Face à escalada do custo dos combustíveis e à modernização da linha de caminhos-de-ferro da Beira Alta, esta via, bem poderá ser uma hipótese a considerar, devolvendo à Cerdeira o privilégio de ser a nossa Estação.

Joaquim RicardoO nosso concelho tem um défice enorme em vias de comunicação que o ligue aos grandes centros urbanos nacionais mais desenvolvidos, como é o caso da Cova da Beira e da Covilhã em particular, mas também ao eixo Norte-Sul, ligando-nos ao litoral português e aos centros urbanos mais afastados e desenvolvidos. A ligação à Europa, rica e potenciadora do escoamento de produtos e mesmo de investimentos para a região seria também outra necessidade minimizada pela criação daquelas vias de comunicação.
A estação de caminho-de-ferro que oficialmente serve o concelho localiza-se já fora do seu perímetro e a cerca de 30 quilómetros – no Barracão, já próximo da Guarda. Ora, a linha de caminho-de-ferro roça, ainda que timidamente, território do concelho, na bonita aldeia de Cerdeira do Côa, que dista da cidade sede do concelho, cerca de 20 quilómetros e, portanto, seria natural que ali fosse construída a estação de caminho-de-ferro para o concelho, complementada com a construção de uma boa ligação por estrada desta aldeia à sede. Julgo até que, face à escalada do custo dos combustíveis e à modernização da linha de caminhos-de-ferro da Beira Alta, cuja electrificação está completa e se projectam outros importantes melhoramentos, bem poderá ser uma hipótese a considerar devolvendo à Cerdeira o privilégio de ser a nossa estação dos caminhos-de-ferro e apostar daí nos melhoramentos por estrada até à sede do concelho. É que enquanto do petróleo dependemos a 100% em termos de energia eléctrica a produção nacional embora deficitária, caminha a passos largos para uma auto-suficiência significativa mesmo só contando com a produção hídrica ou eólica e esquecendo o recurso à produção de energia nuclear, mais poluente e perigosa mas que nunca poderá ser posta definitivamente de lado, em minha opinião.
Estação da CerdeiraNão temos comunicações por mar, pois este fica longe e o rio Côa, nesta parte do seu percurso também não é navegável, por enquanto? E desta forma teremos que por de lado e definitivamente a via marítima. Restam-nos as comunicações por terra – Caminhos-de-Ferro/Rodovias ou somente rodovias.
As estradas nacionais são as únicas vias que servem todo o concelho. Nem um Itinerário Principal (IP), passa por perto do nosso imenso território – cerca de 827 quilómetros quadrados, mesmo com todos os defeitos que lhe atribuem pela grande quantidade de acidentes mortais ocorridos naquelas vias. A ligação à A23 – Auto-Estrada que liga Torres Novas à A25, que liga Aveiro a Vilar Formoso e que está a ser levada a cabo pela autarquia, numa extensão de aproximadamente 19 quilómetros, poderá dar algum impulso à região pois o concelho ficará mais perto desta importante via de comunicação. Não obstante é discutível o traçado escolhido e o tipo de construção – tipo Itinerário Complementar (IC) pois a circulação não será tão rápida quanto o seria num Itinerário Principal (IP) ou mesmo por Auto-Estrada (AE). Enfim, poder-se-ia ir mais longe se o investimento necessário fosse disponibilizado pelo Governo Central o que não acontece, infelizmente.
Pelo exposto e não obstante sendo certo que as vias de comunicação não são tudo para que uma região se desenvolva, são de todos conhecidos bons exemplos de desenvolvimento de cidades do interior do nosso país, como é o caso da cidade de Viseu, com a construção do IP5 (agora transformado na A25), da Covilhã e toda a região da Cova da Beira, com a construção da A23 e que ilustram bem as vantagens de estar junto a vias de comunicação rápidas. Afinal quem já não se lembra do tempo em que era necessário para uma deslocação por estrada a Lisboa ou ao Porto – cerca de 5 horas e de comboio? Era um dia inteiro. Neste momento e para quem sai do Sabugal e apesar de não termos ligações rápidas aos principais itinerários nacionais (A23 e A25), chegam duas horas e meia e mesmo de comboio três horas na versão «comboio inter-cidades».
«Ideias Soltas», opinião de Joaquim Ricardo

dr_jfricardo@hotmail.com

Anúncios