem são oriundos das aldeias do Sabugal. Aproveitei para deixar um catálogo, com um cartão pessoal, aos responsáveis do Museu do Sabugal dando conta da importância da relação que os dois museus podiam ter mas, até agora, ainda não recebi qualquer resposta.

1 – Agradecemos a disponibilidade de agenda de Natália Correia Guedes, directora do Museu do Oriente, para receber o Capeia Arraiana e para nos guiar numa visita à exposição de Fausto Sampaio em fase final de montagem. Por curiosidade refira-se que uma das pinturas que vai estar exposta pertence a uma das paredes do gabinete do primeiro-ministro José Sócrates.

2 – Na Ordem Hospitaleira de S. João de Deus, entre 1891 e 2006, dos 1.090 candidatos a irmãos, 199 eram do Sabugal. Muitos dos religiosos da região chegaram mesmo a ocupar lugares de destaque como José Joaquim Fernandes e Horácio Monteiro (naturais de Quintas de S. Bartolomeu estão actualmente na Madeira), o padre Carreto (Rapoula do Côa) e outros.

3 – Há uma clara falta de interesse dos responsáveis sabugalenses em encetar uma parceria (privilegiada) com o imenso património cultural do Museu do Oriente. Há uma clara falta de motivação para levar os alunos das escolas do Sabugal a visitar os museus de Lisboa. Há uma clara ausência de aproveitamento das «coisas» históricas da Ordem Hospitaleira de São João de Deus e da sua relação com os sabugalenses e o Sabugal. Será falta (excesso) de sensibilidade, será falta (excesso) de profissionalismo, será falta (excesso) de vontade, será falta (excesso) de trabalho ou será… falta (excesso) de tempo?
jcl

Com a Lei n.º 7/2009, de 12 de Fevereiro, revogou–se o anterior diploma Lei 99/2003, de 27 de Agosto, do Código do Trabalho. Um despacho de um juízo cível alterou de 1/6 para 1/5 a penhora do vencimento de um cidadão por dificuldades de pagamento.

José MorgadoAcontece que não foram ressalvadas, na Lei n.º 7/2009, de 12 de Fevereiro, as Contra-Ordenações ou sanções na área importantíssima da SHST (Segurança Higiene e Saúde no Trabalho)
Ao dar-se pela falha, à boa maneira portuguesa, utilizou-se «um expediente legal» que só se aplica para os casos que impliquem correcções de simples erros gramaticais, quando o que estava em causa, eram alterações substanciais.
Assim o Tribunal da Relação de Évora, por Acórdão de 5 de Maio considerou a correcção «uma inexistência jurídica». Aqui os magistrados estiveram bem e os juristas muito mal.
No segundo caso, que se transcreve, quem esteve mal foi o magistrado, cujo erro também não é um simples erro de cálculo.
«8.º Juízo Cível da Comarca de Lisboa
Processo n.º 1313/2008.
A fls. 189 vem o Executado apresentar um requerimento intitulado de «oposição à penhora» em que alega sido ordenada a penhora de 1/6 do vencimento que aufere, sendo que atentas as despesas correntes que apresente ter, o deixa numa situação de grave carência económica.
Conclui, pedindo a isenção de penhora.
Notificado o exequente, vem este requerer a manutenção da penhora.
Foi ordenado a elaboração de um relatório sócio-económico do executado, o qual se mostra junto a fls. 213.
Apreciando.
O Tribunal deve ponderar entre o interesse do exequente em ver o seu direito assegurado, e o do executado em cumprir o pagamento da quantia a que se encontra vinculado, interesse esse que tem de ser proporcional.
Pese embora os factos relatados pelo executado, e sendo certo que não competindo ao Tribunal restringi-lo de refazer a sua vida como entender, também não pode o Tribunal prejudicar os compromissos anteriormente por aquele assumidos.
Assim, determina o Tribunal proceder à redução da penhora do vencimento do executado para 1/5 do vencimento.
Notifique.
Lisboa, 2008-12-12.»
«Terras entre Côa e Raia», opinião de José Morgado

morgadio46@gmail.com

A freguesia raiana dos Fóios, que é sobejamente conhecida pela sua boa gastronomia, pela nascendo do rio Côa e por saber acolher bem quem a visita, vai continuar a receber pessoas que vêm de longe, como nos informou o presidente da Junta de Freguesia, José Manuel Campos.

