You are currently browsing the daily archive for Quarta-feira, 19 Novembro, 2008.

Eduardo Sucena, escritor natural da Guarda, na companhia dos seus conterrâneos Fernando Pinto Ribeiro, poeta, e o irmão deste, coronel Carlos Silva Ribeiro, ilustrador, aceita uma conversa informal. O local de encontro é no Restaurante Possolo, em Lisboa. (Entrevista de José Leitão Baptista.)

eduardo-sucenaO escritor retoma o historial biográfico:
Enfim, fui para a PJ e aí permaneci durante 16 anos. Naquela altura éramos poucos, cento e tal em Lisboa. A progressão de carreiras era limitadíssima. Quase se pode dizer que só se subia na carreira depois de uma longa espera, quando alguém morresse ou fosse para a reforma. Por isso, arranjei um emprego que me levou a Angola, onde permaneci cinco anos, de 1967 a 1971. Visitei ainda São Tomé, mas acabei por regressar a Lisboa. E é esta, essencialmente, a minha biografia.
Não voltou à PJ?
Não. Pedi a demissão. Naquela altura eu queria a licença ilimitada, mas não a concediam. No ano em que eu saí, foi uma sangria: saímos, ao todo, uns setenta.
De onde lhe vem o interesse cultural que manifesta e de que tem dado provas? Como é o seu convívio com intelectuais da Guarda?
Em Lisboa trabalhei no sector privado e, às tantas, integrei-me no grupo «Amigos de Lisboa» e comecei a conhecer a Lisboa que eu não conhecia. Antigamente, o meu conhecimento da cidade não diferia do da maior parte das pessoas: o Rossio, os locais de maior convívio, mas tudo pela rama. Comecei depois a ver Lisboa mais em pormenor. A minha ligação aos «Amigos de Lisboa» resultou de um jornal que anunciava uma visita cultural. Mostrei o meu interesse e foi assim que, mediante outras visitas e investigações, passei a dedicar-me à história de Lisboa. Nessa altura era presidente da instituição um homem de grande categoria, o Prof. Dr. Cândido de Oliveira, catedrático de Medicina e que chegou a director da Faculdade. Foi ele que me convidou a integrar os órgãos directivos, por notar o meu interesse pela cidade. Não me mostrei muito disponível, porque estava ainda em actividade, mas tanto insistiu que acabei por ceder e ocupei o cargo de secretário-geral dos «Amigos de Lisboa» durante largos anos. Na revista que editávamos – «Olisipo» – comecei a escrever sobre a cidade.
Acabou por gostar tanto de Lisboa como da Guarda?
São amores diferentes. Embora tenha orgulho nas minhas origens, reconheço que Lisboa deu-me o que a Guarda nunca me deu. Em Lisboa dediquei-me a actividades que na Guarda nunca conseguiria realizar.
E que vantagens lhe trouxe Lisboa?
A possibilidade de publicar livros, fazer conferências, dedicar-me a uma vida cultural activa; e tive o gosto de ver reconhecido o meu trabalho com várias distinções, como o Prémio Municipal Júlio de Castilho de Olisipografia.
E o Fado? Como aparece o interesse pelo mesmo, que o leva a uma dedicação exaustiva?
O conhecimento da cidade levou-me inevitavelmente para esse caminho. Aqui o nosso amigo Fernando Pinto Ribeiro, que andou envolvido na boémia lisboeta, conhece bem esse lado de Lisboa. Eu também privei de perto com gente do Fado. Tinha por amigo um homem notável, grande guitarrista, chamado José Nunes. Acompanhou a Amália Rodrigues durante uma dezena de anos ou mais e foi ele que me introduziu no meio. Eu não ligava inicialmente muito ao fado. Enquanto estudante, na Guarda, ia mais para o fado de Coimbra, em virtude da grande ligação Guarda-Coimbra. Mas o José Nunes entusiasmou-me. Frequentei com ele casas de fado e apresentou-me a compositores, letristas e intérpretes. Sabendo que eu escrevia, sugeriu-me que escrevesse sobre o Fado, pois havia muito disparate divulgado e o assunto exigia estudo e seriedade. E assim surgiu o livro «Lisboa, o Fado e Fadistas», que já vai na terceira edição.
Fernando Pinto Ribeiro, poeta letrista, atento especialmente a este assunto do Fado, anuncia ter travado conhecimento, ainda criança, com Eduardo Sucena, na Guarda. Saudavam-se ocasionalmente. O reencontro surgiu de forma acidental, em Lisboa, na Tertúlia Festa Brava. O entrevistado esclarece:
A Festa Brava é uma instituição com sede na Praça da Alegria, vocacionada para o convívio da gente das touradas; mas os toureiros desinteressaram-se e o que acabou por manter essa associação foi o Fado. Aos fins-de-semana ocorriam, e ocorrem, ali sessões de Fado; almoça-se, convive-se e há Fado…
