You are currently browsing the monthly archive for Abril 2008.

Francisco Santos Vaz, brindou-nos com outro livro, desta feira reunindo um conjunto de anedotas, adivinhas, provérbios, passatempos e enigmas, que durante anos foi publicando no jornal Nordeste, de que é director.

O título é «Pantivária», precisamente o nome da rubrica das páginas do Nordeste que mensalmente publica pequenos textos de passatempos e divagações que o tornam mais interessante e o aliviam do forte peso institucional enquanto jornal de inspiração cristã e de índole paroquial.
Pode o assinante do Nordeste ter ou não tempo para o ler de fio a pavio, mas nunca pousa o jornal sem antes ler a coluna com as anedotas, os adágios e os passatempos. Os textos são de pequeníssima dimensão, imperando a economia das palavras, primando pela pontaria, pondo de lado rodeios e desnecessárias explicações. A sua leitura breve deixa invariavelmente o leitor alegre e satisfeito, quiçá até descontraído. Após o dia de trabalho, certamente cansado, retirou o Nordeste da caixa do correio, estirou-se no sofá, abriu o jornal e leu-lhe as «gordas». Se porventura algum texto lhe chamou a atenção deu-lhe uma vista de olhos, mas depressa essa mesma atenção se perdeu nas facécias que o Padre Chico ali colocou. Leu-as com satisfação, compôs um esgar de sorriso e, já relaxado, avançou para a leitura dos restantes artigos. Assim se começa a ler o Nordeste.
Muitas das facécias têm mesmo um sentido pedagógico e até moral, espraiando-se por variadas temáticas. Quanto à origem dos textos, há que dizer que nem tudo saiu da sabedoria e da prodigiosa memória do autor. Ele mesmo confessa: «As fontes são muitas: jornais, revistas, agendas, almanaques, encontros de amigos, conversas…».
Francisco Santos Vaz é natural da Bismula, concelho do Sabugal. Sendo sacerdote, paroquiou em várias terras do concelho, como a Bismula e Alfaiates, sendo actualmente pároco de Águas Belas. É licenciado em Filologia Clássica e foi professor do ensino secundário.
O «Pantivária» é o terceiro livro de Francisco Santos Vaz, seguindo-se a «Nordestinas e Sabatinas» (2003) e «Ao Longo do Caminhar» (2006). Cada publicação reuniu numa temática alguns dos textos que escreveu no Nordeste. Assim os retirou da efemeridade associada à publicação periódica, dando-lhes a merecida perenidade.
As encomendas podem ser feitas ao autor, que também é o editor: Av. 25 de Abril, n.º 32, 6320-345 Sabugal.
plb

Anúncios

A organização do Rock In Rio-Lisboa e o Ministério das Obras Públicas, Transportes e Comunicações assinaram no dia 29 de Abril um protocolo apoiado numa campanha de sensibilização para a utilização de transportes públicos nos dias dos concertos.

Rock In Rio-Lisboa 2008Foi assinado esta quarta-feira, 29 de Abril, um protocolo entre o Ministério das Obras Públicas, Transportes e Comunicações, representado pelo ministro Mário Lino e a secretária de Estado Ana Paula Vitorino e Roberta Medina, vice-presidente da organização do Rock In Rio-Lisboa.
A parceria hoje formalizada nasce de uma sinergia entre as duas entidades com um objectivo comum: sensibilizar as pessoas para a importância da utilização dos transportes colectivos em vez do transporte individual.
A campanha «Goze a Viagem» para a promoção do transporte público vai ter como anfitrião o actor Ricardo Carriço que abraçou imediatamente esta iniciativa. O conceito desenvolvido para esta campanha está assente na valorização dos aspectos positivos do transporte público, utilizando uma linguagem simples, imediata, objectiva e transversal aos diferentes alvos de comunicação.
Dois elos estabelecem a ligação do Rock in Rio-Lisboa 2008 com esta campanha. Por um lado, a temática do projecto social – as Alterações Climáticas – e, por outro, o Plano de Redução de Emissões de Carbono do evento.
A organização do Rock in Rio-Lisboa estabeleceu parcerias com todos os operadores de transportes para o desenvolvimento de uma rede especial para os dias do evento de modo a que o público chegue à Cidade do Rock e regresse aos seus destinos de uma forma rápida, confortável e… amiga do ambiente:
– Metropolitano: serviços especiais na Estação da Bela Vista até às três e meia da madrugada com ligação às linhas Vermelha e Verde;
– Transtejo: realiza serviços regulares entre Cais do Sodré e Cacilhas e entre o Terreiro do Paço e o Barreiro até às duas e meia da madrugada;
– Carris: além das carreiras da Rede da Madrugada, realiza carreiras com partida junto ao pórtico da Cidade do Rock até duas horas depois do último concerto do Palco Mundo;
Fertagus: comboio especial que parte cerca de uma hora depois do encerramento do evento da estação Roma/ Areeiro para a margem Sul;
– CP: para além do ROCKCard CP, um produto especial para os moradores do Norte do país, a CP disponibiliza um comboio especial nas Linhas de Sintra e de Cascais, saindo cerca de uma hora após o final do evento respectivamente das estações Roma/ Areeiro e Cais do Sodré.
aps

Fala-se abundantemente da falta de motivos importantes no Sabugal que motivem e tragam ao concelho pessoas de outras localidades, combatendo a desertificação da região. Ora, aqui está um bom motivo que, com outros existentes mas ainda por explorar, poderão contribuir para a vinda ao concelho de gentes de outras regiões.

Joaquim Ricardo («Ideias Soltas»)Custa-me, sinceramente deixar um tema para trás sem ter a certeza que esgotei todo o seu conteúdo. Julgo portanto, não maçar os nossos leitores se voltar a escrever sobre a presença de povos que em tempos remotos passearam pela região de que sou natural e deixaram vestígios seus muito fortes, que teimam em permanecer, pese embora os responsáveis locais nada tenham feito para preservar o seu legado. E, mais grave ainda é o facto de apesar da sua obrigação em guardar a nossa história, ainda a destruíram! É preciso não ter qualquer sentimento ou amor à história a que estamos ligados. E foi o que fizeram os nossos responsáveis autárquicos!
Mas quer queiram, quer não, a aldeia dos Amiais, da freguesia de Aldeia de Santo António está e estará sempre ligada a povos remotos que a ocuparam e deixaram as suas marcas que atestam bem essa sua passagem.
Há duas semanas deixei aqui o meu testemunho de um possível povoado lusitano, situado no cume de um cabeço, povoado por carvalhos, cobertos de fungos brancos, de baixa altura, por causa, diz-se, «daquilo que se encontra lá por baixo!» ainda por estudar – «a moita – cabeça». Este monte, situa-se a Sul da dita povoação, da freguesia de Aldeia de Santo António e hoje, apresento algumas fotografias onde é possível verificar a forma circular do relevo ali existente.
Mas há outros sinais que testam a presença desses povos antigos e nossos conterrâneos: Primeiros os lusitanos, seguindo-se os romanos e agora nós. Próximo do lugar onde foi feita a exploração de água que ainda abastece parte da bonita cidade do Sabugal, muito próximo do pretenso «povoado lusitano», existia uma fonte romana, entretanto subterrada, sem dó nem piedade, pela autarquia do Sabugal aquando dos trabalhos de abastecimento de água. E também a calçada romana, foi entretanto coberta por cascalho e outros produtos para permitir a passagem de carros de bois único meio de transporte dos produtos agrícolas, outrora abundantes naquele local. No extremo norte à povoação, junto ao actual tanque público de lavagem de roupa e à actual fonte de mergulho (erradamente chamada de romana) também ali existiu, no final de uma regadeira, na esquina com uma edificação em pedra uma outra fonte, essa sim, romana que já foi «destapada» em tempos de muita seca para matar a sede à população pois a actual secara completamente, segundo me assegurou a D. Virgínia, uma jovem senhora com 83 anos de idade, segurando o seu cajado, fiel amigo de alguns tempos que a ajuda a manter um pouquinho mais direita.
AmiaisPor outro lado, existe um caminho que era muito procurado e utilizado pela população, pois era a aquele que permitia chegar mais depressa à sede da freguesia na altura, a bonita aldeia de Urgueira e que por isso tomou o seu nome: caminho da Urgueira. Tem o seu início na estrada nacional – Sabugal – Terreiro das Bruxas, passa junto à moita – cabeça e depois junto a outro achado arqueológico já próximo de Aldeia de Santo António – as sepulturas romanas. Este caminho actualmente não está transitável pois no seu seio cresceram carvalhos e são muitas as pedras que o tornam irreconhecível. Parte dele, encontra-se até tapado com uma cancela, para guarda do gado que por lá passava. Era urgente a limpeza deste trajecto, pois para além de ter grande utilidade, serviria para o acesso ao povoado lusitano e por isso um lugar de passagem obrigatória para quem se interessa pelo passado. As sepulturas romanas, as que restam, encontram-se em bom estado de conservação, conforme se pode observar pelas fotografias que aqui deixo. Estes monumentos romanos de que restam apenas três eram muitas mais. As restantes foram destruídas, na exploração da rocha onde se encontravam, para construção de casas em Aldeia de Santo António, como me foi dito pela Sra D. Virgínia, dos Amiais, que era a proprietária daquele lugar e o doou à Junta de Freguesia.
Por tudo quanto ficou aqui dito, é urgente que as autoridades locais, a Câmara e os seus serviços de arqueologia, reparem o mal que fizeram ao património arqueológico ali existente: Destruição ou ocultação de fontes e calçada romanas, Iniciar a exploração arqueológica do povoado previsivelmente existente no cume da moita-cabeça e reparar o caminho antigo da Urgueira para permitir a visita aos locais indicados como de interesse histórico. Assim reparar-se-ia a injustiça praticada a este povo – Amiais, quando lhe retiraram compulsivamente toda a sua abundante água ali existente para bem e comodidade exclusiva das pessoas que habitam a cidade.
Fala-se abundantemente da falta de motivos importantes no Sabugal que motivem e tragam ao concelho pessoas de outras localidades, combatendo a desertificação da região. Ora aqui está um bom motivo que, com outros existentes mas ainda por explorar, poderão contribuir para a vinda ao concelho de gentes de outras regiões. É urgente explorar todos os recursos existentes! Não nos podemos dar ao luxo de desperdiçar oportunidades?
«Ideias Soltas», opinião de Joaquim Ricardo

dr_jfricardo@hotmail.com

Foi no dia 26 de Abril que se realizou o 3.º Encontro de Antigos Alunos e Professores do Colégio do Sabugal (1952-1986), a organização que demonstrou um grande empenho na realização do evento, esteve a cargo de Maria José Teixeira, Maria Lucília Chapeira, Bela Robi e João Silva, compareceram cerca de uma centena e meia de convivas.

