O presidente da República, Cavaco Silva, inaugura hoje, quinta-feira, a Biblioteca Eduardo Lourenço, na Guarda, no mesmo dia em que Câmara Municipal da cidade atribui a Medalha de Ouro da Cidade ao ensaísta natural de S. Pedro do Rio Seco, Almeida.

Segundo a autarquia, a condecoração der Eduardo Lourenço deve-se aos «serviços de excepcional relevância prestados à Guarda e às suas gentes». Justifica ainda a atribuição da medalha, pela ligação do pensador à cidade da Guarda e por ter aceite a atribuição do seu nome à nova Biblioteca.
A doação de cerca de três mil obras da sua biblioteca particular ao Município da Guarda e «a confiança manifestada» à autarquia enquanto depositária do «relevante espólio literário» são razões que também justificam a deliberação tomada, por unanimidade, pelo executivo camarário.
A Biblioteca Municipal Eduardo Lourenço, localizada na Quinta do Alarcão, junto do edifício do Centro de Estudos Ibéricos, possui cerca de 130 mil obras e contará com um espaço próprio para o acervo literário oferecido pelo ensaísta. A nova biblioteca possui auditório, salas para crianças e adultos, depósito livreiro e documental, oficina para conservação, encadernação e preservação do fundo documental e Livraria Municipal, entre outros espaços. A Biblioteca custou dois milhões de euros, sendo um edifício moderno e funcional.
Três das salas foram baptizadas com nomes de livros da autoria de Eduardo Lourenço: «Tempo e poesia», «Nós como futuro» e «A Nau de Ícaro».
A cerimónia de inauguração, presidida por Cavaco Silva, está agendada para as 11 horas e 30 minutos.
Na tarde de hoje o Presidente da República desloca-se ainda à cidade de Mêda para aí inaugurar também a nova Biblioteca Municipal, onde foram investidos cerca de 1,5 milhões de euros.
plb