Este país é de doidos… A mais recente polémica tem a ver com uma canção Xutos & Pontapés, recentemente editada. Trata-se do tema «Sem Eira Nem Beira», cuja letra se reproduz.

Joao Aristides DuarteO Zé Pedro, dos Xutos, já veio desmentir qualquer ligação entre esta canção e o Governo. Foi só uma letra um pouco ousada, diz ele, agora. Nada para chatear o Governo. Não consigo compreender isto por parte do Zé Pedro, dos Xutos. Mas li que ele foi almoçar um dia destes com o «Presidente do Conselho» (Sócrates) e isso explicará alguma coisa.
A verdade é que há muitas Câmaras do PS e o mercado musical é pequeno. E toda a gente sabe que quem se mete com o PS… leva. Se as Câmaras do PS soubessem que a canção era contra o Governo, lá perdiam os Xutos uma data de concertos.
Com certeza não foi para isto que os Xutos participaram no disco «Filhos da Madrugada», homenagem a José Afonso, que esse não vinha cá pedir «batatinhas» a ninguém.
Mas, isto está de uma tal maneira que a Exposição sobre Che Guevara, que eu fui visitar aos Foios, é apresentada como uma Exposição não Política. Só podem estar a brincar!!! Apresentar uma Exposição de Che Guevara , como não Política é o mesmo que fazer uma omoleta sem ovos. Espero bem, que a Exposição sobre Zeca Afonso, a ter lugar, brevemente, no Museu do Sabugal, não seja, também, apresentada como nada tendo a ver com Política, para não ferir certas susceptibilidades. Parece que a palavra Política é proibida em Portugal, 35 anos após o 25 de Abril. E quem tem tudo feito para isso acontecer é esta maioria absoluta do PS. Conheço os Xutos desde os primórdios.
Sempre os considerei um grupo com atitude e contestatário.
Como tenho toda a discografia deles (assim como, também, a dos UHF e «tutti quanti») comprei logo o disco, mal ele foi editado (na semana passada).
Ouvi os temas e o «Sem Eira Nem Beira» pareceu-me, claramente, ter um destinatário.
Era claríssimo, como água.
Fiquei «parvo», quando ouvi na TSF, na manhã de quarta-feira, o resumo dos jornais. À tarde comprei o «Público» e li uma reportagem sobre a polémica. Fiquei abismado. O Zé Pedro??? Mas este homem não começou com o Punk e os The Clash? Não participou no disco «Filhos da Madrugada»? Para quem conheceu o Zé Pedro, nas suas diversas facetas (não pessoalmente, no meu caso, mas em entrevistas e em cima de um palco), não pode deixar de estranhar o que está a acontecer.
Tomaram os The Clash (o grupo que era uma referência para o Zé Pedro) ter uma canção que fosse adoptada pelos ingleses como contestatária em relação ao Governo. Com certeza que a usariam, sem quaisquer problemas. E ter uma canção assim, como esta, aos 30 anos de carreira, não é para qualquer um. Lamenta-se a falta de verticalidade do Zé Pedro, que sempre apoiou o Bloco de Esquerda.
Está tudo doido, pensei. Depois fui-me apercebendo da polémica e tive conhecimento de uma entrevista do Zé Pedro onde ele defende o Governo e o Sócrates . Até foi almoçar com ele. Bem, eu nem sabia que o primeiro-ministro gostava de música…mas fiquei a saber.
Os Xutos ficaram acagaçados. O aparelho do PS é uma coisa descomunal.
Duas coisas são certas: os Xutos vão vender mais discos (neste aspecto a polémica foi boa para eles) e quer eles queiram, quer não; esta canção vai ser usada muitas vezes contra o Governo.
Agora, o que pode acontecer é que eles nem a toquem ao vivo, para evitar os «ouvidos» dos bufos.
A estreia do disco novo, ao vivo, vai ser na noite de 24 de Abril, no Seixal. Vamos ver qual vai ser a reacção do público se os Xutos cantarem a canção ou se a não cantarem.
Aqui fica a letra e cada um tire as conclusões que quiser:

Sem eira nem beira

Anda tudo do avesso
Nesta rua que atravesso
Dão milhões a quem os tem
Aos outros um passou – bem

Não consigo perceber
Quem é que nos quer tramar
Enganar
Despedir
E ainda se ficam a rir

Eu quero acreditar
Que esta merda vai mudar
E espero vir a ter
Uma vida bem melhor

Mas se eu nada fizer
Isto nunca vai mudar
Conseguir
Encontrar
Mais força para lutar…

(Refrão)
Senhor engenheiro
Dê-me um pouco de atenção
Há dez anos que estou preso
Há trinta que sou ladrão
Não tenho eira nem beira
Mas ainda consigo ver
Quem anda na roubalheira
E quem me anda a comer

É difícil ser honesto
É difícil de engolir
Quem não tem nada vai preso
Quem tem muito fica a rir

Ainda espero ver alguém
Assumir que já andou
A roubar
A enganar
o povo que acreditou

Conseguir encontrar mais força para lutar
Mais força para lutar
Conseguir encontrar mais força para lutar
Mais força para lutar…

(Refrão)
Senhor engenheiro
Dê-me um pouco de atenção
Há dez anos que estou preso
Há trinta que sou ladrão
Não tenho eira nem beira
Mas ainda consigo ver
Quem anda na roubalheira
E quem me anda a f…

Há dez anos que estou preso
Há trinta que sou ladrão
Mas eu sou um homem honesto
Só errei na profissão.

Veja o vídeo dos «Xutos & Pontapés». Aqui.

«Música, Músicas…», opinião de João Aristides Duarte
akapunkrural@gmail.com

Anúncios