O maior poeta português do século XX, Fernando Pessoa, era descendente de Custódio da Cunha, trineto do alcaide-mor do castelo de Alfaiates, Pêro da Cunha e de sua mulher Brites do Mercado, de família judia convertida, natural da vila de Alfaiates, no actual concelho do Sabugal.

Fernando PessoaUm rigoroso estudo da árvore geneológica do poeta e escritor Fernando Pessoa disponível no portal «geneall.pt» – base de dados com as árvores geneológicas de grandes nomes mundiais – «chega até» Manuel Pessoa (meados do séc. XVI), cuja filha, Francisca Pessoa, casou em Montemor-o-Velho em 1612 com Gaspar de Oliveira, pais de Madalena Pessoa. Esta casou com Custódio da Cunha Oliveira, natural de Alcaide. O sangue cristão-novo da família, que tanto destacou o poeta, deriva desta casamento, pois Custódio da Cunha Oliveira era trineto do alcaide-mor do castelo de Alfaiates, Pêro da Cunha, fidalgo da casa de D. Manuel I e de D. João III, e de sua mulher Brites do Mercado, de família judia, convertida, natural da vila de Alfaiates.
Custódio da Cunha e Madalena Pessoa foram pais de Sancho Pessoa da Cunha e de Manuel da Cunha Pessoa, ambos nascidos no Fundão. Manuel casou com Ana Nunes da Cunha e o filho de ambos, Diogo Nunes da Cunha Pessoa, casou com Rosa Maria Pessoa. Tiveram como descendente o médico Daniel Pessoa e Cunha que nasceu em Serpa e casou em Faro em 1808 com Joana Pereira de Araújo e Sousa, filha do militar brasonado José de Araújo e Sousa, natural de Arouca e de sua mulher Bárbara de Sequeira Mimoso, de ilustres famílias algarvias. Daniel Pessoa e Cunha e sua mulher foram pais do general Joaquim António de Araújo Pessoa (1813-1885), avô paterno de Fernando Pessoa.
O poeta e escritor Fernando António Nogueira de Seabra Pessoa nasceu no dia de Santo António, 13 de Junho de 1888, em Lisboa num prédio do Largo de São Carlos, em frente ao teatro do mesmo nome e perto da Igreja de Nossa Senhora dos Mártires.
Foi primogénito do casamento de Joaquim António de Nogueira Pessoa, natural de Tavira, funcionário do Ministério da Justiça e crítico musical no Diário de Notícias, com Maria Madalena Pinheiro Nogueira, açoriana da ilha Terceira. O pai do poeta faleceu em 1893 com tuberculose e três anos depois a família parte para Durban, na África do Sul, em consequência do segundo casamento da mãe de Fernando Pessoa com o cônsul português naquela cidade. Deste casamento a mãe de Fernando Pessoa terá mais cinco filhos.
Em 1905 a família regressa a Lisboa onde o poeta passa a viver e a trabalhar e onde escreve toda a sua obra até morrer solteiro e sem descendência em 1935.
O poeta acreditava na força da sua hereditariedade tendo sempre afirmado descender de uma família «mista de fidalgos e judeus beirões».
O portal «Geneall.pt» em língua portuguesa incorpora genealogias e é um projecto de carácter científico e cultural para promover, divulgar e conservar estudos e investigações numa base de dados única sobre as ligações geneológicas de figuras históricas.

Pode consultar a página da base de dados geneológica «Geneall.pt» aqui.
jcl