deputados esoanhóis nos FóiosNo dia 14 Maio virá aos Fóios o presidente da Junta da Freguesia da Sé, da cidade alentejana de Portalegre. O presidente e a sua comitiva irão visitar a Serra das Mesas e a nascente do Rio Côa, após o que regressarão aos Fóios onde pernoitam. À noite ser-lhe-ão apresentados, no auditório do Centro Cívico, alguns vídeos com os encerros, as capeias e contrabando. O Jantar servirá para dar a conhecer a gastronomia raiana.
No dia 23 de Maio a freguesia recebe um autocarro vindo de Hoyos, povoação da província espanhola da Estremadura. As cerca de cinquenta pessoas serão recebidas no Centro Cívico Nascente do Côa, onde tomarão um café. Depois partem à descoberta do concelho do Sabugal, seguindo a rota dos nossos castelos. O almoço vai acontecer no restaurante do Hotel da cidade do Sabugal.
A 31 de Maio virá aos Fóios um grupo composto por empresários do ramo do turismo da zona de Pombal. Vão ser igualmente recebidos no auditório do Centro Cívico, por volta do meio-dia, e seguidamente partem, de autocarro, para Navasfrias onde também visitarão o Centro de Interpretação da Natureza. O almoço vai ser servido na Hosteria de la Raya de que é proprietário o Alcalde, Celso Ramos.
Outra inicitiva, ainda sem data precisa, mas que será no presente mês de Maio, é a vinda de um autocarro de Salamanca, com deputados e seus familiares. Virão em passeio às nossas terras e almoçarão nos Fóios, onde de resto já haviam estado no ano anterior.
Estes são algumas das visitas programados, às quais a Junta de Freguesia dará apoio. Entretanto o presidente da Junta, José Manuel Campos alerta: «Prestamos colaboração a estas iniciativas, que já fazem parte da nossa agenda, mas outras poderão ainda surgir, que igualmente serão apoiadas».
plb

JOAQUIM SAPINHO

DESTE LADO DA RESSURREIÇÃO
Em exibição nos cinemas UCI

Deste Lado da Ressurreição - Joaquim Sapinho - 2012 Clique para ampliar

Indique o seu endereço de email para subscrever este blog e receber notificações de novos posts por email.

Junte-se a 836 outros seguidores

PUBLICIDADE

CARACOL REAL
Produtos Alimentares


Caracol Real - Produtos Alimentares - Cerdeira - Sabugal - Portugal Clique para visitar a Caracol Real


PUBLICIDADE

DOISPONTOCINCO
Vinhos de Belmonte


doispontocinco - vinhos de belmonte Clique para visitar Vinhos de Belmonte


CAPEIA ARRAIANA

PRÉMIO LITERÁRIO 2011
Blogue Capeia Arraiana
Agrupamento Escolas Sabugal

Prémio Literário Capeia Arraiana / Agrupamento Escolas Sabugal - 2011 Clique para ampliar

BIG MAT SABUGAL

BigMat - Sabugal

ELECTROCÔA

Electrocôa - Sabugal

TALHO MINIPREÇO

Talho Minipreço - Sabugal



FACEBOOK – CAPEIA ARRAIANA

Blogue Capeia Arraiana no Facebook Clique para ver a página

Já estamos no Facebook


31 Maio 2011: 5000 Amigos.


ASSOCIAÇÃO FUTEBOL GUARDA

ASSOCIAÇÃO FUTEBOL GUARDA

ESCOLHAS CAPEIA ARRAIANA

Livros em Destaque - Escolha Capeia Arraiana
Memórias do Rock Português - 2.º Volume - João Aristides Duarte

Autor: João Aristides Duarte
Edição: Autor
Venda: Casa do Castelo (Sabugal)
e: akapunkrural@gmail.com
Apoio: Capeia Arraiana



Guia Turístico Aldeias Históricas de Portugal

Autor: Susana Falhas
Edição: Olho de Turista
Venda: Casa do Castelo (Sabugal)



Música em Destaque - Escolha Capeia Arraiana
Cicatrizando

Autor: Américo Rodrigues
Capa: Cicatrizando
Tema: Acção Poética e Sonora
Venda: Casa do Castelo (Sabugal)



SABUGAL – BARES

BRAVO'S BAR
Tó de Ruivós

Bravo's Bar - Sabugal - Tó de Ruivós

LA CABAÑA
Bino de Alfaiates

La Cabaña - Alfaiates - Sabugal


AGÊNCIA VIAGENS ON-LINE

CERCAL – MILFONTES



FPCG – ACTIVIDADES

FEDERAÇÃO PORTUGUESA
CONFRARIAS GASTRONÓMICAS


FPCG-Federação Portuguesa Confrarias Gastronómicas - Destaques
FPCG-Federação Portuguesa Confrarias Gastronómicas Clique para visitar