Colégio do SabugalFoi no auditório Municipal, que se foram reunindo os participantes, e começou por intervir Ducílio Sapinho apresentando a todos a Associação Sabugal Sec. XXI, já devidamente legalizada e tendo como fundadores antigos alunos do colégio do Sabugal e não só, e na qual aparecem alguns nomes notáveis da vida publica Portuguesa, referiu então o objecto da Associação: «A Associação, sem quaisquer compromissos raciais, políticos ou confessionais, tem por finalidade apoiar, promover e defender o desenvolvimento harmonioso do Sabugal e seu concelho, com particular incidência na felicidade das suas gentes, actuando e intervindo, activamente, em todas as áreas de actividade ou cooperando com outras instituições, sempre na senda da lealdade, dignidade e justiça».
A ideia foi bem acolhida, e muitos dos presentes aproveitaram para se fazerem sócios, contribuindo assim para o crescimento desta Associação.
De seguida foi a vez de o homem carisma e director do colégio, Sr. Dr. Diamantino fazer a sua intervenção, começando por saudar os antigos alunos, recordando o passado comum, as vivências, as alegrias e as tristezas e o sentimento de saudade da juventude deles e inclusivamente da sua própria, pois foi muito jovem que começou com a responsabilidade de dirigir algo tão importante como foi o Colégio de Sabugal…
Assistiu-se depois á actuação do grupo coral e cantares do Sabugal dirigido pelo professor Rui Chamusco, mais tarde rumou-se para o RaiHotel onde foi servido o jantar, e os participantes tiveram oportunidade de observar seis álbuns de fotos do tempo de estudante, e no meio da tanta foto e com um pouco de paciência cada um lá ia encontrando a sua, e ia reconhecendo outras. A animar o convívio esteve o grupo musical “Só Notas”, alguns ex-alunos mostraram os seus dotes para a música tocando viola e cantando, levando o público ao rubro. A organização distribuiu lembranças a cada participante e nomeou os mordomos para 2009, que são, Fátima Dias, Lurdes Bogas, Artur Lucas e José Alberto, ficando assim a realização do 4.º encontro assegurado.
João Nabais

A Culturguarda, empresa que gere o Teatro Municipal da Guarda (TMG), associou-se a instituições espanholas e apresentou duas candidaturas ao programa comunitário Interreg, com o objectivo de obter financiamento para projectos comuns.

Américo RodriguesSegundo declarações prestadas à Lusa por Américo Rodrigues, director artístico do TMG, as candidaturas, no valor global de 900 mil euros, foram propostas em colaboração com a Junta de Castilla e Léon, Fundação de Cultura de Salamanca e Ayuntamiento de Santa Maria de Tormes.
A parceria com a Junta de Castilla e Léon visa a realização de um festival de música étnica, a produção de um espectáculo de teatro «com actores da Guarda e de Salamanca» e um festival de blues, indicou.
A outra candidatura, segundo o mesmo responsável, envolve, além da vertente da formação, a edição de uma antologia de poetas da Guarda e de Salamanca, festivais de música clássica, teatro ibérico e de cinema.
Américo Rodrigues assinalou à Lusa que a aprovação das candidaturas «pode ser muito bom para o TMG porque esta aproximação a Espanha faz parte da construção da sua identidade».
«A originalidade do teatro, o que o diferencia dos outros, é que nós também temos como preocupação a aproximação com Espanha», frisou.
«Para nós, está claro que temos de colaborar com os nossos vizinhos espanhóis», disse ainda o director do TMG, para justificar as candidaturas ao programa Interreg.
O Teatro da Guarda é a única estrutura de Portugal a integrar a «Rede de Teatros de Castilla y León», que permite uma grande circulação de espectáculos entre os dois países, em resultado de um protocolo celebrado com a Junta de Castilla e León.
O complexo do TMG, inaugurado em 25 de Abril de 2005, custou cerca de 10,5 milhões de euros.
Localizado no centro da cidade, junto do antigo Convento de São Francisco, nele funcionam o grande auditório (com capacidade para 626 pessoas), o pequeno auditório (com capacidade para 164), um café-concerto (com lotação para 100 pessoas) e uma galeria de exposições.
No último ano, promoveu 344 actividades e registou um total de 109.333 utentes, segundo a direcção.
plb

6.º TORNEIO DE FUTSAL INTER-FREGUESIAS DO CONCELHO DO SABUGAL

GRUPO A – 1.ª JORNADA
NAVE 3 8 RAPOULA DO CÔA
ESCOTEIROS SOITO 1 4 TRIGAIS
L. A. SANTO ESTÊVÃO 5 4 QUINTAS SÃO BARTOLOMEU
CLASSIFICAÇÃO
POS. EQUIPA PONTOS G. M. G. S.
1.º RAPOULA DO CÔA 3 8 3
2.º L. A. SANTO ESTÊVÃO 3 5 4
3.º TRIGAIS 3 4 1
4.º QUINTAS SÃO BARTOLOMEU 0 4 5
5.º ESCOTEIROS SOITO 0 1 4
6.º NAVE 0 3 8
GRUPO B – 1.ª JORNADA
ALDEIA DA PONTE 5 3 VILA BOA
C. CULT. ALDEIA VELHA 3 13 RENDO
CLASSIFICAÇÃO
POS. EQUIPA PONTOS G. M. G. S.
1.º RENDO 3 13 3
2.º ALDEIA DA PONTE 3 5 3
3.º VILA BOA 0 3 5
4.º C. CULT. ALDEIA VELHA 0 3 13
5.º BOMBEIROS SOITO
GRUPO C – 1.ª JORNADA
SEIXO DO CÔA 3 12 PENALOBO
VILAR MAIOR 3 9 TRANSCUNDÂNIA
CLASSIFICAÇÃO
POS. EQUIPA PONTOS G. M. G. S.
1.º PENALOBO 3 12 3
2.º TRANSCUNDÂNIA 3 9 3
3.º VILAR MAIOR 0 3 9
4.º SEIXO DO CÔA 0 3 12
5.º J. F. DE ALDEIA VELHA
GRUPO D – 1.ª JORNADA
ALFAIATES 0 5 FÓIOS
UNIDOS DA BOLA 6 5 GRUPO ETNOGRÁFICO SABUGAL
CLASSIFICAÇÃO
POS. EQUIPA PONTOS G. M. G. S.
1.º FÓIOS 3 5 0
2.º UNIDOS DA BOLA 3 6 5
3.º GRUPO ETNOGRÁFICO SABUGAL 0 5 6
4.º ALFAIATES 0 0 5
5.º SORTELHA
GRUPO E – 1.ª JORNADA
ESTÊVO JOVEM 9 5 BARAÇAL
ALDEIA DO BISPO 5 4 ALDEIA SANTO ANTÓNIO
CLASSIFICAÇÃO
POS. EQUIPA PONTOS G. M. G. S.
1.º ESTÊVO JOVEM 3 9 5
2.º ALDEIA DO BISPO 3 5 4
3.º ALDEIA SANTO ANTÓNIO 0 4 5
4.º BARAÇAL 0 5 9
5.º MALCATA
Actualizado em 29-4-2008 – Informação da Câmara Municipal do Sabugal

Fomos até Évora ao encontro do Arcebispo D. José Alves em dia de Jornada Histórico-Teológica integrada nas comemorações dos 700 anos da Sé Catedral. Na Fundação Eugénio de Almeida e após o discurso de encerramento trocámos algumas impressões com o prelado sabugalense natural da Lageosa da Raia.