O poeta frisa o reencontro, que ocorreu já depois do 25 de Abril, e a maior proximidade que passou a existir entre conterrâneos. Vem à lembrança o nome da Anita Guerreiro, a fadista que na década de cinquenta cantava frequentemente nesse local. Sucena intervém:
Conheci a Anita Guerreiro no Copus Bar, em Cascais, onde ela cantava nos anos setenta. Mas voltando aos toureiros, nesse tempo havia dois de lide apeada que eram rivais: Manuel dos Santos e Diamantino Viseu. Gostei sempre mais deste último, embora o primeiro fosse mais popular. O Viseu era muito senhor do seu nariz, mas mais artista, suponho.
Fernando Pinto Ribeiro adianta, a propósito, ter escrito o fado Diamantino Viseu, o hino da escola e o dos forcados de Santarém. Na circunstância, Julieta Brigue é também um dos nomes evocados…
A Julieta Brigue? Ela criou o fado Manuel dos Santos.
Sucena remata o assunto da Festa Brava sugerindo um almoço futuro na Tertúlia. Questionado sobre a sua ligação aos intelectuais da velha Guarda e o episódio que ocorreu, enquanto jovem, com o escritor Nuno de Montemor, pormenoriza:
Escrevi sobre Nuno de Montemor quando andava no liceu. Um grupo de estudantes, no qual me integrava, criou o jornal «A Cabra». A Cabra era a sineta que chamava para as aulas os estudantes de Coimbra, comparável na Guarda à Garrida, que chamava os cónegos às rezas. Adoptámos o nome «A Cabra», devido a essa analogia. O jornaleco deu algum brado, com crítica, assuntos vários, larachas, etc. Saíram dez números. É curioso que nas comemorações dos 150 anos do Liceu da Guarda, aperceberam-se da existência desse jornal e telefonaram-me, mostrando interesse numa colecção para efeitos de exposição. Tive em tempos uma colecção que, emprestada, nunca me chegou a ser devolvida. Por isso, informei que a Biblioteca Nacional tinha os exemplares e que eu poderia facultar-lhes fotocópias. Assim fiz e desloquei-me à Guarda para fazer a entrega. Actualmente têm lá um jornal, com o título de «Presse». Trata-se de uma publicação com outro requinte. O nosso jornal começou por ser feito na tipografia de Celorico da Beira, mas como não tínhamos dinheiro para pagar à tipografia, tivemos de mudar de gráfica, passando a ser feito na tipografia de António Chapa, na Rua D. Sancho I, na Guarda. Foi aí que publiquei um artigo sobre Nuno de Montemor.
Conhecia-o pessoalmente?
Conhecia-o de vista. O Café Mondego tinha uma montra grande e havia uma mesa junto a essa montra. Daí víamos quem passava do Governo Civil para baixo. Nuno de Montemor, uma figura castiça, de sobretudo azul bastante folgado, chapéu preto e guarda-chuva, vinha normalmente da Misericórdia, onde era capelão, e dirigia-se para o Lactário. O tal artigo saiu na primeira página. O professor de Canto Coral, João Alberto Faria, director do jornaleco, quis que se fizesse uma edição especial de dez exemplares em papel couché para oferecer a Nuno de Montemor. O escritor terá comentado que o rapaz, autor do artigo, tinha habilidade para a escrita: «Traga-mo cá, que eu quero conhecê-lo». João Alberto Faria comunicou-me o desejo de Nuno de Montemor. Eu era um rapazote. Ele era um escritor de vulto, com obra publicada, e eu sentia algum embaraço. Devia andar pelos meus 16 ou 17 anos. Enfim, lá fui. Recebeu-me com gentileza, como se eu fosse um seu colega das letras. Comprometido com aquela situação, vi-me num ambiente de música clássica, de que ele muito gostava, a tomar o chazinho com ele. «Olha, rapaz, gostei daquilo que escreveste. Tens jeito». E passou a tratar-me como colega. Antes enviara-me já uma carta, carta essa que foi publicada pela revista «Altitude». Depois fui obsequiado com o poema «Vestido de Bebé». A Dra. Dulce Helena Pires Borges, que foi directora do Museu da Guarda, escreveu-me, muitos anos depois, dando-me conta do desejo de criar uma secção no Museu dedicada a Nuno de Montemor. Sabia que eu tinha documentos e pedia-me para os depositar lá. Não depositei. Ofereci ao museu a carta, o poema e livros autografados pelo escritor. Cada vez que ele publicava um livro eu recebia um exemplar com dedicatória. Posso dizer que veio dele o estímulo para eu escrever e saltar dos limites estritos do jornal do liceu.
(Devido à sua extensãoa entrevista prossegue brevemente)
José Leitão Baptista

