You are currently browsing the daily archive for Quarta-feira, 21 Janeiro, 2009.

Com a Cimeira Ibérica à porta, empresários de Portugal e Espanha defendem que é crucial impulsionar as infra-estruturas na região transfronteiriça para atingir a sustentabilidade de zonas «esquecidas» e que vivem com um «profundo défice de desenvolvimento».

A Raia (foto de José Alberto Afonso Alexandre)O apelo surge num documento preparado em encontros entre representantes de organizações empresariais de Portugal e Espanha que vai ser levado à cimeira luso-espanhola que decorre na quinta-feira, dia 22 de Janeiro, em Zamora (Espanha).
O texto foi subscrito por organizações empresariais de Zamora e Salamanca em Espanha e do Norte e Centro de Portugal (Bragança, Vila Real e Guarda).
A principal preocupação manifestada é com a chamadas «zonas social e economicamente deprimidas», que continuam a perder população. Trata-se sobretudo de zonas fronteiriças, onde é preciso aumentar as ligações ferroviárias e rodoviárias, garantir um bom e rápido acesso à Internet, às comunicações móveis ou mesmo à televisão por cabo.
A luta é por garantir nessas regiões condições propícias para que as populações também tenham acesso ao desenvolvimento, retirando-as do isolamento e do esquecimento em que se encontram. «Somos os grandes esquecidos pelos governos. Somos poucos e em ambas as zonas os votos são relativamente poucos. Como o peixe está todo vendido, esquecem-se de nós», frisou Ángel Herrero Magarzo, presidente da Confederação de Organizações Zamoranas de Empresários em declarações à agência Lusa.
Dentre os projectos que o documento defende para as zonas raianas destacam-se a ampliação da auto-estrada A11 até à fronteira com Portugal, a criação de novos parques logísticos, a reabertura da linha ferroviária da Rota da Prata, uma ponte internacional sobre o Douro, a construção da auto-estrada entre Bragança e Puebla de Sanabria e a ligação ferroviária directa entre Madrid e o Porto – passando por Salamanca.
O texto insta ainda os dois governos a desenvolverem as telecomunicações e o acesso à banda larga nas zonas transfronteiriças, para reduzir o défice nesta matéria que sentem as populações dessas regiões. Além das áreas logísticas já existentes, os empresários defendem ainda a criação de novas zonas, para garantir uma cobertura ao longo de toda a fronteira, citando com exemplos possíveis a Guarda e Salamanca. E querem um observatório que analise a evolução económica e social da zona da fronteira e o desenvolvimento de um parque tecnológico empresarial transfronteiriço na área de energias renováveis e ambientais. Segundo o texto é ainda vantajoso apostar em estruturas de apoio que aumentem a competitividade das empresas do sector agro-industrial e o estabelecimento de uma rede de cooperação para promover a criação de consórcios de empresas da fronteira.
plb

Anúncios

Há tempos «pesquei» da estante um livrinho da minha juventude, que agora tenho à cabeceira e ando a reler. Trata-se do Hamelet de Shakespeare.