Arcebispo de Évora D. José AlvesNo final da conferência que encheu por completo o auditório da Fundação Eugénio de Almeida, D. José Alves, com amizade e simpatia acedeu a conversar com o Capeia Arraiana.
– É muito diferente ser bispo em Portalegre e arcebispo em Évora?
– Tem aspectos que são diferentes e tem outros que são iguais. A diocese de Évora é diferente porque, apesar de ser exclusivamente alentejana e ter a sede no centro, é a maior do País. A Diocese de Portalegre tem a sede no extremo o que alonga as distâncias a percorrer e é diferenciada porque inclui três distritos: uma parte de Portalegre, uma parte de Castelo Branco e uma parte de Santarém. O exercício do ministério episcopal, no essencial, é igual, lá e cá, e em questão de ruralidade são iguais.
Aproveitamos para saber um pouco mais sobre as comemorações que decorreram na Fundação Eugénio de Almeida.
«Cumprem-se em 2008 os 700 anos da dedicação da Sé de Évora. Há notícias da sua existência desde o século IV mas é a partir de D. Afonso Henriques que há dados históricos mais consistentes. A Fundação e a Diocese pretendem assinalar o ano de 1308 promovendo uma reflexão sobre a passado tendo em conta os aspectos cultural e histórico. As Sés são confiadas a um conjunto de cristãos a que se chama o Cabido. Têm a confiança do seu bispo e ocupam-se da gestão da Sé. Antigamente as Sés tinham funções de ensino. As escolas catedralícias estiveram na origem das Universidades. Neste caso concreto o cabido da Sé de Évora é célebre pelo ensino da música desde os séculos XVI e XVII. Os grandes mestres da música que foram contratados eram do melhor que havia na altura e viviam no edifício ao lado da Sé. Ensinavam música a jovens e a padres fundamentalmente para a liturgia. É um período áureo que está associado à presença da corte em Évora.»
– A cultura e o património arquitectónico estão ligados às religiões…
– Se retirarmos igrejas, conventos, mosteiros e monumentos evocativos pouco fica como património cultural em todo o Mundo. O melhor que há em pintura no Mundo está sempre relacionado com a religião. Mesmo fora do cristianismo, como nas pirâmides do Egipto, está presente a religião porque quando digo religião não digo apenas cristianismo…
– Ainda há tempo para ir ao Sabugal?
– Vou sempre que posso. Estive lá na altura do Natal e a seguir à Páscoa. Infelizmente os meus pais já faleceram mas a minha irmã ainda vive na Lageosa. Gosto imenso de voltar porque está lá a minha raiz. Gosto de conviver com aquela gente, gosto de respirar aqueles ares, ver aquele ambiente.
– O sotaque raiano ainda se sobrepõe ao alentejano…
– Nunca perdi o sotaque raiano e nunca apanhei o sotaque alentejano. Intencionamente posso falar com algum sotaque alentejano mas normalmente não acontece… Apesar de viver no Alentejo estive durante muitos anos ligado ao Seminário que que tem um ambiente heterogéneo. Claro que tenho contacto com o povo alentejano mas nunca apanhei o sotaque.
– Évora tem muitos religiosos naturais do Sabugal. A que se deve?
– A diocese de Évora tem muitos padres originários do concelho do Sabugal. Quando fui ordenado bispo há 10 anos eramos 18 sacerdotes sabugalenses e já tinham sido bastante mais. Monsenhor Arcebispo D. Manuel Mendes da Conceição Santos foi vice-reitor do seminário da Guarda e bispo de Portalegre. Tinha uma forte ligação com a Guarda e foi uma das razões. A outra é consequência de o Seminário Menor da Guarda (no Fundão) não comportar todas candidaturas e muitos eram enviados para Évora. Além disso os primeiros padres que se ordenaram daquela zona (Aldeia do Bispo e Aldeia da Ponte) serviram de elo de ligação para os que se seguiram. Lembro-me que viemos cinco jovens estudar para Évora porque conheciamos o padre.
– Mas é o primeiro arcebispo natural do Sabugal…
– Nos tempos recentes não houve nenhum. Os meus contemporâneos têm sido muito simpáticos comigo. Vieram a Évora quando foi da minha ordenação como bispo. Quando fui para Portalegre acompanharam-me também. Recordo a cerimónia que organizaram na Casa do Concelho do Sabugal. E agora quando foi da minha ordenação como arcebispo a 17 de Fevereiro aí estava um autocarro cheio além dos que vieram em carros particulares. Tenho que lhes agradecer porque têm sido de uma simpatia extrema.
E como as capeias estão sempre presentes nas conversas dos raianos…
«Há uma coisa que eu não dispenso nas capeias. Ir ao encerro e ver a prova. Agora há menos emoção porque tem que haver mais segurança e o touro grande já não foge. Na minha aldeia brincávamos às touradas e ao forcão. Havia sempre um de dimensões mais reduzidas para a miudagem. É feita a socialização desde tenra idade e depois assumimos as capeias quase como uma natureza. Ao contrário do que alguns pensam não tenho nada contra as capeias. Não tratam mal os animais, não lhe batem, não os picam. Se o touro marra é porque faz parte da natureza dele. Eu tenho uma teoria sobre isso. Para mim o forcão era um instrumento de caça. Nos tempos primitivos a única maneira de caçar animais ferozes era com um forcão. Não havia armas de fogo. O ritual em volta do forcão era de agressão e faz-me lembrar rituais ancestrais e uma forma de caçar.»
E aproveita para recordar um episódio quando era seminarista…
«Sendo eu ainda estudante devia ter voltado ao seminário no dia que coincidia com a capeia. Mas entusiasmei-me com a chegada dos touros e fiquei por lá. Mas para meu desconsolo os fiscais da Guarda Civil não os deixaram passar em Vilar Formoso e não houve tourada. Cheguei um dia mais tarde ao Seminário…» …e continuando após uma breve pausa… «As capeias fazem parte daquela vida raiana. Mas para além da festa dos toiros há outros aspectos interessantes que estão associados. É o convívio que se estabelece entre os amigos, as famílias. As capeias estão associadas às festas religiosas.»
– As nossas aldeias estão mais agarradas às tradições religiosas do que no Alentejo?
– Na Beira, na nossa zona é uma zona de prática religiosa regular. Todo aquele ambiente encaminha as pessoas para dentro da igreja. Aqui no Alentejo o indíce de frequência habitual à missa é de 12 por cento. A prática regular será à volta dos 10 por cento (9 são mulheres e um homens). Mas como aqueles que vão à igreja vão por sua iniciativa e eventualmente contrariando o ambiente sociológico que os rodeia logo são mais conscientes da sua fé e da sua prática. Comprometem-se mais com a prática da vida cristã.
– Além da parte religiosa tem no seu percurso iniciativas como o lar para mães solteiras em Portalegre. Há iniciativas sociais misturadas com a pregação religiosa?
– Sobre isso gostaria de dividir a resposta em duas partes. Em primeiro a prática da vida cristã implica também acção social. Ninguém poderá dizer que é um bom cristão se estiver à margem dos problemas sociais. Preocupação com a melhoria de vida dos seus semelhantes consignado no mandamento «Amai-vos uns aos outros». E em segundo a minha condição de bispo sou há seis anos, na Conferência Episcopal, o presidente da Condição da Pastoral Social que tem a ver com as Misericórdias, com centros sociais, com as capelanias dos hospitais e dos estabelecimentos prisionais, com a Cáritas e com a Comissão Justiça e Paz. Em Portalegre adaptámos um edifício de uma quinta que tinha sido doada à diocese há alguns anos, ampliámo-lo e criámos condições para receber adolescentes grávidas que se encontrem em dificuldades. Essa casa está pronta para funcionar. Ainda não tem ninguém em virtude de algumas questões burocráticas por resolver. É uma obra de muito mérito social que a cidade de Portalegre tem apoiado com muito carinho e penso que irá prestar os melhores serviços áquelas que dela precisarem.
E a finalizar…
– Trazemos-lhe um convite para estar presente na XXX Capeia Arraiana da Casa do Concelho do Sabugal que este ano volta à Praça de Toiros do Campo Pequeno…
– Fico feliz por se lembrarem de mim. Os fins-de-semana de um bispo estão sempre muito ocupados. Mas tudo farei para estar presente no dia 31 de Maio na festa dos sabugalenses em Lisboa.
jcl e plb

Visto que o feriado de 25 de Abril calhou numa sexta-feira, e com o bom tempo a ajudar, foram muitas as pessoas que saíram dos seus habituais locais de trabalho e residência para passear, visitar familiares e amigos e até mesmo para conhecerem outras regiões do nosso país.

José Manuel Campos - «Nascente do Côa»Em Foios comprovou-se tudo o que acabo de referir. Largas centenas de pessoas por cá passaram. Foi muito bom o dia de mercado, último sábado de cada mês, ter coincidido com este período.
O Grupo Desportivo e Cultural do BPI já tinha agendada, desde há muito tempo, uma deslocação ao concelho de Sabugal. Cerca de 70 pessoas fizeram-se deslocar em autocarro e viaturas particulares.
No dia 25 visitaram e almoçaram no viveiro das trutas. De tarde visitaram a nascente do Côa e por volta das 18 horas foram recebidos no Centro Cívico de Foios tendo-lhes sido feito o retrato do concelho quer verbalmente quer através de projecção de fotos.
Esta delegação do BPI foi muito bem conduzida pelo nosso ilustre conterrâneo José Joaquim Marques, entre nós conhecido pelo Zeca Lindeza. Deste modo deu a conhecer, durante três dias, as belezas naturais deste nosso bonito município. Era assim que muitos outros sabugalenses deveriam fazer. Divulgar, desta forma, o concelho é contribuir para o progresso e desenvolvimento do mesmo.
Passeio do Grupo Desportivo do BPI com visita aos FóiosAproveito para felicitar o Zeca bem como o Zé Carlos Lages e a Exm.ª Direcção da Casa do Concelho que também já têm agendadas e programadas actividades similares.
Com organização do Clube Porsche Fans Portugal e por intermédio do Zé Carlos Lages vão estar no nosso concelho, nos dias 12 e 13 de Setembro, cerca de 70 ou 80 pessoas que se vão fazer deslocar em Porsches antigos. Na sequência da preparação da citada reunião o presidente do Clube Porsche entendeu que a concentração de aniversário agendada para o fim-de-semana de 5 e 6 Julho tivesse o seu início em Sortelha (com almoço) rumando de seguida em direcção à Serra da Estrela.
Também a direcção da Casa do Concelho está a organizar um rally-paper, que vai ter lugar no dia 21 de Junho, que passará pela maioria das freguesias do nosso concelho.
Então isto, meus senhores, não é uma forma de ajudar o nosso concelho? Quantas refeições se comem? Quantas camas se alugam? Quantos copos se bebem? E quantas dessas pessoas voltam em pequenos grupos ou a nível familiar?
E quantos amigos e conterrâneos, espalhados pelo país e estrangeiro, poderiam organizar e desenvolver actividades desta natureza? Todos dizemos – e muito bem – que o nosso concelho tem enormes possibilidades para se poder desenvolver através do turismo. É verdade, sim senhor. Mas é necessário e conveniente que criemos condições para que as pessoas fiquem com vontade de voltar e para que nos divulguem através de comentários que nos sejam favoráveis.
O concelho do Sabugal tem futuro! Há que acreditar!
«Nascente do Côa», opinião de José Manuel Campos

jmncampos@gmail.com

A Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários do Sabugal reúne em Assembleia Geral no dia 9 de Maio de 2008 na sede social. O Capeia Arraiana publica, para todos os associados, o respectivo edital.

Quartel dos Bombeiros Voluntários do SabugalEstá convocada para sábado, dia 9 de Maio, a Assembleia Geral da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários do Sabugal.
Transcrição do Edital:
«Ramiro Manuel Lopes de Matos, Presidente da Assembleia Geral da Associação Humanitária dos Bombeiros Voluntários de Sabugal, usando dos poderes que me são conferidos pelo Artigo 23.º dos Estatutos da referida Associação, convoco a Assembleia Geral a ter lugar no dia 9 Maio de 2008, pelas 21 horas na Sede da Associação, com a seguinte Ordem de trabalhos:
– Apresentação, discussão e votação da conta de gerência relativa ao ano de 2007 e Parecer do Conselho Fiscal.
De acordo com o Artigo 20.º dos Estatutos, caso à hora prevista não se encontre presente a maioria dos sócios, a assembleia funcionará meia hora depois com qualquer número de sócios presentes.
Sabugal, 24 de Abril de 2008.
O Presidente da Assembleia Geral
Ramiro Manuel Lopes de Matos»
Faça uma cópia do edital aqui.
jcl

Durante a semana transacta o Grupo Territorial da GNR da Guarda procedeu à detenção de oito pessoas por condução sob influência do álcool, seis das quais no âmbito da operação «Abril Seguro».