Anúncios

Uma das condições para o desenvolvimento de um território é possuir uma boa rede de acessibilidades. Sem estradas seguras e rápidas o progresso não vem a ter connosco. No que reporta ao distrito da Guarda, podemos afirmar que beneficiou muito a este nível. Mas se é bom ter a auto-estrada próxima, o péssimo é não lhe ter um acesso rápido. E isso passa-se com o Sabugal.

Ligação da auto-estrada ao SabugalO Sabugal não possui qualquer ligação condigna à auto-estrada, embora esteja geograficamente envolvido por ela. A sede deste concelho raiano dista pouco mais de 30 quilómetros de cada ponto da auto-estrada, sendo porém as ligações de má qualidade, com piso degradado, curvas e contracurvas e cruzando diversas localidades, onde a velocidade é controlada. Esta situação dificulta a vida das pessoas e entrava o desenvolvimento.
O Município sabugalense, na falta da inclusão dessa ligação no Plano Rodoviário Nacional, decidiu rasgar uma estrada para a A23, com ligação ao nó de Belmonte. Como os custos são elevados recorreu-se ao Exército, que graciosamente ali colocou máquinas e homens do Regimento de Engenharia de Espinho.
O caso é que os militares e as máquinas foram movimentados para o Líbano e a obra esteve suspensa. Agora os militares estão de volta, mas tudo avança a passo de caracol. Feita a terraplanagem terá depois que se entregar a obra a uma empresa especializada.
Diríamos, à partida, que esta decisão de avançar com a construção da via a expensas próprias, foi um acto de coragem. Se o governo não a assume, avança a Câmara.
A questão é que no passado dia 20 de Outubro o secretário de estado das Obras Públicas, esteve em Penamacor, onde lançou o concurso para o alargamento da ligação daquela vila à A23. No mesmo dia dirigiu-se a Manteigas e também ali garantiu o lançamento do concurso de ligação da vila serrana à mesma A23.
Face a isto, cabe perguntar:
Então se Penamacor e Manteigas, vêm garantido o pagamento das obras por parte da administração central, porque não sucede isso com o Sabugal?
Então o Sabugal, que oferece através da barragem a água do Rio Côa aos concelhos vizinhos, não consegue que o Governo assuma a obra de ligação à auto-estrada?
O problema é que o poder político do concelho não revela capacidade reivindicativa e isso reflecte-se nas possibilidades de desenvolvimento. O custo da nova estrada é imenso e derruba o orçamento do Município.
Tem que se voltar a bater à porta do governo, exigindo que o Sabugal não tenha um tratamento diferenciado.
Mas duvido que os signatários do poder autárquico sabugalense, que há 11 anos ali estão a marcar passo, tenham capacidade para fazer ver a justeza da reivindicação.
A solução poderá ser esperar por novos dias, que até podem vir com as eleições autárquicas de 2009.
«Contraponto», opinião de Paulo Leitão Batista

