O cancro da mama é uma proliferação anormal de células.

Cancro da MamaCANCRO DA MAMA – O que é? O cancro é uma proliferação anormal de células.
O cancro começa nas células; estas podem-se dividir anormalmente e tornarem-se um excedente para o organismo este não necessita delas pois as antigas ainda não morreram então estas novas células formam o que podemos chamar de tumor.
Nem todos os tumores são malignos alguns também são benignos.
Os tumores benignos não são cancro. Raramente põem a vida em risco. Regra geral, podem ser removidos e, muitas vezes, regridem.
As células dos tumores benignos não se «espalham», ou seja, não se disseminam para os tecidos em volta ou para outras partes do organismo (metastização à distância).
Não é possível afirmar que se pode evitar o cancro isso é mentira mas podemos fazer tudo o que está ao nosso alcanse para reduzir os riscos. Estas situações aparecem cada vez mais, logo torna-se muito importante que se conheça os primeiros sinais pois a chave para o sucesso encontra-se aí.
Os sete sinais principais de aviso do cancro
Quem conhece o nosso corpo melhor que nós? Somos nós que nos encontramos na melhor posição para detectar alterações anormais. Assim o auto-exame constitui um meio impor­tante de detecção do cancro. Muitos cancros da mama são descobertos pelos próprios doentes, e não pelos médicos.
Qualquer alteração na mama ou no mamilo, quer no aspecto quer na palpação;
Qualquer nódulo ou espessamento na mama, perto da mama ou na zona da axila;
Sensibilidade no mamilo;
Alteração do tamanho ou forma da mama;
Retracção do mamilo (mamilo virado para dentro da mama);
Pele da mama, aréola ou mamilo com aspecto escamoso, vermelho ou inchado; pode apresentar saliências ou reentrâncias, de modo a parecer «casca de laranja».
Secreção ou perda de líquido pelo mamilo.
A taxa de mortalidade é tão grande entre as mulheres que qualquer alteração ou sinal deve ser tomado muito a sério e comunicado ao médico assistente. No entanto existem exames como a mamografia e a ecografia mamária que devem ser feitos de 6 em seis meses ou anualmente .Só assim se pode prevenir o que não se vê e que não se sente.
Vera Vilanova