Operação StopA GNR da Guarda apresentou em nota à imprensa o balanço da actividade da última semana, de 21 a 27 de Abril, informando ter registado 50 ocorrências criminais, de onde se destacam nove situações de detenção em flagrante delito, oito das quais pelo crime de condução sob o efeito do álcool e uma por furto em estabelecimento comercial.
Uma boa parte das ocorrências tiveram lugar no âmbito da operação «Abril Seguro», que a GNR da Guarda realizou na madrugada do dia 26 de Abril, com o objectivo de fiscalizar o trânsito. Nessa operação foram detidos seis condutores por conduzirem sob influência do álcool e foram levantados 38 autos de contra-ordenação por diversas infracções. No total foram fiscalizados 476 veículos. Foi ainda identificada uma cidadã brasileira por permanência ilegal no País.
Das restantes ocorrências destacam-se seis crimes de ofensas à integridade física, cinco de dano, três de furto em estabelecimentos comerciais, três de furto de veículos e três crimes de violência doméstica.
Durante o período reportado registaram-se ainda 18 acidentes de viação, 12 dos quais em resultado de colisões e seis por despistes. Dos desastres resultou um ferido grave e três feridos ligeiros. Ainda segundo a nota da GNR, «a velocidade excessiva é apontada como a principal causa da sinistralidade rodoviária neste período».
plb

As comemorações dos 150 anos do nascimento do escritor ruvinense Joaquim Manuel Correia reservaram lugar na história do concelho do Sabugal. As cerimónias decorreram durante a manhã com palestras no Auditório Municipal e durante a tarde no Museu com o lançamento do romance «Celestina», um inédito que, finalmente, pode (e deve) ser lido por todos os sabugalenses. Extraordinário e preocupante foi o alheamento dos alunos e professores do Sabugal que primaram pela ausência e indiferença perante a qualidade e o valor indiscutível dos oradores presentes.

Joaquim Manuel CorreiaFoi uma jornada repleta de ensinamentos sobre a vida e obra de Joaquim Manuel Correia, a história do Sabugal e de Portugal.
Norberto Manso, pela «Sabugal+», Natália Correia Guedes, neta do homenageado, e Manuel Rito Dias, presidente da Câmara Municipal do Sabugal abriram as comemorações e deram as boas-vindas aos presentes.
Moderados pelo vereador António Robalo, natural e residente na Ruvina, participaram no primeiro painel João Serra (professor e historiador das Caldas da Rainha) com o tema «Os trabalhos de Joaquim Manuel Correia», mestre Jesué Pinharanda Gomes (pensador e filósofo de Quadrazais) com «Joaquim Manuel Correia: aspectos da sua vida e obra» e Manuel Leal Freire (poeta e escritor da Bismula) que falou de «Aspectos de uma família na Ruvina nos finais do séc. XIX».
O segundo painel foi constituído por Adérito Tavares (professor e historiador de Aldeia do Bispo) que resumiu «O País e o Sabugal: Enquadramento Histórico – 1858-1974» e Manuel Meirinho Martins (politólogo do Soito) finalizou com «O Sabugal de hoje».
No final o moderador António Robalo concluiu e encerrou os trabalhos da manhã lendo excertos de um texto que um ruvinense passou à prosa nas «Páginas Interiores» deste blogue. Aqui deixamos a excelência do seu pensamento e do seu sentir sobre a Ruvina: «Na Ruvina tomei consciência do mais importante da vida tendo aprendido a gostar das pessoas e a valorizá-las pelo que são. Quando falo da Ruvina as emoções assaltam-me e embarga-se-me a voz. O meu pensamento treme, quando falo da minha aldeia.
Foi na Ruvina que me cortaram o cordão umbilical, porque na altura não havia maternidades e tudo ficava longe. Foi aqui que aprendi a rir, a chorar, andar, a falar, a ler e a escrever.
Acredito como Rilke, que a nossa pátria é a nossa infância. A minha infância é a minha aldeia. A Ruvina sempre foi e será para mim uma lição de vida e por isso, sempre que posso retorno às origens. Em pensamento nunca a abandono e a ela regresso diariamente. A sua ausência é uma coisa que trago sempre comigo.»

Na parte da tarde decorreu no Museu Municipal a inauguração da exposição sobre o homenageado e a apresentação e lançamento do romance «Celestina».
Entre outros marcou presença o padre António Souta que levou consigo um exemplar autografado pela neta do escritor. Com aquela tranquilidade que lhe é peculiar confessou enquanto Natália Correia Guedes lhe autografava o exemplar de «Celestina»: «Quanto tinha que ir visitar uma freguesia do concelho lia primeiro o livro de Joaquim Manuel Correia, Memórias do Concelho do Sabugal, para melhor me preparar para a homília.»
Extraordinário e preocupante é a ausência de alunos e professores que muito teriam a aprender com todas as sábias apresentações de todos os conferencistas. Ou, então, é porque já sabem tudo…
(fim)
jcl

O historiador Adérito Tavares, natural de Aldeia do Bispo, deu no Auditório Municipal do Sabugal uma brilhante lição de História de Portugal. Muito lhe ficou por dizer apesar de o ilustre docente da Universidade Católica se ter limitado ao período em que viveu Joaquim Manuel Correia.

Adérito TavaresAdérito Tavares ilustrou a sua apresentação com imagens projectadas no grande ecrã do Auditório Municipal que ajudaram a melhor perceber o período conturbado de passagem da Monarquia para a República.
Como já tocou está na hora de entrar na «sala de aulas»…
«Vamos iniciar esta análise histórica na chamada segunda parte da Dinastia de Bragança onde reinaram D. Maria II (1834-53) e D. Pedro V (1853-1861) que assistiram entre 1851 e 1887 ao movimento político que procurou restaurar a tranquilidade em Portugal.
Em 1884 dá-se a Patuleia (revolução da Maria da Fonte) com o Duque de Saldanha (regeneração) a conseguir impor uma certa acalmia no País. Mas D. Pedro V morre em 1861, com apenas 24 anos, e D. Luís sucede ao irmão.
As freguesias do concelho do Sabugal apresentam no Censo de 1864: Aldeia da Ponte, Aldeia Velha e Alfaiates com mais de 1000 habitantes. Quadrazais com 1654 habitantes e Soito 1226 são as freguesias com mais habitantes. O Sabugal regista 1550 habitantes. A Ruvina com 180 habitantes e cerca de 180 habitantes (50 fogos) e Ruivós com 165 são as menos populosas.
Por essa altura aparece António Maria Fontes Pereira de Melo, o grande visionário que faz a modernização de Portugal no século XIX. Surgem o telégrafo, os correios (o primeiro selo em Portugal data de 1853 e regista a morte da rainha embora o selo postal já existisse desde 1840 em Inglaterra) e o telefone.
O surgimento do caminho-de-ferro vai dar o grande contributo para a modernização do País. Em 1856 é inaugurado o primeiro troço entre Lisboa e o Carregado. A Estação do Rossio é inaugurada a 18 de Maio de 1890 em conjunto com o túnel que ainda hoje existe.
Em 1879 foi inaugurada a Avenida da Liberdade por iniciativa de Ressano Garcia formado na escola de Paris.
A praça do Rossio recebeu, por essa altura, o edifício do Teatro Nacional de Almeida Garrett e depois rebaptizado de D. Maria.
A Praça do Comércio ou Terreiro do Paço foi construída após o terramoto de 1755. No centro, em lugar de destaque, a estátua de D. José alinhado com o arco da Rua Augusta que foi concluído no reinado de D. Luís.
Em 1855 (ano da morte de D. Luís) dá-se o ultimato inglês para impedir que Portugal una Angola a Moçambique. O poderio de Inglaterra face à fraqueza portuguesa impõe-se reivindicando a ligação entre a cidade do Cabo e o Cairo.
Quando o ministro dos negócios estrangeiros português pergunta ao homólogo inglês porque não respeitam a velha aliança este responde-lhe com a célebre afirmação: Não há alianças eternas. Eternos são os interesses de sua magestade.
Rafael Bordalo Pinheiro aproveita para caricaturar um catético Portugal que vive do passado perante a vitalidade da Inglaterra que reivindica a posse das colónias portuguesas.
Os republicanos culpam a monarquia do estado a que chegou Portugal e passam a governar em regime de alternância entre o partido progressista e o partido relativista. O Partido Republicano aparece, entretanto, para colocar em causa a alternância no poder entre os dois partidos. A República consolida a sua caminhada mas o Rei D. Carlos reage e confia a João Franco um governo de ditadura com o parlamento encerrado.
Joaquim Manuel Correia referencia nos seus escritos que o infante D. Manuel visitou o Sabugal em 1906.
Nesta época o país tem a população a crescer. As estatísticas indicam um aumento de quatro mihões para seis milhões de habitantes. Nas eleições apenas votam os cidadãos do sexo masculino.
O povo português é maioritariamente pobre e anda descalço. Portugal foi um povo de pé descalço quase até aos anos 60. O romance de Aquilino Ribeiro Quando os lobos uivam foi apreendido pela PIDE (Polícia Política de Salazar) porque o escritor afirma na obra que Portugal é um povo de pé descalço. Eramos um País de pobres e entre 1861 e 1910 para fugir a essa pobreza emigraram quase um milhão de portugueses.
Mas também havia riqueza. António Carvalho Monteiro, um dos mais ricos do País, era conhecido pelo Monteiro dos Milhões. Foi ele quem mandou construir a Quinta da Regaleira.
Os empresários Francisco Grandella e Alfredo da Silva (CUF) vivem nos fins do séc. XIX e princípios do séc. XX e através das suas iniciativas a indústria portuguesa dá os primeiros passos. Mas Portugal é um país rural. Seis em cada dez portugueses vivem da agricultura. A grande maioria dos agricultores vive para comer. Os registos desse tempo apontam a mortalidade infantil e a tuberculose como a principal causa de morte em Portugal.
A taxa de analfabetismo é grande nos anos 20 com cerca de 60 em cada 100 portugueses sem saberem ler nem escrever. Nesse tempo a educação significa poder, um poder exclusivamente masculino.
Em 1900 o Sabugal tem 89 freguesias, 33 mil habitantes dos quais 86 por cento são analfabetos.
Outro homem contemporâneo de Joaquim Manuel Correia é o dr. Sousa Martins que ficou ligado à cidade da Guarda tendo morrido, em 1904, vítima da tuberculose.
Os republicanos portugueses estão em ebulição e dá-se o regicídio em 1908. Por toda a Europa e em especial na imprensa francesa a morte do Rei D. Carlos é considerada um assassinato bárbaro. Recorde-se que a rainha era francesa. O funeral de D. Carlos é feito no mosteiro de São Vicente de Fora, em Lisboa.
D. Manuel é muito jovem mas os seus apelos à acalmia popular resultam apenas por dois anos. Liderada pelos militantes da Carbonária a proclamação da República faz-se da varanda da Câmara Municipal de Lisboa por José Relvas. O escudo, a bandeira e o hino (composto para protestar contra o ultimato inglês) transformaram-se em símbolos da República.
O republicano Afonso Costa é um anti-clerical. Também em Aldeia da Ponte havia um colégio jesuíta que foi fechado em 1910. A revista Ilustração Portuguesa desse tempo traz uma reportagem em que aparece o administrador-delegado do Sabugal a encerrar o colégio de Aldeia da Ponte.
Quando Portugal está mergulhado na I Guerra Mundial (Batalha de La Lys em 1918) dão-se os acontecimentos de Fátima.
É implantada uma nova ditadura em que a cara visível é Sidónio Pais assassinado após um ano de governação. Sucede-lhe António José de Almeida (1919-1923) tendo sido o único presidente que cumpriu o seu mandato na sua totalidade. em clima de grande estabilidade.
Entra em cena o jovem Salazar que, como ministro das Finanças, consegue eliminar o défice crónico do País.
No discurso de tomada posse como presidente do Conselho de Ministros aparece acompanhado por Duarte Pacheco (ministro das obras públicas) e António Ferro (imagem de Salazar). Ficou célebre a lição de Salazar: Deus, Pátria, Família (a trilogia da educação nacional). Nós queremos um estado forte. Votai a nova constituição’ podia ler-se no cartaz da Almada Negreiros encomendado pela União Nacional.»
A finalizar Adérito Tavares deixou, ainda, alguns dados sobre o concelho do Sabugal em 1930: «Casamentos, 351 e divórcios, 1. Nasceram 1323 crianças legítimas e apenas 3 por cento nasceram fora do casamento. A natalidade regista 34 por mil e a mortalidade 24 por mil.»
Brilhante lição de História protagonizada por Adérito Tavares que incidiu em especial sobre o período da vida de Joaquim Manuel Correia.
(continua)
jcl