leitaobatista@gmail.com

JOAQUIM SAPINHO

DESTE LADO DA RESSURREIÇÃO
Em exibição nos cinemas UCI

Deste Lado da Ressurreição - Joaquim Sapinho - 2012 Clique para ampliar

Indique o seu endereço de email para subscrever este blog e receber notificações de novos posts por email.

Junte-se a 836 outros seguidores

PUBLICIDADE

CARACOL REAL
Produtos Alimentares


Caracol Real - Produtos Alimentares - Cerdeira - Sabugal - Portugal Clique para visitar a Caracol Real


PUBLICIDADE

DOISPONTOCINCO
Vinhos de Belmonte


doispontocinco - vinhos de belmonte Clique para visitar Vinhos de Belmonte


CAPEIA ARRAIANA

PRÉMIO LITERÁRIO 2011
Blogue Capeia Arraiana
Agrupamento Escolas Sabugal

Prémio Literário Capeia Arraiana / Agrupamento Escolas Sabugal - 2011 Clique para ampliar

BIG MAT SABUGAL

BigMat - Sabugal

ELECTROCÔA

Electrocôa - Sabugal

TALHO MINIPREÇO

Talho Minipreço - Sabugal



FACEBOOK – CAPEIA ARRAIANA

Blogue Capeia Arraiana no Facebook Clique para ver a página

Já estamos no Facebook


31 Maio 2011: 5000 Amigos.


ASSOCIAÇÃO FUTEBOL GUARDA

ASSOCIAÇÃO FUTEBOL GUARDA

ESCOLHAS CAPEIA ARRAIANA

Livros em Destaque - Escolha Capeia Arraiana
Memórias do Rock Português - 2.º Volume - João Aristides Duarte

Autor: João Aristides Duarte
Edição: Autor
Venda: Casa do Castelo (Sabugal)
e: akapunkrural@gmail.com
Apoio: Capeia Arraiana



Guia Turístico Aldeias Históricas de Portugal

Autor: Susana Falhas
Edição: Olho de Turista
Venda: Casa do Castelo (Sabugal)



Música em Destaque - Escolha Capeia Arraiana
Cicatrizando

Autor: Américo Rodrigues
Capa: Cicatrizando
Tema: Acção Poética e Sonora
Venda: Casa do Castelo (Sabugal)



SABUGAL – BARES

BRAVO'S BAR
Tó de Ruivós

Bravo's Bar - Sabugal - Tó de Ruivós

LA CABAÑA
Bino de Alfaiates

La Cabaña - Alfaiates - Sabugal


AGÊNCIA VIAGENS ON-LINE

CERCAL – MILFONTES



FPCG – ACTIVIDADES

FEDERAÇÃO PORTUGUESA
CONFRARIAS GASTRONÓMICAS


FPCG-Federação Portuguesa Confrarias Gastronómicas - Destaques
FPCG-Federação Portuguesa Confrarias Gastronómicas Clique para visitar

SABUGAL

CONFRARIA DO BUCHO RAIANO
II Capítulo
e Cerimónia de Entronização
5 de Março de 2011


