Contrariamente ao que se possa pensar, quase todas as intervenções que aqui tenho tido, poderiam ser interpretadas como apoio ao executivo e não o contrário. Vejamos que faço aqui apelo ao equilíbrio que deve haver pelo menos na mesma unidade geográfica/administrativa.

Kit do JarmeloAlguém aqui é contrário à igualdade de oportunidade ou condições de vida entre as gentes do mesmo concelho?
Volto aqui a reafirmar que aquilo de que nos queixamos em relação ao Litoral (Lisboa) é à mesma escala (ou até maior o abismo) verdade em relação ao próprio concelho.
Como não temos escola primária, não podemos lançar o Magalhães… também não temos mar… nem sequer água para todos.
O lançamento (apresentação pública) que hoje aqui fazemos é um Kit. Um kit para visitantes a terras do Jarmelo pois os que lá moram… amanham-se de outras formas, talvez herdadas desde antes da nacionalidade.
Trata-se de um kit de necessidades básicas, como disse, mais dirigido aos que visitam ou se pretendam instalar nas terras do Jarmelo.
Este kit é composto pelas analogias que seguem:
– Garrafa de água, que analgésicamente substitui a própria torneira ou contador.
– Papel higiénico, que analgésicamente substitui o saneamento
– O paralelipípedo granítico, que por analogia substitui o piso das ruas e acessos.
Embora se diga tratar-se de um analgésico (pelo menos é o que diz a embalagem) e como não sei o que significa… aviso que nenhum dos componentes, deve ser entendido como supositório.
O uso deste kit, é da exclusiva responsabilidade dos utentes.
A obtenção deste kit, não isenta a cobrança pela C. M. Guarda da taxa (ao que parece de 200€) referente à fossa, que se cobra a quem quiser fazer uma habitação nessa aldeias que não têm saneamento.
Será que esta taxa deve ter como objectivo diminuir a percentagem de habitações sem saneamento? Pelo raciocínio lógico quem não tem casa, também não tem falta de saneamento nem de água ou piso.
Quanto à validade deste kit; este género de produtos, expira a cada 4 anos que passam.
O Jarmelo, desde o tempo de D. Afonso IV (pai de D. Pedro) deixou de ter influência… Basta recordar que um dos conselheiros reais da altura (equiparado hoje a amigo pessoal de Primeiro Ministro) de nome Pêro Coelho, era do Jarmelo… daí para cá… D. Pedro mandou destruir a vila do Jarmelo e salgar como castigo, as suas terras; dizem por lá as pessoas que desde então, pouco ou nada tem acontecido de relevante.
Guarda, 30 de Setembro de 2008.
Agostinho da Silva
Presidente da Junta da freguesia de S. Pedro do Jarmelo

Anúncios