Segunda-feira é dia de publicar a «Imagem da Semana». Ficamos à espera que nos envie a sua escolha para a caixa de correio electrónico:
capeiaarraiana@gmail.com

Tunas na Casa do Castelo – Imagem da Semana (21-4-2008)Data: 23 de Abril de 2008.
Local: Praça de Toiros do Campo Pequeno.
Legenda: Delegação da Casa do Concelho do Sabugal composta pelo presidente José Eduardo Lucas e os directores Esteves Carreirinha, Horácio Pereira, José Marques e José Carlos Lages com o responsável do Campo Pequeno, Vasco Cornélio da Silva.
Autoria: Capeia Arraiana
Clique na imagem para ampliar

O primeiro mausoléu, à esquerda de quem entra no Cemitério da Guarda (no campo outrora ocupado pela igreja templária de Noss Senhora do Templo) preserva os restos mortais do poeta Augusto Gil.

Jesué Pinharanda – Carta DominicalNa frontaria do primeiro mausoléu lê-se o seguinte epitáfio:
E a pendida fronte, ainda mais pendeu…
E a sonhar com Deus, com Deus adormeceu.

Há quem se questione sobre a autoria deste epitáfio, e muita gente que ignore a sua origem.
Para ajudar a esclarecer, aqueles dois versos fazer parte de um poema sobre a morte (ou dormição) de Nossa Senhora, que o poeta escreveu, não para ele, mas para Maria. Vem no bonito poema «A Assunção» que faz bem reler neste tempo em que nos aproximamos das festas do esposo de Maria, o Divino Espírito Santo:
«A uma velha capa que São João deixou,
A Virgem Maria ainda a aproveitou…

Escolhendo a parte menos gasta e puída,
Desfaz-lhe as costuras, tira-lhe a medida,

Talha uma roupinha para uma criança
Que era a mais rotinha das da vizinhança.

Prestes a alinhava, logo a cose e prova.
Que linda, que linda! Parecia nova…

Nesse tempo a Virgem quantos anos tinha?
Não ficou a conta. Era já velhinha…

Dava o sol nas casas: brasas de fogueira…
…Horas de descanso, horas de quebreira…

– E da idadem e de cansaço, e de calor –
Lento, a invade toda, um dúlcido torpor…

Fecham-se-lhe os olhos, e descai-lhe a agulha…
…Passa uma andorinha. Uma rolinha arrulha.

As mãos escorregam, ficam-lhe pendentes…
…As cigarras cantam nos trigais dormentes.

E a pendida fronte, – ainda mais pendeu…
E a sonhar com Deus, com Deus adormeceu…

Põe-lhe o manto um anjo, curva-se a compô-lo,
E outros anjos descem, pegam nela ao colo…

Com as leves mãos (penugens de andorinhas)
Vão-na embalando como às criancinhas…

E embalando-a, voam, lá se vão com ela!…
Já lá mais alta que a mais alta estrela!

Outros anjos chegam, querem-na cantar.
Caluda, caluda, que pode acordar…

Que as almas dos justos um hino concertam!
Silêncio, silêncio. Que não a despertem…

Jesus abre os braços, e já quer beijá-la,
Mas pára, detém-se, que pode acordá-la!

E a mãe da Senhora, pediu-lhe a sorrir:
– Mais logo… Mais logo… Deixai-a dormir…

«Carta Dominical», opinião de Pinharanda Gomes

pinharandagomes@gmail.com

Durante as férias da Páscoa, numa tarde de lazer quando passeava pela Guarda, encontrei um amigo professor que já não via há muitos anos. Na alegria normal do reencontro deparei-me com uma pessoa completamente decepcionada com a profissão.

José Robalo – «Páginas Interiores»Dizia-me então o meu amigo: «Como sabes sou efectivo numa escola, tenho alguns anos de carreira, mas não aguento mais esta vida. Estou com uma licença sem vencimento, mas quando terminar esta licença, não volto à escola. Estou disposto a fazer tudo na vida, menos continuar esta safra de professor… Não quero mais ensinar. A decisão está tomada, vou deixar a Escola.»
Com desassombro e amargura na voz, este meu amigo no limite da desconsideração diária e da falta de respeito a que está sujeito, além da pressão, fez aquilo que muitos e bons profissionais já pensaram fazer, mas que ainda não tiveram coragem: abandonar uma carreira que com ilusão num determinado momento abraçaram, mas que tem cada vez mais escolhos. Longe vai o tempo em que o professor era um profissional considerado e respeitado.
O futuro de qualquer país depende da política educativa que é definida e do investimento que nela fazemos, porque é na educação que assenta a formação dos nossos filhos e das gerações que nos governarão, como garante de um país moderno e desenvolvido. Um euro aplicado em educação tem seguramente um efeito multiplicador em termos de investimento futuro, embora os seus efeitos não sejam perceptíveis no curto prazo e como tal não dão votos.
«A História da Moral»Sem uma educação de qualidade não existe futuro. Sendo assim a coisa tão séria, não tenho dúvidas que deve existir uma aposta muito forte na educação por parte de qualquer governo que se preze, onde o professor e a escola sejam o eixo central de qualquer sistema educativo. O professor deve ser valorizado e respeitado, estatutária e profissionalmente. Desvalorizar o papel do professor, fragilizando-o perante os pais, os alunos e a opinião pública em geral é um erro tremendo, que vai ter custos muito elevados. Há mentiras que à força de serem ditas ganham foros de verdade. A imagem do professor assim exposta perante a opinião pública pode levar décadas a recuperar e apagar. Os custos são muito elevados.
A escola democrática de qualidade tem que contar com o contributo indispensável destes agentes, elementos essenciais numa escola que se quer inclusiva e com igualdade de oportunidades para todos os alunos à entrada e à saída.
Apostar num combate ao défice, cortando meios às escolas e ao sistema educativo, desvalorizando a carreira docente, é cercear e bloquear o desenvolvimento e o futuro do país, que tem que ser mais competitivo e dinâmico, numa clara aposta na formação e na educação.
Era Aristóteles que afirmava na sua Metafísica que «Todos os homens desejam por natureza saber», fazendo assim parte da natura rerum esta curiosidade pelo conhecimento, sendo certo que sempre existe um pedaço de estupidez mesmo na mente do homem mais sábio.

:: :: :: ::
Para ler: Poderá ser um bom fim-de-semana para revisitar a obra poética do surrealista Alexandre O’Neill, nomeadamente, «Poesias Completas» da Imprensa Nacional Casa da Moeda. (1951-1986), 3.ª edição, 1990.
«Les somnambules», de Arthur Koestler.
:: :: :: ::
Para ouvir: «Travadinha, Feiticeira de Cor Morena», Le Violon du Cap Vert, Ruda Records.
«Ser Solidário», José Mário Branco, EMI–Valentim de Carvalho.
«Cantares do Andarilho», José Afonso, Moviplay, SA.
:: :: :: ::

«Páginas Interiores» opinião de José Robalo
joserobaload@gmail.com

O «Pagamento do Vinho» era um costume antigo, que existia na Aldeia, bem como em outras aldeias vizinhas, prolongando-se ainda pela nossa juventude, que consistia no pagamento de uma importância, face à tentativa de um forasteiro namorar e conquistar uma donzela de Aldeia, com o objectivo óbvio, na maioria dos casos, de contrair matrimónio com a dita, escolhida para este fim, seguindo-se assim a tradição, que já vigorava nos tempos de outrora.

