You are currently browsing the daily archive for Terça-feira, 24 Fevereiro, 2009.

A estação de televisão nacional em suporte on-line, LocalVisãoTv, foi um dos media partners do almoço, no Sabugal, da Confraria do Bucho Raiano que decorreu como manda a tradição no domingo gordo. A reportagem em vídeo da equipa de profissionais da LocalVisãoTv que se deslocou ao Sabugal já está disponível.

Vodpod videos no longer available.

A Confraria do Bucho Raiano aproveita para agradecer a presença no Sabugal dos responsáveis da LocalVisãoTv, Carlos Ramalho, director-geral, e de Gabriela Leal, directora regional para o distrito da Guarda.
jcl

Anúncios

Ontem, noite fria, deu-se a já anunciada morte do galo do entrudo. Ontem, procedeu-se ao seu julgamento, na praça pública. Conforme vinha sendo preparado, aconteceu. Morreu de morte queimada.

Vacagalo do JarmeloO povo em algazarra, reuniu-se com um único intuito: comer a canja do galináceo. A organização serviu-se das associações para criar um ambiente algo hostil e quiçá influenciando/balanceando a populaça para o desfecho final.
Uns poucos resistentes, que fariam a defesa, reparámos que esbracejavam desalmadamente no cimo de uma «padiola» de fardos de palha, na iludida tentativa de apaziguar a fome de canja das gentes que de todas as ruas apareciam com ânsias de assistir ao terrífico espectáculo. Houve mesmo quem no final de um momento de desepero, ali mesmo junto à Igreja da Misericórdia, fizesse o próprio: MISERICÓRDIA!! Não se sabe a certeza se gritou, se implorou aos confrades da mesma que já partiram. Certo é que para espanto geral, num raro momento de flagelo purgante dos males que imputavam sobre o acusado, ali mesmo se atirou da referida «padiola» em que iam as testemunhas de acusação e defesa. O que certas personagens fazem pelas suas causas!?
Quando já todos pensavam que a defesa ia ali baquear, eis que da morte sai sempre vida e com trejeitos algo estranhos, devolve o «epíteto» que a acusação lhe atirara e qual renascido, faz-se novamente à causa até à grande praça.
Podemos aqui afirmar que a organização tentou por todas as artimanhas inebriar as gentes, imagine-se! distribuindo vinhaça gratuitamente, como se fosse necessário: todos sabemos que nestes dias o povo é uma borracheira colectiva mesmo sem vinho.
Pese embora a noite, dava para perceber nos olhares o brilho da ansiedade por presenciar o horrendo ( as gentes querem sangue).
Já na praça, deu-se início às «funções». Pelo aspecto dos «meliantes», cedo se percebeu o que estaríamos ali a fazer. Em surdina, ia a defesa passando a mensagem de que o galináceo estava inocente. O grande trunfo da defesa, era a vacagalo, prima do dito, vinda do Jarmelo. Lá do palanque da defesa, tentámos vislumbrar a falange de apoio, numa réstea de esperança que a mobilização consertada, viesse a resultar pela primeira vez no inédito: Julgamento e glorificação do Galo.
Pelo que foi possível observar, a prima jarmelista vacagalo, foi mais uma vez estrategicamente relegada para segundos planos (mais uma vez, aqui foi visível qual a in tenção da «festa», dado que a defesa consertara uma estratégia «limpa», sem qualquer atropelo ao segredo de justiça, mas tão só assente em verdades e inevitáveis momentos de visibilidade, como aliás ao que parece, sempre foram os métodos de trabalho do estratega, que «maquiavelizou» o plano).
Quando, ao que foi possível apurar, esta falange de apoio, composta por mais de duas dezenas de convictos «fiéis» (soberbamente caracterizados, com indeléveis marcas de personalidade na cabeça) se aproximavam, foram literalmente abafados e estrategicamente colocados na sombra numa analogia que passo a descrever: O meritíssimo Juiz, estava sentado num plano central, sobre o qual era natural que incidissem fortes projectores de luz (sabe-se da física, que quanto mais potente for o foco, mais acentuada torna a sua sombra. Ora este foi o lugar que «por acaso» tocou àquela que durante duas semanas se preparara para dar visibilidade à inocência de seu primo da Guarda). A luz que deveria pois trazer clarividência, serviu pois para colocar em desvantagem toda a estratégia visual da defesa.
Quando do outro lado da praça, passaram a voz à acusação, logo se deu conta que se tratava de um ilustre (a julgar pelos penachos que luzia nos ombros) jurista da capital. Logo que tomou a palavra, se começaram a ouvir em surdina, que receberia mais este por duas palavras, que algum dia nos poderia chegar a todos de algum presunto FREEAIRPORT, mas retirando estas «tiradas» só permitidas em ajuntamentos nocturnos e dias como este de desvarios, cedo se percebeu que a acusação tinha a situação controlada, nomeadamente até pela, suposta, postura (mais uma vez acentuada pelas gentes anónimas) do Meritíssimo Juiz, com uma certa inclinação visual prá esquerda.
Acareações e arrazoados (nada de confundir com arroz de cabidela), infâmias e campanhas negras, tudo espremido, estaria pronta a sentença, mas num gesto «Ponçopilateano», o meritíssimo Juiz, quis saber da «verdade» da populaça. Para surpresa, a reacção foi de VIVA O GALO, durante três vezes (fruto da surdina que a defesa conseguiu fazer passar, quer durante a semana, quer no próprio momento).
Ao meritíssimo, não restava outra alternativa, senão… cumprir o guião: MORTE AO GALO!
Concedeu-se, ainda assim, um último desejo, ao infortunado. Eis que para surpresa geral, o galináceo, pediu o impensável: que numa terra de gente ilustrada e punhos nas camisas, fosse-lhe permitido ouvir a «contra-argumentação», pela voz dessa grande representante da chamada «esquerda plebeia»: ODETE SANTOS.
Percebemos das suas palavras que afinal o veredicto popular estava certo: o Galo, não era afinal o causador, mas tão só o bode expiatório.
Seguiu-se a expiação, pela imolação de um fogo purificador, dispensando ao acusado esse ritual da reconciliação.
A populaça, que antes defendera o galo, corre agora, em atropelo em prol da canja que acabara de se fazer, a memória é curta e o oportunismo caracteriza-nos.
Quando todos pensavam que iria haver caldeirada, nem sequer arroz de cabidela tivemos, quando todos gritaram vida ao galo, veio a canja.
Mais uma vez, aqui enquanto familiar infortunado, a prima do Jarmelo, reafirma, que ele nunca recebeu luvas a não ser por causa da neve, recebeu sim uns cachecóis… mas que mal tem isso? O cachecol, até ajuda a manter a cabeça erguida, e pode dar-nos aquela postura de esquerda chique, nuns, e noutros, sim de grosseiros sujeitos e sujeitas.
Agostinho da Silva, no dia seguinte em representação da Vacagalo

