Talvez e palavra mais usada pelos actuais detentores do poder a nível mundial seja, progresso. Se repararmos bem, o que avança é a tecnologia que são duas coisas totalmente distintas, embora a ideologia dominante faça uma comparação entre estes dois conceitos levando-nos a crer que tudo evolui.

António EmidioMas infelizmente os tempos de hoje caracterizam-se por um processo «involutivo» a nível moral, ético, cultural, social e laboral. Essa «involução» origina um mal estar no homem de hoje. O homem actual vive angustiado, chora interiormente, sente-se vazio, está como que colonizado por pseudo-valores impingidos pela classe política que o governa, pelos especialistas de marketing, pela publicidade enganosa, pela industria da cultura e pelos media.
É forçoso que se liberte destes fundamentalismos e dos grandes poderes económicos, só assim haverá uma maior justiça social e uma melhor defesa do planeta Terra. É necessário um processo de renovação moral e espiritual que consiga fazer do homem um cidadão livre e não um súbdito subjugado sem consciência crítica.
Com todo o respeito, digo aos amantes do modernismo actual o seguinte: toda a ideologia político/económica que só pensa em elevar até ao infinito os lucros das empresas, está condenada a fracassar. É progresso viverem 800 milhões de seres humanos com menos de um dólar por dia e passando fome? É progresso quando perto de mil indivíduos possuem uma riqueza igual ao PIB dos países (juntos) onde vive 60% da população mundial?
Isto soa a sermão de Domingo caro leitor, mas para haver progresso a sério, primeiro tem que progredir o Homem interiormente e só depois as coisas. Desde que esta civilização se tornou na «civilização dos negócios», como alguém lhe chamou, tudo tem sido ao contrário.
«Passeio pelo Côa», opinião de António Emídio

ant.emidio@gmail.com