Esteves Carreirinha - Ecos da AldeiaQuando se descortinava algum galfarro, já bem grandote, rondando pelos nossos lados, eram espiados vários locais de acesso, não era muito difícil, diga-se, até se conseguir apanhar o artista, em flagrante delito, isto é, entrando na casa dos pais, onde morava a eleita do coração, para namorar, nada de retirar conclusões precipitadas, que não são chamadas aqui para esta matéria.
A prometida era avaliada pela sua beleza e, consoante as posses da família, determinava-se assim um valor aproximado, mais ou menos justo, que o inesperado pretendente tinha que desembolsar para a rapaziada beber uns copos, o designado pagamento do vinho.
Quando do lado da pretendida, não se concordava com o valor estipulado pelos “pedidores”, podia ser o cabo dos trabalhos, com grandes discussões entre os negociantes e a família da escolhida, comparando-se com outros exemplos de beldades anteriores, que tinham pago um valor ou outro, chegando-se, depois de árduo batalhar, a um entendimento, sem vencedores nem vencidos, antes a satisfação de ambos os lados, como convinha, nestes casos difíceis.
Da recordação dos tempos, ainda relativamente recentes, o trato tornou-se mais civilizado, combinando-se, por acordo mutuo, um borrego assado, juntamente com as bebidas, em que o pretendente amigo, também tinha, forçosamente de alinhar, as mais das vezes, com grande gosto, como era desejável, familiarizando-se com a rapaziada, contribuindo para uma melhor integração com a malta da Aldeia, sendo considerado um dos nossos, depois desta obrigatória prova dos nove.
Como é bem sabido, as moças, antigamente mal saíam de casa, sendo bem protegidas, especialmente pelas mães, enquanto que com os rapazes, a coisa era um pouco mais liberal e tolerante, não havia as mesmas restrições, tinham uma certa rédea solta, como se dizia na altura, não se verificando a mesma preocupação neste assunto. Esta situação desigual foi-se esbatendo ao longo dos tempos, até chegar aos nossos dias, onde as diferenças já não fazem grande sentido, como se constata facilmente.
Existiu um episódio de um candidato ao pagamento do vinho, que se foi descartando algumas vezes, até que a paciência se esgotou. Enquanto namorava, tranquilamente, dentro de casa, decidiu-se tapar a rua com uns carros de bois, pois tencionava esquivar-se à “obrigação”, face a este grave motivo, a rua teve de ser bloqueada desta maneira.
Foi, seguramente, um pouco exagerado, mas o sangue na guelra da malta e a continuação da tradição, assim o exigiu, tendo até dado origem à chamada da GNR. Depois deste episódio, não mais constou que deambulasse, outra vez, pela nossa Aldeia, acabando por desistir da donzela, que naquela época pretendia cativar.
Outros casos aconteceram, alguns que bem mais brado deram, de consequências graves e funestas, a que voltaremos, e ainda muitos outros, onde eram os próprios voluntários, quem tratava de tudo, com a ajuda do pessoal, passando-se magníficas tardes de convívio.
Actualmente, muitos dos costumes antigos vão-se esbatendo, embora se recordem com alguma saudade. Naquelas épocas, os divertimentos eram totalmente diferentes dos que hoje existem, proliferando estes, por aí, ao virar da esquina, em quantidade e variedade suficiente, pois os tempos são outros, bem mais evoluídos, assim como a nova mentalidade da geração mais recente.
«Ecos da Aldeia», opinião de Esteves Carreirinha

estevescarreirinha@gmail.com

No «Crónicas do Rochedo» do tanguero Carlos Barbosa de Oliveira foi aberta uma discussão sobre a reportagem televisiva do fenómeno «Tony Carreira». Há quem goste, há quem não goste mas… o mais importante é que ninguém consegue ficar indiferente.

Tony CarreiraO percurso do cantor Tony Carreira desde a sua aldeia na Beira Interior até ao Pavilhão Atlântico, passando pelo Olympia de Paris e pelos Coliseus de Lisboa e do Porto já não consegue deixar ninguém indiferente.
Com tudo o que isso significa não tenho qualquer prurido em considerá-lo no panorama português ao nível de Julio Eglesias em Espanha e no Mundo.
Há quem goste, há quem não goste mas já ninguém consegue ficar indiferente. Nem os homens que têm de conviver com as fotografias do cantor da guitarra que as suas mulheres espalham pelas molduras e paredes lá de casa.
Vem isto a propósito do artigo no «Crónicas do Rochedo» sobre a reportagem televisiva que passou esta quarta-feira, na RTP1, sobre o percurso profissional do cantor que nos autógrafos que dá aos fãs assina como Tony Carreira.
Até eu já meti a minha colherada…
Podem espreitar… aqui e aqui.
jcl

A empresa Águas do Zêzere e Côa (AZC) aposta na produção de energia eléctrica através de painéis solares instalados nos seus imóveis, esperando depois comercializá-la. O mesmo se passa em relação a particulares da Beira Interior, que vêm neste processo uma importante fonte de receitas.

Painéis solares nos telhadosA AZC apresentou 53 dos 65 projectos de microprodução de energia, candidatados pela Agência Regional de Energia e Ambiente do Interior (EnerArea) e aprovados pela Direcção-Geral de Energia e Geologia. Os restantes são projectos de microprodução domésticos.
A forte rendibilidade dos projectos, com um retorno de investimento a ser possível ao fim do sexto ano de instalação, tem levado empresas e particulares a apresentar projectos neste âmbito. As candidaturas estão abertas a empresas, particulares (proprietários de casas) ou condomínios (no caso de imóveis de propriedade horizontal).
A EnerArea foi criada no âmbito da Associação de Municípios da Cova da Beira (AMCB) para gerir processos nas áreas das energias e ambiente. Na sua actividade tem verificado uma forte adesão à produção de energias renováveis, havendo cada vez mais pessoas interessadas.
Para os responsáveis pelo processo os benefícios ambientais e a rendibilidade do investimento são os principais atractivos. O investimento por instalação ronda os 22 mil e 500 euros. Por sua vez o custo da electricidade que consumimos é de 11 cêntimos por kWh, enquanto que a vendida à rede eléctrica é paga a 65 cêntimos, facto que explica a forte adesão ao processo. O acerto de contas, entre o deve e o haver, é feito na factura da electricidade e a diferença depositada na conta bancária do produtor/consumidor de energia.
plb

«Um raminho! Dois raminhos! Três raminhos!» Foi em forma de verso espontâneo que o escritor Manuel Leal Freire, natural da Bismula, saudou os presentes no Auditório Municipal do Sabugal. Misturando o discurso fácil com o fácil versejar a sua intervenção histórica foi outro dos momentos altos das comemorações. O politólogo Manuel Meirinho falou de custos e oportunidades no Sabugal de hoje.

Manuel Leal Freire e Manuel MeirinhoA saudação veio ao jeito de folclore ribacodano porque no sentir de Manuel Leal Freire o raiano tem uma noção maior da Humanidade.
«Um raminho! Dois raminhos! Três raminhos / A minha voz vai soar / por cima da rosa dos ventos / Um raminho! Dois raminhos! Três raminhos!»
Feita a saudação ficou estabelecida uma antecâmara para aquilo que disse de seguida um dos maiores escritores raianos apoiado numa espécie de título por si criado «A Beira raiana, a família, a grei e a crença».
«Na Ruvina os padres apregavam a carta e guia de casados de Francisco Manuel de Melo. Havia os três casamentos: de Deus, do diabo e da morte.
O amor para ser amor tem que durar a vida inteira. Quem amou uma segunda vez é porque não amou da primeira», sentenciou Leal Freire. Continuando…
«A família era, nesse tempo, o esteio. A educação começava muito antes do nascimento do filho. A Ruvina, terra de onde é natural o nosso homenageado de hoje, foi sempre uma terra merecedora das graças de Deus. Joaquim Manuel Correia teve um um tio padre que iniciou a sua formação intelectual. A Igreja não se limitava a ensinar as verdades da fé porque até 1950 a escola não tinha uma função muito efectiva. Havia escola, às vezes em casas particulares, mas nem toda a gente a frequentava. Para aprender a ler e a escrever era necessário ir à catequese. O padre ensinava o trívio (gramática, retórica e dialéctica) e o quadrívio (aritmétical, música, geometria e astronomia) o conjunto das artes liberais. Havia um papel formativo (não digo repressivo) sobre os indivíduos.
Nesse tempo, início do século XX, havia muito solidariedade entre as pessoas. Ardia uma meda e todos colaboravam, havia as irmandades e as confrarias que colocavam fundos à disposição dos irmãos porque nesse tempo não havia bancos.»
E terminou com ideias-chave declamadas em frases soltas:
«Há uma força que nos impele. O povo somos nós todos. Os mortes governam os vivos. A história é mesmo isto. Pela história se constrói o futuro. Com a memória dos mortos que é lição para os vivos.»
Outro dos participantes na palestra foi o politólogo soitense Manuel Meirinho que abordou e analisou o «Sabugal de Hoje» e a vertente da Interioridade.
«Vamos falar de modelos de desenvolvimento para o Sabugal que, na minha opinião, não carrega nenhum fardo específico da Interioridade.
No ponto 1, o Modelo estrutural de desenvolvimento analisamos os modelos dos grandes eixos de desenvolvimento entendendo o País numa linha de três eixos.
Os indicadores sociais indicam que à data do nascimento de Joaquim Manuel Correia havia cerca de 12 mil residentes, ou seja, praticamente a mesma população que existe actualmente. Em 1960 atinge um pico de 36 mil habitantes altura em que se inicia a emigração, principalmente para França.
A questão de fundo ou, se preferirmos, o problema de fundo sobre como devemos encarar o problema da desertificação? Se é uma ameaça ou uma oportunidade? Tem uma resposta simples mais complexa. Este problema é uma oportunidade que temos de saber aproveitar.
1.º Comemoramos os 150 anos do nascimento de Joaquim Manuel Correia. Hoje é um tempo novo. O grande desafio é o tempo novo. A oportunidade reside na diferenciação, ou seja, criar um produto novo para um tempo novo com gestão de médio e longo prazo. Aqui o papel  central passa pelo Governo local, pelos autarcas regionais.
Nos municípios das grandes urbes há uma grande pressão imediatista que não acontece no Interior. É uma vantagem. Os políticos podem decidir com políticas que não obrigam a resultados imediatos.
O que não desertifica são os recursos físicos, materiais e sociais que têm que ser aproveitados para fazer a diferença. Não é possível contrariar os capitais móveis, ou seja, as pessoas. É fundamental valorizar o que temos físico. É fundamental apostar e promover os recursos naturais. Esses não migraram. Estão cá e tem cada vez mais qualidade.
O nosso grande desafio é aproveitar e promover os produtos do Sabugal. Recompor, modernizar e reposicionar o produto regional raiano.»
Mais uma abordagem especializada ao problema da desertificação e da Interioridade, desta feita, pelo politólogo Manuel Meirinho.
(continua)
jcl

A definição de uma estratégia de desenvolvimento do Concelho é uma tarefa colectiva, para a qual todos temos o dever de contribuir.