SABUGAL

CONFRARIA DO BUCHO RAIANO
II Capítulo
e Cerimónia de Entronização
5 de Março de 2011


Confraria do Bucho Raiano  Sabugal Clique aqui
para ler os artigos relacionados

Contacto
confrariabuchoraiano@gmail.com


VILA NOVA DE POIARES

CONFRARIA DA CHANFANA

Confraria da Chanfana - Vila Nova de Poiares Clique para visitar



OLIVEIRA DO HOSPITAL

CONFRARIA DO QUEIJO
SERRA DA ESTRELA


Confraria do Queijo Serra da Estrela - Oliveira do Hospital - Coimbra Clique para visitar



CÃO RAÇA SERRA DA ESTRELA

APCSE
Associação Cão Serra da Estrela

Clique para visitar a página oficial


SORTELHA
Confraria Cão Serra da Estrela

Confraria do Cão da Serra da Estrela - Sortelha - Guarda Clique para ampliar



SABUGAL

CASA DO CASTELO
Largo do Castelo do Sabugal


Casa do Castelo


CALENDÁRIO

Arquivos

CATEGORIAS

VISITANTES ON-LINE

Hits - Estatísticas

  • 3.152.040 páginas lidas

PAGERANK – CAPEIA ARRAIANA

BLOGOSFERA

CALENDÁRIO CAPEIAS 2012

BLOGUES – BANDAS MÚSICA

SOC. FILARM. BENDADENSE
Bendada - Sabugal

BANDA FILARM. CASEGUENSE
Casegas - Covilhã


BLOGUES – DESPORTO

SPORTING CLUBE SABUGAL
Presidente: Carlos Janela

CICLISMO SERRA ESTRELA
Sérgio Gomes

KARATE GUARDA
Rui Jerónimo

BLOGUES RECOMENDADOS

A DONA DE CASA PERFEITA
Mónica Duarte

31 DA ARMADA
Rodrigo Moita de Deus

A PÁGINA DO ZÉ DA GUARDA
Crespo de Carvalho

ALVEITE GRANDE
Luís Ferreira

ARRASTÃO
Daniel Oliveira

CAFÉ PORTUGAL
Rui Dias José

CICLISMO SERRA ESTRELA
Sérgio Paulo Gomes

FANFARRA SACABUXA
Castanheira (Guarda)

GENTES DE BELMONTE
Investigador J.P.

CAFÉ MONDEGO
Américo Rodrigues

CCSR BAIRRO DA LUZ
Alexandre Pires

CORREIO DA GUARDA
Hélder Sequeira

CRÓNICAS DO ROCHEDO
Carlos Barbosa de Oliveira

GUARDA NOCTURNA
António Godinho Gil

JOGO DE SOMBRAS
Rui Isidro

MARMELEIRO
Francisco Barbeira

NA ROTA DAS PEDRAS
Célio Rolinho

O EGITANIENSE
Manuel Ramos (vários)

PADRE CÉSAR CRUZ
Religião Raiana

PEDRO AFONSO
Fotografia

PENAMACOR... SEMPRE!
Júlio Romão Machado

POR TERRAS DE RIBACÔA
Paulo Damasceno

PORTUGAL E OS JUDEUS
Jorge Martins

PORTUGAL NOTÁVEL
Carlos Castela

REGIONALIZAÇÃO
António Felizes/Afonso Miguel

ROCK EM PORTUGAL
Aristides Duarte

SOBRE O RISCO
Manuel Poppe

TMG
Teatro Municipal da Guarda

TUTATUX
Joaquim Tomé (fotografia)

ROTA DO CONTRABANDO
Vale da Mula


ENCONTRO DE BLOGUES NA BEIRA

ALDEIA DA MINHA VIDA
Susana Falhas

ALDEIA DE CABEÇA - SEIA
José Pinto

CARVALHAL DO SAPO
Acácio Moreira

CORTECEGA
Eugénia Santa Cruz

DOUROFOTOS
Fernando Peneiras

O ESPAÇO DO PINHAS
Nuno Pinheiro

OCEANO DE PALAVRAS
Luís Silva

PASSADO DE PEDRA
Graça Ferreira



FACEBOOK – BLOGUES

Anúncios