João ValenteInevitavelmente, relendo o Hamelet, cheguei ao capítulo, em que ele rejeita o amor de Ofélia, para seguir o seu destino, entrando num jogo de palavras e conflito crescente com o sábio Polónio, para depois morrer à espada e veneno do filho deste, Leartes
Esta passagem do texto, sendo a mais citada da obra, é quanto a mim a chave do enredo, mas não com o sentido que muitos estudiosos lhe dão, porque o eixo do enredo está no confronto entre Hamelet e o sábio Polónio e não entre Hamelet e o incestuoso e assassino rei da Dinamarca.
Chegado aqui na trama, Hamelet cai em si, e dando-se conta que está numa encruzilhada da vida (Ser, ou não ser – eis a questão) tem de optar por dois caminhos: o do homem sábio, ou do homem louco para atingir os seus objectivos:
«Ser, ou não ser – eis a questão. Será melhor nobreza de alma sofrer a funda e as flechas da fortuna ultrajante ou pegar em armas contra um mar de infortúnios, pondo-lhes um fim? Morrer… dormir… nada mais. È belo como dizer que pomos fim ao desgosto e aos mil males naturais que são a herança da carne. È esse um fim a desejar ardentemente. Morrer… dormir… dormir… e talvez sonhar! Sim, eis o espinho. Pois que sonhos podem vir desse sono da morte, depois de libertos do túmulo da vida? Eis o que deve deter-nos. Eis o que nos faz a consideração da calamidade de uma tão longa vida. Pois quem suportaria as chicotadas e as mofas do mundo, a tirania do opressor, a insolência dos orgulhosos, as dores do amor desprezado, as delongas da lei, a arrogância do poder, o desdém que o mérito paciente recebe dos indignos, quando podia buscar a quietude com um simples estilete? Quem suportaria tais fardos, protestando e suando numa vida dura, se não fosse o receio de qualquer coisa depois da morte, dessa região não descoberta e da qual nenhum viajante regressa, que lhe quebranta a vontade e faz que antes queira sofrer os males da Terra que voar para outro de que nada sabe? Assim, a consciência faz de nós uns covardes; assim a cor primitiva da resolução descora perante a pálida luz do pensamento e empreendimentos de grande porte e importância desviam a sua rota e perdem o nome da acção. Acalma-te agora bela Ofélia! – Ninfa, nas tuas preces, recorda todos os teus pecados.»
A sabedoria faz de nós uns covardes, segundo Hamelet. O sábio refugia-se nos livros, aprende as abstracções e por defeito de raciocínio, hesita na acção, porque está sempre preocupado com a verdade. O louco ao enfrentar a realidade e os perigos, ao ousar sem preocupação do amanhã, adquire o bom senso, o saber resultante da experiência, que é o melhor de todos. Já dizia Homero, apesar de cego, que «o louco aprende à sua custa».
Por isso o sábio é desprezado porque nada compreende da vulgar existência humana. Não foi a acusação de sabedoria que condenou Sócrates a beber cicuta?
É pois aqui que bate o ponto da fala de Hamelet. A verdadeira sabedoria consiste em procurar não saber mais do que aquilo que não está na natureza dos homens, em ir na corrente da maioria, e se possível anonimamente, sem errar. Só isso nos faz suportar as mofas do mundo, a tirania, a insolência o desprezo. É a perfeita loucura? Talvez, mas é assim que se representa a comédia da vida.
Hamelet chegou precisamente a esta conclusão. Refinadamente, mas chegou! E a seguir põem-na em prática dando largas a esta sua loucura, (ou será bom senso?) no diálogo que trava com Ofélia:
«Vai para um convento. Porque havias de ser uma fonte de pecadores? Eu próprio sou relativamente honesto. … Sou muito orgulhoso, vingativo, ambicioso… para que hão-de os homens como eu rastejar entre o céu e a terra? Somos todos refinados patifes. Não acrediteis em nenhum de nós. Vai para um convento… Se te casares, rogar-te-ei esta praga como dote: que sejas casta como o gelo, pura como a neve. Nem assim escaparás à calúnia. Vai para um convento Vai! Adeus! Ou se quiseres casar, casa com um louco! Pois que os homens de juízo sabem bem os momentos que deles fazeis. Vai para um convento, vai, e depressa. Adeus.».
Hamelet chegou à verdade, pelo caminho da loucura. Porque é louco atingiu o senso comum. È mais sábio que todos os «homens de juízo». Por isso Ofélia conseguirá enganar estes, que são os verdadeiros loucos, mas a Hamelet, o falso louco, não, porque tem bom senso. E cada vez mais demente, Hamelet leva às últimas consequências o seu discurso, porque como dizia Eurípedes «o louco é louco»; diz tudo o que lhe vai na alma. Hamelet despreza o amor de Ofélia e di-lo sem hesitar:
«Também ouvi falar bastante das vossas pinturas. Deus deu-vos um rosto e vós fazeis-vos outro. Passeais, meneai-vos, falais com afectação, pondes nomes às criaturas de Deus e afectais ignorância para cobrir a vossa insensatez. Não quero mais isso, que me pôs louco. Não teremos mais casamento… vai para um convento.»
Trocando por miúdos: Hamelet chama a Ofélia frívola de mentirosa, coquette, cabeça de vento. A mentira em que ela o iludia, essa sim é que o pôs louco. Esta loucura, a má, é que ele não quer mais.
E Ofélia, que lá seria frívola, mas não era parva, apercebendo-se que Hamelet abrira finalmente os olhos e que dali já não leva nada, lamenta-se, acusa o toque:
«Oh nobre espírito transtornado! … eu a mais desgraçada e triste das mulheres, eu que saboreei o mel das suas doces palavras, vejo agora esta inteligência nobre e soberana desafinada e rouca como um sino rachado, esse corpo e esse rosto sem par da mocidade em flor emurchecido pela loucura. Oh pobre de mim! Oh pobre de mim! Visto o que vi e ver o que vejo!»
O que Hamelet, no fundo pretendia, era enganar Polónio, expião e conselheuiro do rei, para levar a cabo a sua vingança. O amor de Ofélia era marginal nesse caminho e uma ilusão. Para conseguir os seus objectivos, tinha que ser louco e quanto mais louco melhor. E nem toda a loucura é prejudicial por definição. A de Hamelet não era seguramente porque tinha um objectivo: A vingança! Há loucuras e loucuras! Horácio não dizia: «Não sou eu o joguete de uma saudável loucura?» e Cícero numa carta a Ático não dizia que «a demência era um dom dos deuses, que permitia o esquecimento dos males?»
E é tão saudável a loucura!… Salomão, cuja sabedoria é lendária, dizia que a «loucura faz o gáudio do louco», isto é, sem a loucura a vida não faz qualquer sentido; E noutro passo, que «o coração do sábio está com a tristeza, a do louco com a alegria». O sábio é infeliz, o louco feliz.
«Ser ou não ser» – é pois uma excelente questão, porque nela se contém a chave da sabedoria!
João Valente