Ramiro Matos – «Sabugal Melhor»Após algumas crónicas de enquadramento, inicio hoje a apresentação de um conjunto muito restrito de projectos essenciais para a concretização de uma estratégia de desenvolvimento do Concelho do Sabugal.
E começo, de acordo com o que já tinha afirmado, por projectos que visam a promoção da qualificação dos cidadãos.
Compreenderão que não me irei alongar na caracterização de cada projecto, até porque considero que a denominação dos mesmos e a sua importância são claramente entendíveis e, quase sempre, consensuais.
São projectos que obrigam os eleitos locais a adoptarem novas atitudes, e impõem o estabelecimento de parcerias envolvendo as Administrações Local e Central, as Escolas e os diferentes parceiros privados.
Eis então os projectos:
1. Programa de Alfabetização de Adultos, tendo como meta a alfabetização da totalidade da população do Concelho.
2. Programa de aumento dos níveis de escolaridade, tendo como meta que todos os residentes no Concelho com idade inferior a 50 anos possuam, pelo menos, o 9º ano de escolaridade e que todos os residentes com idade inferior a 40 anos possuam o 12º ano.
3. Programa de Alfabetização em Tecnologias Informáticas, tendo como meta que todos os alunos das Escolas do Concelho possuam o Diploma de Competências Básicas em Tecnologias da Informação, e que toda a população activa possua idêntica certificação.
4. Programa de Especialização Tecnológica, tendo como meta criar, em parceria com as Instituições Universitárias e Politécnicas da Guarda, Covilhã e Castelo Branco, a Escola Secundária do Sabugal e o sector empresarial um Centro de Formação de Excelência supra-municipal, visando a aquisição do nível 4 de formação profissional e técnica pós-secundária, e ministrando Cursos de Especialização Tecnológica.
5. Programa Carta Educativa, tendo como meta a construção dos Centros Educativos definidos.
6. Programa «Ensino da Língua Espanhola», tendo como meta a adopção em todas as escolas do Concelho do ensino da língua espanhola visando reforçar as ligações culturais, sociais e económicas transfronetiriças.
7. Programa «Centro de Ciência Viva», tendo como meta a criação de um Centro de Ciência Viva no Concelho do Sabugal.
8. Programa «Fixação de Professores», tendo como meta a criação de condições sócias e económicas para a fixação de professores no Concelho.
9. Programa «O Empreendedorismo na Escola», tendo como meta criar um espírito empreendedor nos jovens, e criando condições de apoio à concretização de projectos de investimento.
10. Programa «Formação Contínua», tendo como meta o apoio à aprendizagem ao longo da vida da população em geral e da população activa em particular.
«Sabugal Melhor», opinião de Ramiro Matos

ramiro.matos@netcabo.pt

Os atletas sabugalenses Vitor Silva e Diogo Rafael, ambos da Escola de Karaté do Sabugal, conseguiram boas prestações no 10.º Campeonato Nacional da modalidade em camadas jovens, realizado na cidade de Almada.

KarateRealizou-se nos dias 19 e 20 deste mês na cidade de Almada, o 10.º Campeonato Nacional Pré-Infantil, Iniciado e Juvenil, uma organização de Federação Nacional de Karate-Portugal.
A Academia Egitaniense de Karate Shotokan (AEKS) esteve presente com vários atletas de várias Escolas de Karate do nosso distrito, que conseguiram o apuramento para esta competição no Campeonato Regional Centro/Norte realizado na cidade do Sabugal.
A Academia Egitaniense de Karate Shotokan, onde actualmente a Escola Karate do Sabugal está filiada conseguiu vários lugares de pódio.
Rita Morgado, atleta da selecção Nacional de Karate e da Escola Karate da Guarda, consagrou-se Campeã Nacional de Karate, repetindo o feito da época passada.
Bruno Monteiro, atleta da Escola Karate da Guarda, também conseguiu alcançar o 2.º lugar em Kumite (combate), iniciado -50Kg, assim se sagrando Vice-Campeão Nacional de Karate.
Ana Tavares, atleta da Escola Karate da Guarda classificou-se em 3.º lugar na prova de kata.
Vítor Silva e Diogo Rafael, ambos da Escola Karate do Sabugal tiveram boas prestações e representaram com grande valor a sua Escola.
plb

O Capeia Arraiana publica um documento assinado por Maria Benedita Rito Dias, Presidente da Direcção dos Bombeiros Voluntários do Soito contestando a atitude da Junta de Freguesia local em relação à associação de que é dirigente.

Maria Benedita Rito Dias«O desenvolvimento do Concelho e especialmente da nossa Freguesia, Soito, é uma tarefa colectiva para a qual todos temos o dever de contribuir. Para tal é necessário que quem assume cargos de decisão, cumpra.
Ora bem, tal não se verificou na Junta de Freguesia do Soito, que não deu resposta a um pedido dos Bombeiros Voluntários local e não cumpriu os prazos de resposta perdendo-se assim um concurso de milhares de euros para os Bombeiros, do Quadro de Referência Estratégica Nacional (QREN).
A própria Senhora Governadora Civil da Guarda apelou a todas as Instituições para concorrerem e para dinamizar projectos. Foios, Vale das Éguas, a Câmara, etc., concorreram, mas como a Junta de Freguesia do Soito deve ser muito rica e não necessita de novos projectos deixou ultrapassar os prazos e perdeu-se mais um beneficio. É só mais um.
Para entrar com um projecto e concorrer ao QREN, no dia 12 de Novembro de 2007, a Direcção dos Bombeiros Voluntário do Soito fez um pedido por correio com aviso de recepção, à Junta de Freguesia cessante, para cedência de um pedaço de terreno nas Eiras para alargamento e construção de garagens e até agora não houve resposta, (o prazo do QREN terminou).
No dia 24 de Março de 2008 foi renovado o pedido à nova Junta de Freguesia, entregue em mão própria pela Presidente e Comandante e seus respectivos Adjuntos, na Junta, na presença de todos os Elementos da Junta de Freguesia, com o carácter de urgência, o prazo estava a terminar e estaria em risco a perca de milhares de euros para os Bombeiros Voluntários e Freguesia. Até agora a resposta não chegou e o projecto foi por água abaixo.
Acredito que, se o assunto fosse levado à Assembleia, ninguém teria a coragem de votar contra, mas o Senhor Presidente da Assembleia, Sr. Henrique entendeu não marcar nem levar esta proposta às reuniões atempadamente, pois para ele de certo não seria importante. Porquê?
É evidente que a Junta só executa assuntos levados pelo Presidente da Assembleia e por sua vez entregues ao Sr. Presidente da Junta, (no entanto, o Sr. Presidente da Junta, Sr. Matias, disse à Sra. Presidente dos Bombeiros Voluntários do Soito que faria uma reunião extraordinária dia 7 ou 8 de Abril, onde está ela? Este também não cumpriu).
Também no dia 27 de Dezembro de 2007 a Presidente da Direcção dos Bombeiros do Soito pediu, presencialmente na sede da Junta, uma fotocópia da acta de 26 de Março de 2004 sendo na altura presidente o senhor João Calva. Logo ali foi informada pelos elementos da mesma que apesar de terem ido à procura do livro não o encontraram.
Ora se o Sr. Presidente da Assembleia, Sr. Henrique, não ligou nenhuma a um pedido com carácter de urgência, social e não político, o que é que este Senhor ali faz? Será que não quer o desenvolvimento da freguesia? Será que o poder lhe subiu à cabeça? Relembro que não foi eleito, mas escolhido, demonstrando incompetência no cumprimento de suas responsabilidades.
A questão aqui está em querer ou não o desenvolvimento, o progresso, o enriquecimento da freguesia.
O ex-autarca da Junta, senhor Rui Monteiro, era Presidente dos Bombeiros Voluntários e o actual Presidente da Assembleia é empregado dos Bombeiros Voluntários do Soito e a pergunta fica no ar: Porquê o poder político à frente dos assuntos sociais da Freguesia? Tomem como exemplo os vizinhos dos Foios. Um dia hão-de querer e nessa altura será tarde, tarde de mais…
Ninguém dá nada a ninguém e, sentado, aguardando a vinda do “Messias” que nos virá salvar da miséria, não resulta, importa trabalhar, cumprir prazos, ser responsável nos cargos que desempenham, caso contrario não os aceitem.
Devemos aproveitar as oportunidades, transformando-nos em pró activos e não em reactivos, como é o estado actual do Sr. Presidente da Assembleia da Junta Sr. Henrique.
O Soito perdeu milhares de euros e a responsabilidade neste momento só cabe a ele que prometeu dar uma resposta e não cumpriu.
No dia 24 de Março realizou-se uma reunião (dita de carácter urgente), com um ponto único, a entrada do Soito numa Associação da Raia em Espanha. Seria mais importante para a Freguesia? Porque não se juntou o ponto dos Bombeiros Voluntários do Soito na ordem de trabalhos? Porquê fazer reuniões só com pontos únicos? Não terá o Sr. Presidente da Assembleia capacidade para mais?
Esta, era a última oportunidade do ano 2007, que não aproveitámos. Deixámos de aplicar o dinheiro em acções que perdurarão para muito tempo.
No dia 2 de Abril realizou-se mais uma Assembleia Municipal novamente apenas com um ponto único (apresentação das contas de 2007) e mais uma vez não foi incluido o assunto há muito solicitado pelos Bombeiros Voluntários do Soito.
Quando não queremos o que nos oferecem é porque somos abastados ou ignorantes.
De uma vez por todas, metam isto na cabeça: ”Isto é um assunto social e não político”.
Soito, 17 de Abril de 2008
A Presidente dos Bombeiros Voluntários do Soito
Prof. Maria Benedita Rito Dias»

Inicio esta crónica, com este legado histórico, escrito no local pelo nosso saudoso e grande escritor português, também amigo de Sortelha, gravada sobre uma folha de bronze e colocada no edifício da Escola desta bonita aldeia histórica.

Joaquim Ricardo («Ideias Soltas»)«Sortelha, 21 de Agosto de 1977 – O que mais me dói na pátria é não haver correspondência no espírito dos portugueses entre o seu passado e o seu presente. Cada monumento que o acaso preservou inteiro ou mutilado – castelo, pelourinho, igreja, solar ou simples fontanário – é para todos nós uma sobrevivência insólita, que teima em durar e em que ninguém se reconhece. Olhamos os testemunhos da nossa identidade como trastes velhos, sem préstimo, que apenas atravancam o quotidiano. Que memória individual ou colectiva se relembra nesta crónica ameada?» (Miguel Torga)