O Capeia Arraiana nasceu no dia 6 de Dezembro de 2006. No dia 23 de Fevereiro de 2009, cerca de 26 meses depois, o contador do Sitemeter registou 500.000 visitantes únicos.

 

Sitemer

 

Clique no SitemeterAs visitas únicas, ou seja, o número de entradas no Capeia Arraiana atingiram o número 500.000. As contas são da empresa americana Sitemeter com a qual contratámos o serviço de audimetria e audiência dos nossos visitantes.
São número públicos, defendidos pelo rigor de uma das mais importantes empresas mundiais de search marketing e web analytics. Saber quantos visitantes, de onde vêm, o que procuram, quanto tempo estão no Capeia Arraiana, que páginas são mais populares, que campanhas e cartazes (publicidade institucional e gratuita) geram mais retornos, estão disponíveis no contador do Sitemeter. Outro dos aspectos que nos fez escolher o Sitemer foi a capacidade de filtrar as identidades dos computadores dos utilizadores e criar um período de seis horas de defesa para anular falsas estatísticas, ou seja, se o mesmo computador entrar várias vezes durante o período de seis horas no Capeia Arraiana apenas conta uma visita.
No universo dos blogues portugueses auditados pelo Top Weblog estivemos esta semana classificados na posição 58.º com uma média semanal de 1121 visitas diárias. Pode igualmente consultar o top dos blogues portugueses clicando na imagem «Weblog» no lado esquerdo do ecrã.
A visibilidade e promoção das gentes e terras raianas continuam a ser a nossa grande motivação. Convivemos bem com sentimentos como o da palavra com que Luís de Camões termina a epopeia d’ «Os Lusíadas» e que sempre existiram na sociedade portuguesa. Continuaremos o nosso caminho e acreditamos que mais vale tentar fazer e ter iniciativas apesar de cientes que isso pode causar algum desgaste principalmente quando os eventos têm pormenores menos bem conseguidos. Perdoem-me mas, recordo sempre, um conselho que o meu querido pai me deu muitas vezes: «Copiar é muito fácil. Fazer melhor é que não está ao alcance de todos!»