Confraria do Bucho Raiano  Sabugal Clique aqui
para ler os artigos relacionados

Contacto
confrariabuchoraiano@gmail.com


VILA NOVA DE POIARES

CONFRARIA DA CHANFANA

Confraria da Chanfana - Vila Nova de Poiares Clique para visitar



OLIVEIRA DO HOSPITAL

CONFRARIA DO QUEIJO
SERRA DA ESTRELA


Confraria do Queijo Serra da Estrela - Oliveira do Hospital - Coimbra Clique para visitar



CÃO RAÇA SERRA DA ESTRELA

APCSE
Associação Cão Serra da Estrela

Clique para visitar a página oficial


SORTELHA
Confraria Cão Serra da Estrela

Confraria do Cão da Serra da Estrela - Sortelha - Guarda Clique para ampliar



SABUGAL

CASA DO CASTELO
Largo do Castelo do Sabugal


Casa do Castelo


CALENDÁRIO

Arquivos

CATEGORIAS

VISITANTES ON-LINE

Hits - Estatísticas

  • 3.151.966 páginas lidas

PAGERANK – CAPEIA ARRAIANA

BLOGOSFERA

CALENDÁRIO CAPEIAS 2012

BLOGUES – BANDAS MÚSICA

SOC. FILARM. BENDADENSE
Bendada - Sabugal

BANDA FILARM. CASEGUENSE
Casegas - Covilhã


BLOGUES – DESPORTO

SPORTING CLUBE SABUGAL
Presidente: Carlos Janela

CICLISMO SERRA ESTRELA
Sérgio Gomes

KARATE GUARDA
Rui Jerónimo

BLOGUES RECOMENDADOS

A DONA DE CASA PERFEITA
Mónica Duarte

31 DA ARMADA
Rodrigo Moita de Deus

A PÁGINA DO ZÉ DA GUARDA
Crespo de Carvalho

ALVEITE GRANDE
Luís Ferreira

ARRASTÃO
Daniel Oliveira

CAFÉ PORTUGAL
Rui Dias José

CICLISMO SERRA ESTRELA
Sérgio Paulo Gomes

FANFARRA SACABUXA
Castanheira (Guarda)

GENTES DE BELMONTE
Investigador J.P.

CAFÉ MONDEGO
Américo Rodrigues

CCSR BAIRRO DA LUZ
Alexandre Pires

CORREIO DA GUARDA
Hélder Sequeira

CRÓNICAS DO ROCHEDO
Carlos Barbosa de Oliveira

GUARDA NOCTURNA
António Godinho Gil

JOGO DE SOMBRAS
Rui Isidro

MARMELEIRO
Francisco Barbeira

NA ROTA DAS PEDRAS
Célio Rolinho

O EGITANIENSE
Manuel Ramos (vários)

PADRE CÉSAR CRUZ
Religião Raiana

PEDRO AFONSO
Fotografia

PENAMACOR... SEMPRE!
Júlio Romão Machado

POR TERRAS DE RIBACÔA
Paulo Damasceno

PORTUGAL E OS JUDEUS
Jorge Martins

PORTUGAL NOTÁVEL
Carlos Castela

REGIONALIZAÇÃO
António Felizes/Afonso Miguel

ROCK EM PORTUGAL
Aristides Duarte

SOBRE O RISCO
Manuel Poppe

TMG
Teatro Municipal da Guarda

TUTATUX
Joaquim Tomé (fotografia)

ROTA DO CONTRABANDO
Vale da Mula


ENCONTRO DE BLOGUES NA BEIRA

ALDEIA DA MINHA VIDA
Susana Falhas

ALDEIA DE CABEÇA - SEIA
José Pinto

CARVALHAL DO SAPO
Acácio Moreira

CORTECEGA
Eugénia Santa Cruz

DOUROFOTOS
Fernando Peneiras

O ESPAÇO DO PINHAS
Nuno Pinheiro

OCEANO DE PALAVRAS
Luís Silva

PASSADO DE PEDRA
Graça Ferreira



FACEBOOK – BLOGUES

Anúncios