A Bolsa de Turismo de Lisboa de 2009 (BTL) recebeu 71.121 visitantes, número que representa um crescimento de 6 por cento face à edição do ano passado. Marcaram presença na FIL cerca de 900 expositores e mais de 600 profissionais estrangeiros do sector do turismo.

BLT 2009De acordo com um comunicado da organização, o balanço final é positivo, uma vez que a feira «suplantou as expectativas iniciais», não só pelo número de visitas que recebeu, como também pela satisfação demonstrada pela maioria dos expositores que marcaram presença nos quatro pavilhões da FIL.
Vítor Neto, presidente da Comissão Organizadora do certame afirmou durante a inauguração oficial que «esta não é uma BTL de crise e de derrotismo. É uma BTL de confiança, responsabilidade e determinação, que quer mostrar a toda a gente que o Turismo em Portugal goza de boa saúde e tem força e vontade de vencer os desafios que se lhe colocam».
As iniciativas BTL Rural e BTL Negócios, que se estrearam este ano na feira, registaram igualmente um saldo muito positivo, com a organização do certame a considerar que estes são formatos a manter no futuro.
Outra iniciativa aplaudida foi a Semana Ibérica da Gastronomia, que se destacou pelo sucesso alcançado, tendo sido uma das mais aclamadas pelos sectores profissionais e pelo público em geral.
O espaço de turismo gastronómico foi outra das novidades da BTL. «Depois de tantos anos com tasquinhas, era difícil entender que houvessem espaços de promoção de turismo gastronómico em vez de restaurantes, tendo recebido muitas queixas nesse sentido. A BTL é um espaço profissional e daí a opção por um espaço de promoção, em que as pessoas podiam ter, caso tivessem lugar, o luxo de estar num local em que lhes é servido um menu com estrelas michelin e um serviço de qualidade com o mesmo preço que pagariam com as tasquinhas sem ter os cheiros e os fumos», explicou o director da FIL.
Sobre a BTL Rural o director da feira considerou que foi «um êxito total e absoluto» acrescentando que tiveram «uma reacção impressionante por parte do sector rural e para o ano vamos ter problemas para acomodar todos os que irão querer vir.».
jcl