Todos os anos, o primeiro de Novembro torna-se num corrupio de viagens às nossas paragens, a fim de uma visita aos cemitérios, onde repousam muitos dos nossos familiares e amigos, descansando em paz, depois de uma vida plena de consumições e trabalhos, cuidando, o melhor que podiam e sabiam, de todos os seus.

Esteves Carreirinha - Ecos da AldeiaNesta época, as palavras repetem-se, mais ou menos semelhantes a outros escritos anteriores, não havendo muito, por aí além, que possamos acrescentar.
Os que, ainda por cá andamos, vamos fazendo pela vida, dentro do possível, homenageando os nossos ídolos, com mais uma visita carregada de simbolismo, não deixando cair as imensas recordações.
Este é um dia especial, todos o sabemos, de grande emoção e uma tristeza profunda, pois traz-nos à memória, muito do que passámos com todos aqueles que convivemos uma grande parte das nossas vidas, onde a romagem ao cemitério, sendo uma prioridade obrigatória, é, apenas, um pequeno tributo, a quem tanto nos deu.
Por ser o dia comemorado pela Igreja, é bem natural que leve toda a gente disponível aos cemitérios, até porque, a anteceder a romagem, há sempre uma missa por alma de todos os fiéis defuntos.
Apesar desta data ser importante, muitos outros «1 de Novembro» acontecem ao longo de todo o ano. Para tanto, basta uma deslocação às origens e, eis a oportunidade de uma visita à derradeira casa de quem já «partiu», reeditando o Dia de Todos os Santos. Seguramente, não deixa de ter a mesma emoção e simbolismo, apesar da menor visibilidade, mas que interessa esta? A intenção reconforta cada um e é bem mais importante do que tudo o resto.
«Ecos da Aldeia», opinião de Esteves Carreirinha

estevescarreirinha@gmail.com

Anúncios