JOAQUIM SAPINHO

DESTE LADO DA RESSURREIÇÃO
Em exibição nos cinemas UCI

Deste Lado da Ressurreição - Joaquim Sapinho - 2012 Clique para ampliar

Indique o seu endereço de email para subscrever este blog e receber notificações de novos posts por email.

Junte-se a 836 outros seguidores

PUBLICIDADE

CARACOL REAL
Produtos Alimentares


Caracol Real - Produtos Alimentares - Cerdeira - Sabugal - Portugal Clique para visitar a Caracol Real


PUBLICIDADE

DOISPONTOCINCO
Vinhos de Belmonte


doispontocinco - vinhos de belmonte Clique para visitar Vinhos de Belmonte


CAPEIA ARRAIANA

PRÉMIO LITERÁRIO 2011
Blogue Capeia Arraiana
Agrupamento Escolas Sabugal

Prémio Literário Capeia Arraiana / Agrupamento Escolas Sabugal - 2011 Clique para ampliar

BIG MAT SABUGAL

BigMat - Sabugal

ELECTROCÔA

Electrocôa - Sabugal

TALHO MINIPREÇO

Talho Minipreço - Sabugal



FACEBOOK – CAPEIA ARRAIANA

Blogue Capeia Arraiana no Facebook Clique para ver a página

Já estamos no Facebook


31 Maio 2011: 5000 Amigos.


ASSOCIAÇÃO FUTEBOL GUARDA

ASSOCIAÇÃO FUTEBOL GUARDA

ESCOLHAS CAPEIA ARRAIANA

Livros em Destaque - Escolha Capeia Arraiana
Memórias do Rock Português - 2.º Volume - João Aristides Duarte

Autor: João Aristides Duarte
Edição: Autor
Venda: Casa do Castelo (Sabugal)
e: akapunkrural@gmail.com
Apoio: Capeia Arraiana



Guia Turístico Aldeias Históricas de Portugal

Autor: Susana Falhas
Edição: Olho de Turista
Venda: Casa do Castelo (Sabugal)



Música em Destaque - Escolha Capeia Arraiana
Cicatrizando

Autor: Américo Rodrigues
Capa: Cicatrizando
Tema: Acção Poética e Sonora
Venda: Casa do Castelo (Sabugal)



SABUGAL – BARES

BRAVO'S BAR
Tó de Ruivós

Bravo's Bar - Sabugal - Tó de Ruivós

LA CABAÑA
Bino de Alfaiates

La Cabaña - Alfaiates - Sabugal


AGÊNCIA VIAGENS ON-LINE

CERCAL – MILFONTES



FPCG – ACTIVIDADES

FEDERAÇÃO PORTUGUESA
CONFRARIAS GASTRONÓMICAS


FPCG-Federação Portuguesa Confrarias Gastronómicas - Destaques
FPCG-Federação Portuguesa Confrarias Gastronómicas Clique para visitar