Almoço da Confraria do Bucho Raiano
Aproveito ainda para deixar uma palavra aos confrades da Confraria do Bucho Raiano. Valeu a pena. Valeu a pena o tempo passado a organizar o almoço. Valeu a pena passar o dia de sábado a preparar o salão da Junta de Freguesia do Sabugal. Valeu a pena o esforço de todos e em especial do confrade-mordomo Horácio Pereira. O sucesso da iniciativa ultrapassou todas as perspectivas mais optimistas. Em cima do acontecimento compareceram cerca de 40 convivas que não tinha marcado lugar. Mas, mesmo assim, pior teria sido proibir a entrada a quem possa, eventualmente, ter… estado a mais.
Continuamos a acreditar que vale a pena promover as nossas referências e as nossas origens. Fernando Pessoa no seu poema «Tabacaria» descreve de forma sublime as sensações do prazer com «come chocolates. come chocolates, pequena, porque não há mais metafísica no Mundo do que comer chocolates». Mas para os raianos degustar o bucho raiano é saborear sensações que os transportam para lá do mundo palpável. O almoço e o convívio em família e entre amigos é tudo. E porque, tal como Aristóteles entendia a essência da Metafísica das relação entre os humanos e entre estes e o sobrenatural, para os raianos não há mais metafísica no mundo do que comer bucho. Ponto final parágrafo.

Se quiser saber mais sobre as estatísticas do Sitemeter e do Weblog clique nos respectivos logótipos disponíveis no lado esquerdo da ecrã.
jcl

Podemos definir ideologia como um sistema de ideias, valores e conceitos, onde um partido político ou um grupo social, dão expressão à sua concepção do Mundo. Para uma pessoa com ideologia nem tudo é permitido, porque tem princípios e guia-se por eles.

António EmidioSe hoje falo em ideologia é porque assisto diariamente a um bluff tremendo por parte do Partido do governo, capitaneado por José Sócrates, que em matéria económica e social ainda nada de concreto fez para enfrentar os interesses do grande e poderoso capital, e beneficiar com isso os mais desfavorecidos.
Não tentou uma nova ordem socio-económica que pusesse fim às escandalosas injustiças e desigualdades – como devia ser a obrigação de um socialista – faz reformas menores, quase todas elas de cunho conservador. E segundo ele e os seus correligionários, é assim que se deve modernizar Portugal, com uma aliança entre o liberalismo económico e o autoritarismo político.
Já não se importam com o Socialismo, se é que alguma vez se importaram, preocupam-se em suplantar a direita na gestão do neoliberalismo/capitalismo selvagem, andam numa concorrência terrível com essa direita para ver qual deles destrói mais depressa o sector público. Este tipo de socialistas são uma bênção para os poderosos oligarcas, na hora de desactivar os protestos e assegurar a paz social, em momentos de crise como a que estamos a viver agora. Aqui está uma das razões porque é tão apoiado pelo grande poder económico, o que seria se estas medidas conservadoras fossem tomadas por um outro partido qualquer? As bases do Partido Socialista não se continham e ocupavam a rua. Assim, estão controladas.
Não podia terminar o artigo sem falar no maior «golpe de rins» ideológico que já conheci, protagonizado por Durão Barroso. Como é que um homem da extrema-esquerda, passa à direita, chega a Bruxelas como Presidente da Comissão Europeia, priva com os maiores magnatas da banca e da industria europeus e mundiais, a seguir espera-o S. Bento, depois talvez Belém, e por fim uma reforma mais que dourada. Se continuasse na extrema-esquerda o que seria? Um simples advogado de porta de cadeia. O nosso povo tem um ditado que diz: Quem se muda, Deus o ajuda, ou o Diabo o empurra. Há que tentar…
«Passeio pelo Côa», opinião de António Emídio

ant.emidio@gmail.com

(…) «A apicultura pastoril é de uso muito antigo nas freguesias raianas do Sabugal», (…) Vasco Correia Paixão em «O mel, produção, tecnologia e comercialização».