SABUGAL

CONFRARIA DO BUCHO RAIANO
II Capítulo
e Cerimónia de Entronização
5 de Março de 2011


Confraria do Bucho Raiano  Sabugal Clique aqui
para ler os artigos relacionados

Contacto
confrariabuchoraiano@gmail.com


VILA NOVA DE POIARES

CONFRARIA DA CHANFANA

Confraria da Chanfana - Vila Nova de Poiares Clique para visitar



OLIVEIRA DO HOSPITAL

CONFRARIA DO QUEIJO
SERRA DA ESTRELA


Confraria do Queijo Serra da Estrela - Oliveira do Hospital - Coimbra Clique para visitar



CÃO RAÇA SERRA DA ESTRELA

APCSE
Associação Cão Serra da Estrela

Clique para visitar a página oficial


SORTELHA
Confraria Cão Serra da Estrela

Confraria do Cão da Serra da Estrela - Sortelha - Guarda Clique para ampliar



SABUGAL

CASA DO CASTELO
Largo do Castelo do Sabugal


Casa do Castelo


CALENDÁRIO

Arquivos

CATEGORIAS

VISITANTES ON-LINE

Hits - Estatísticas

  • 3.140.603 páginas lidas

PAGERANK – CAPEIA ARRAIANA

BLOGOSFERA

CALENDÁRIO CAPEIAS 2012

BLOGUES – BANDAS MÚSICA

SOC. FILARM. BENDADENSE
Bendada - Sabugal

BANDA FILARM. CASEGUENSE
Casegas - Covilhã


BLOGUES – DESPORTO

SPORTING CLUBE SABUGAL
Presidente: Carlos Janela

CICLISMO SERRA ESTRELA
Sérgio Gomes

KARATE GUARDA
Rui Jerónimo

BLOGUES RECOMENDADOS

A DONA DE CASA PERFEITA
Mónica Duarte

31 DA ARMADA
Rodrigo Moita de Deus

A PÁGINA DO ZÉ DA GUARDA
Crespo de Carvalho

ALVEITE GRANDE
Luís Ferreira

ARRASTÃO
Daniel Oliveira

CAFÉ PORTUGAL
Rui Dias José

CICLISMO SERRA ESTRELA
Sérgio Paulo Gomes

FANFARRA SACABUXA
Castanheira (Guarda)

GENTES DE BELMONTE
Investigador J.P.

CAFÉ MONDEGO
Américo Rodrigues

CCSR BAIRRO DA LUZ
Alexandre Pires

CORREIO DA GUARDA
Hélder Sequeira

CRÓNICAS DO ROCHEDO
Carlos Barbosa de Oliveira

GUARDA NOCTURNA
António Godinho Gil

JOGO DE SOMBRAS
Rui Isidro

MARMELEIRO
Francisco Barbeira

NA ROTA DAS PEDRAS
Célio Rolinho

O EGITANIENSE
Manuel Ramos (vários)

PADRE CÉSAR CRUZ
Religião Raiana

PEDRO AFONSO
Fotografia

PENAMACOR... SEMPRE!
Júlio Romão Machado

POR TERRAS DE RIBACÔA
Paulo Damasceno

PORTUGAL E OS JUDEUS
Jorge Martins

PORTUGAL NOTÁVEL
Carlos Castela

REGIONALIZAÇÃO
António Felizes/Afonso Miguel

ROCK EM PORTUGAL
Aristides Duarte

SOBRE O RISCO
Manuel Poppe

TMG
Teatro Municipal da Guarda

TUTATUX
Joaquim Tomé (fotografia)

ROTA DO CONTRABANDO
Vale da Mula


ENCONTRO DE BLOGUES NA BEIRA

ALDEIA DA MINHA VIDA
Susana Falhas

ALDEIA DE CABEÇA - SEIA
José Pinto

CARVALHAL DO SAPO
Acácio Moreira

CORTECEGA
Eugénia Santa Cruz

DOUROFOTOS
Fernando Peneiras

O ESPAÇO DO PINHAS
Nuno Pinheiro

OCEANO DE PALAVRAS
Luís Silva

PASSADO DE PEDRA
Graça Ferreira



FACEBOOK – BLOGUES

Anúncios