António MouraO conceito de «discriminação positiva», é um conceito nascido nos países cuja democracia atingiu elevados níveis de maturidade. Este mecanismo de regulação paritária constitui a mais moderna arma democrática nas sociedades onde os sistemas de mercado livre tendem a criar fortes desigualdades.
Quando num país comunitário, um governo fornece avultados meios financeiros a um grupo profissional, cuja actividade esteja em concorrência directa com o mesmo grupo profissional de outro país comunitário, onde esses meios não se verificam, podemos falar de Dumping, de Concorrência Desleal, ou simplesmente de coisa feia que deve ser combatida.
Dumping é uma prática comercial desleal, utilizada como forma de ganhar mercado, que deve ser combatida com medidas anti-dumping, destinadas a neutralizar os efeitos danosos que ela provoca.
Na nossa vizinha Espanha, os apicultores recebem desde há longos anos avultados subsídios dos governos central e regionais. Tornaram-se no primeiro produtor mundial de pólen. A sua apicultura teve um crescimento insustentável ao nível dos efectivos na sua relação com o meio, ao ponto de hoje, não terem áreas melíferas adequadas a uma boa prática apícola.
Para eles é muito fácil entrar no nosso país, oferecendo aquilo que nós não temos para oferecer aos donos das terras onde pretendem colocar colmeias. Recorrendo até a advogados Portugueses para defenderem os seus «legítimos direitos», quando pretendem instalar apiários em Áreas Protegidas.
Para nós, esta Concorrência Desleal trás com ela uma morte silenciosa, e tal como no passado deste país muito foi entregue aos ingleses, hoje é a vez dos Espanhóis…
São pois muitas as considerações que podem ser feitas sobre igualdade de tratamento entre apicultores Portugueses e Espanhóis, conforme o ângulo de quem considera. No entanto parece-me que o ângulo do I.C.N.B. não pode ser outro senão o do apoio às actividades tradicionais sustentáveis, enquadradas de forma harmoniosa com a conservação da natureza dos (neste caso) apicultores que vivem e trabalham em Áreas Protegidas ou limítrofes. É urgente a implementação de medidas anti-dumping, que num quadro legal favoreçam a luta contra a desertificação.
António Moura

JOAQUIM SAPINHO

DESTE LADO DA RESSURREIÇÃO
Em exibição nos cinemas UCI

Deste Lado da Ressurreição - Joaquim Sapinho - 2012 Clique para ampliar

Indique o seu endereço de email para subscrever este blog e receber notificações de novos posts por email.

Junte-se a 836 outros seguidores

PUBLICIDADE

CARACOL REAL
Produtos Alimentares


Caracol Real - Produtos Alimentares - Cerdeira - Sabugal - Portugal Clique para visitar a Caracol Real


PUBLICIDADE

DOISPONTOCINCO
Vinhos de Belmonte


doispontocinco - vinhos de belmonte Clique para visitar Vinhos de Belmonte


CAPEIA ARRAIANA

PRÉMIO LITERÁRIO 2011
Blogue Capeia Arraiana
Agrupamento Escolas Sabugal

Prémio Literário Capeia Arraiana / Agrupamento Escolas Sabugal - 2011 Clique para ampliar

BIG MAT SABUGAL

BigMat - Sabugal

ELECTROCÔA

Electrocôa - Sabugal

TALHO MINIPREÇO

Talho Minipreço - Sabugal



FACEBOOK – CAPEIA ARRAIANA

Blogue Capeia Arraiana no Facebook Clique para ver a página

Já estamos no Facebook


31 Maio 2011: 5000 Amigos.


ASSOCIAÇÃO FUTEBOL GUARDA

ASSOCIAÇÃO FUTEBOL GUARDA

ESCOLHAS CAPEIA ARRAIANA

Livros em Destaque - Escolha Capeia Arraiana
Memórias do Rock Português - 2.º Volume - João Aristides Duarte

Autor: João Aristides Duarte
Edição: Autor
Venda: Casa do Castelo (Sabugal)
e: akapunkrural@gmail.com
Apoio: Capeia Arraiana



Guia Turístico Aldeias Históricas de Portugal

Autor: Susana Falhas
Edição: Olho de Turista
Venda: Casa do Castelo (Sabugal)



Música em Destaque - Escolha Capeia Arraiana
Cicatrizando

Autor: Américo Rodrigues
Capa: Cicatrizando
Tema: Acção Poética e Sonora
Venda: Casa do Castelo (Sabugal)



SABUGAL – BARES

BRAVO'S BAR
Tó de Ruivós

Bravo's Bar - Sabugal - Tó de Ruivós

LA CABAÑA
Bino de Alfaiates

La Cabaña - Alfaiates - Sabugal


AGÊNCIA VIAGENS ON-LINE

CERCAL – MILFONTES



FPCG – ACTIVIDADES

FEDERAÇÃO PORTUGUESA
CONFRARIAS GASTRONÓMICAS


FPCG-Federação Portuguesa Confrarias Gastronómicas - Destaques
FPCG-Federação Portuguesa Confrarias Gastronómicas Clique para visitar

SABUGAL

CONFRARIA DO BUCHO RAIANO
II Capítulo
e Cerimónia de Entronização
5 de Março de 2011


Confraria do Bucho Raiano  Sabugal Clique aqui
para ler os artigos relacionados

Contacto
confrariabuchoraiano@gmail.com


VILA NOVA DE POIARES

CONFRARIA DA CHANFANA

Confraria da Chanfana - Vila Nova de Poiares Clique para visitar



OLIVEIRA DO HOSPITAL

CONFRARIA DO QUEIJO
SERRA DA ESTRELA


Confraria do Queijo Serra da Estrela - Oliveira do Hospital - Coimbra Clique para visitar



CÃO RAÇA SERRA DA ESTRELA

APCSE
Associação Cão Serra da Estrela

Clique para visitar a página oficial


SORTELHA
Confraria Cão Serra da Estrela

Confraria do Cão da Serra da Estrela - Sortelha - Guarda Clique para ampliar



SABUGAL

CASA DO CASTELO
Largo do Castelo do Sabugal


Casa do Castelo


CALENDÁRIO

Fevereiro 2009
S T Q Q S S D
« Jan   Mar »
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
232425262728  

Arquivos

CATEGORIAS

VISITANTES ON-LINE

Hits - Estatísticas

  • 3,050,749 páginas lidas

PAGERANK – CAPEIA ARRAIANA

BLOGOSFERA

CALENDÁRIO CAPEIAS 2012

BLOGUES – BANDAS MÚSICA

SOC. FILARM. BENDADENSE
Bendada - Sabugal

BANDA FILARM. CASEGUENSE
Casegas - Covilhã


BLOGUES – DESPORTO

SPORTING CLUBE SABUGAL
Presidente: Carlos Janela

CICLISMO SERRA ESTRELA
Sérgio Gomes

KARATE GUARDA
Rui Jerónimo

BLOGUES RECOMENDADOS

A DONA DE CASA PERFEITA
Mónica Duarte

31 DA ARMADA
Rodrigo Moita de Deus

A PÁGINA DO ZÉ DA GUARDA
Crespo de Carvalho

ALVEITE GRANDE
Luís Ferreira

ARRASTÃO
Daniel Oliveira

CAFÉ PORTUGAL
Rui Dias José

CICLISMO SERRA ESTRELA
Sérgio Paulo Gomes

FANFARRA SACABUXA
Castanheira (Guarda)

GENTES DE BELMONTE
Investigador J.P.

CAFÉ MONDEGO
Américo Rodrigues

CCSR BAIRRO DA LUZ
Alexandre Pires

CORREIO DA GUARDA
Hélder Sequeira

CRÓNICAS DO ROCHEDO
Carlos Barbosa de Oliveira

GUARDA NOCTURNA
António Godinho Gil

JOGO DE SOMBRAS
Rui Isidro

MARMELEIRO
Francisco Barbeira

NA ROTA DAS PEDRAS
Célio Rolinho

O EGITANIENSE
Manuel Ramos (vários)

PADRE CÉSAR CRUZ
Religião Raiana

PEDRO AFONSO
Fotografia

PENAMACOR... SEMPRE!
Júlio Romão Machado

POR TERRAS DE RIBACÔA
Paulo Damasceno

PORTUGAL E OS JUDEUS
Jorge Martins

PORTUGAL NOTÁVEL
Carlos Castela

REGIONALIZAÇÃO
António Felizes/Afonso Miguel

ROCK EM PORTUGAL
Aristides Duarte

SOBRE O RISCO
Manuel Poppe

TMG
Teatro Municipal da Guarda

TUTATUX
Joaquim Tomé (fotografia)

ROTA DO CONTRABANDO
Vale da Mula


ENCONTRO DE BLOGUES NA BEIRA

ALDEIA DA MINHA VIDA
Susana Falhas

ALDEIA DE CABEÇA - SEIA
José Pinto

CARVALHAL DO SAPO
Acácio Moreira

CORTECEGA
Eugénia Santa Cruz

DOUROFOTOS
Fernando Peneiras

O ESPAÇO DO PINHAS
Nuno Pinheiro

OCEANO DE PALAVRAS
Luís Silva

PASSADO DE PEDRA
Graça Ferreira



FACEBOOK – BLOGUES