«O dia de Miguel Torga» – 12 de Agosto, lembrança do Professor José Cymbron, pretende celebrar, em várias partes do País, a data do seu nascimento, que este ano comemora 100 anos. E, no ano da inauguração deste evento caberá a esta jóia da beira organizar e receber todos os amigos do poeta.
A conversa, com o meu grande amigo de infância Luís Paulo na sua loja dedicada a produtos regionais, artesanato e velharias esteve animada e foi ocasião para reviver os anos de juventude onde recordamos os bailaricos ao som do acordeão manuseado habilmente pelo Sr. César, também ele natural de Sortelha ou pelo Sr. Agostinho, da Azenha. Mas, sem demora, o assunto da conversa alterou-se naturalmente e claro, como Presidente da Junta de Freguesia e grande dinamizador do turismo desta aldeia foi pouco a pouco (porque por aqui o tempo corre devagar) enumerando os principais projectos que tem em mente e dos problemas que assolam a sua freguesia.
A sede do extinguido concelho em 1855 – o de Sortelha – tem no turismo a sua principal actividade. Com efeito, a antiga vila fervilha de actividades ligadas ao turismo, sendo o artesanato, a restauração e o turismo de habitação as que mais se destacam. Aos fins-de-semana, em especial, os restaurantes e as lojas ligadas ao artesanato enchem-se de visitantes e a aldeia transforma-se em grande azáfama. Porém e como fez questão em destacar, é urgente a instalação de um posto de «Multibanco» pois por vezes não se faz negócio por falta de dinheiro vivo e o abastecimento deste precioso bem, fica a mais de 12 quilómetros, na sede do actual concelho, na cidade do Sabugal. Fizeram-se já algumas diligências junto de entidades financeiras instaladas na sede do concelho, mas até agora resultaram infrutíferas.
A conversa estava animada mas de repente, com uma alegria contagiante estampada no brilho dos seus olhos saltou do «mocho» onde se encontrava sentado para me dizer que no próximo dia 5 de Julho irá realizar-se naquela vila e no percurso que a liga à Estrada Nacional, Sabugal-Caria, uma corrida de carros da marca «Porsche» e em Setembro haverá uma concentração nacional também daquela prestigiada marca automóvel.
Por outro lado e como é do conhecimento geral, Sortelha faz parte das doze aldeias históricas de Portugal, única escolhida no concelho de que faz parte, posicionando-se num honroso segundo lugar do conjunto destas aldeias, em número de visitantes, contando-se no ano transacto com mais de 80 000. Este conjunto de aldeias constituíram-se em associação, tendo sede móvel, cabendo a Castelo Rodrigo a inauguração dessa rotatividade.
Aldeia Histórica de SortelhaApesar da aldeia ser líder na actividade turística sofre como as demais do concelho do problema da falta de ligação aos principais eixos rodoviários. A ligação à A23, em via rápida, ao território do concelho, num traçado que teria início em Caria e daí em direcção à fronteira de Vilar Formoso, passando junto às localidades de Casteleiro, Santo Estêvão e sede do concelho iria potenciar o desenvolvimento destas aldeias e o turismo de Sortelha. A ligação que se encontra projectada pouco irá beneficiar a maior parte do concelho e a sua concretização será difícil já que envolve outra entidade (Câmara de Belmonte), que suportarão custos no seu território e nada irão beneficiar com esse traçado. Por outro lado (pasme-se!) para quem vem na A23, não tem qualquer placa indicativa da aldeia histórica mais visitada de Portugal? Têm-se feito algumas diligências para colocar sinalização adequada mas esbarra-se na teia burocrática das entidades competentes. Mas a luta vai continuar?
As já célebres «Águas Radium» e os seus cerca de 30 hectares de terras circundantes, em ruínas desde que abandonadas pelos antigos proprietários ingleses que as deixaram vender em leilão, por «tota-e-meia» continuam à espera de investidor abastado para ali fazer algo que traga à região os tão desejados postos de trabalho. Fala-se agora de um grupo de chineses que estará interessado naquele local para ali instalar um grande negócio – não se sabe ainda qual?
Por último falou-se da desertificação já que esta Aldeia não foge ao problema geral que afecta todo o concelho e também a região. É um problema cuja resolução, passará por um esforço nacional na tomada de politicas que visem minorar o problema e não agravá-lo. Concordámos ambos que muitos dos seus habitantes que deixaram estas terras em busca de melhores condições de vida, rumo à Europa, principalmente França e Alemanha ou rumo ao litoral português, principalmente Lisboa, agora reformados, facilmente regressariam às suas origens se o sector da saúde fosse eficiente, pois o que principalmente prende ainda aos locais de acolhimento é o sistema de saúde. Se nas suas terras de origem tivessem disponíveis os mesmos serviços regressariam certamente e então povoariam novamente as nossas aldeias e o comércio e a indústria regressariam também em força. Temos assistido ultimamente ao desmantelamento das poucas e precárias unidades de saúde existentes e em troca o governo oferece às empresas que aqui se instalam, benefícios fiscais que se traduzem na redução da taxa de IRC, isto é. Tiram-nos o pouco de bom que tínhamos e para nos calarem adoçam-nos a boca com benefícios fiscais? Política errada! Ao invés se criassem condições óptimas nos cuidados de saúde, muitos dos seus habitantes regressariam às suas terras de origem e as empresas instalar-se-iam na mesma pois os benefícios fiscais concedidos não resultaram pois não são determinantes! Afinal onde se instalaram recentemente grandes empresas multinacionais, como é o caso da IKEA e outras?
Por tudo quanto foi dito, conclui-se que Sortelha está viva e recomenda-se a sua visita. É a rainha do turismo concelhio e das aldeias históricas portuguesas merecendo, portanto, toda a atenção dos responsáveis autárquicos que deverão investir os adequados recursos financeiros para melhorar a qualidade do serviço prestado pelo sector comercial local, através da promoção de cursos de formação e o desbloqueamento de algumas burocracias conducentes à instalação de adequados meios de pagamento, como é o caso do Multibanco. Por outro lado, as grandes vias rodoviárias, passam-lhe longe e no local mais próximo que é Caria, nem sequer existe sinalização adequada indicando a sua direcção, pelo que não será difícil a autarquia conseguir-lhe também esta benesse, ajudando a desbloquear os obstáculos burocráticos? Por último e globalmente, a autarquia deverá sensibilizar o governo central para garantir a qualidade nos cuidados de saúde no concelho, tendo em vista o regresso de antigos residentes e combater, assim, o fenómeno da desertificação.
«Ideias Soltas», opinião de Joaquim Ricardo

dr_jfricardo@hotmail.com

O arcebispo de Évora, D. José Alves, abriu e encerrou uma jornada histórico-teológica, em 18 de Abril, realizada no âmbito das comemorações dos 700 anos da dedicação da Sé de Évora.

Arcebispo de ÉvoraO Programa das Comemorações dos 700 anos da dedicação da Sé de Évora ocupa todo o ano 2008 com um conjunto de eventos, que acompanham os principais momentos do tempo litúrgico e festas marianas, sendo ainda editadas algumas publicações. Tudo contribuirá para um melhor conhecimento da catedral e da sua influência na sociedade e na comunidade cristã.
Do vasto programa desta-se a jornada histórico-teológica, organizada pelo Cabido em colaboração com a Universidade Católica Portuguesa. A mesma teve lugar na sexta-feira, dia 18 de Abril, no Fórum da Fundação Eugénio de Almeida, associada às comemorações do Dia Internacional dos Monumentos e Sítios, que se assinalou nessa data.
A manhã foi dedicada ao tema «A Catedral de Évora, sinal da unidade da Igreja Pastoral». A abertura dos trabalhos esteve a cargo do Arcebispo de Évora, o sabugalense D. José Alves, que falou da importância da reflexão em torno do papel da Sé Catedral. Coube depois a D. Carlos Azevedo, bispo auxiliar de Lisboa, falar sobre «A Catedral, expressão histórica do magistério e do exercício pastoral». Seguiu-se um painel sobre «A Catedral – Igreja-Mãe da Diocese», moderado por D. Carlos Azevedo, e em que interviriam: D. Manuel Madureira Dias (bispo emérito do Algarve), Silvestre António Ourives Marques e Francisco Senra Coelho.
De tarde, o tema de reflexão foi «A Catedral de Évora, sinal do magistério e do governo do pastor», tendo participado D. Manuel Clemente, bispo do Porto, que moderou um painel constituído por Virgolino Ferreira Jorge, Hermínia Vilar, José Pedro Paiva e António Matos Ferreira.
Pelas 18 horas D. José Alves voltou a intervir para encerrar a Jornada, com a presença da Secretária de Estado da Cultura, Paula Fernandes dos Santos. O bispo raiano, natural da Lageosa, apelou a uma maior atenção do Governo para com a Igreja, nomeadamente na área da cultura. «Uma das áreas de coincidência entre o Estado e a Igreja é a do Património, que pretendemos preservar e valorizar, tendo em conta a função e as motivações que lhe deram origem», disse o prelado.
D. José Alves, falando para a representante do Governo, disse que o aspecto cultural do património da Igreja nunca pode ser esquecido, pelo que a Igreja, em particular a arquidiocese de Évora está aberta para o estabelecimento de parcerias que salvaguardem o valor desse mesmo património. «Évora é muito rica em património religioso, pelo que esperamos uma atenção da sua parte», terminou D. José, dirigindo-se à governante.

Capeia Arraiana acompanhou em Évora esta Jornada cultural, aproveitando para estar à fala com D. José Alves (entrevista a publicar em breve) e ao qual foi entregue um convite da Casa do Concelho do Sabugal para a Capeiaa Arraiana que se realiza em Lisboa no Campo Pequeno, no próximo dia 31 de Maio.
plb e jcl

O mestre Pinharanda Gomes, filósofo e pensador, que mantém aqui no Capeia Arraiana uma crónica semanal denominada «Carta Dominical» dispensa apresentações. Natural de Quadrazais, no concelho do Sabugal, é um dos expoentes vivos da cultura portuguesa.

Jesué Pinharanda Gomes«Na casa de minha tia na Guarda havia livros socialistas e republicanos» esclareceu no início da conversa no Auditório Municipal, o palestrante Jesué Pinharanda Gomes.
E sem mais interrupções passamos ao discurso directo…
«Em casa dos meus primos Bigotte havia três livros. Foram os primeiros três livros que eu li na minha vida. Um era o «Terras de Ribacôa – Memórias do Concelho do Sabugal» que tinha anotações na edição final, o segundo era «Maria Mim», de Nuno de Montemor – na Guarda faziam a diferença entre o capelão e o escritor – e o terceiro «A Rosa da Montanha», de António José de Carvalho, que foi dedicada à minha tia Bigotte.
Pouco dado às ficções (a maior ficção é a vida real) interessei-me muito mais pelas «Memória do Concelho do Sabugal», de Joaquim Manuel Correia.
«As Memórias» tiveram uma grande influência na minha pessoa. Dei-me conta que as coisas que eu sabia da minha terra, de as ouvir, de as ver, estavam no livro.
Fiz a minha primeira tentativa como escritor aos 11 anos. Foi a «Monografia da aldeia de Quadrazais». Seguiram-se as «Práticas de Etnografia» (1966) e «Memórias da Ribacôa e da Riba-Serra».
Em 1964-65 desenvolvi contactos por correspondência para o dicionário de escritores do distrito da Guarda. A lista telefónica é (era) um excelente elemento de estudo geneológico.
Contactei Fernando Correia, filho de Joaquim Manuel Correia, e este fez-me a revelação da existência do manuscrito do romance «Celestina» e deu-mo a ler. Em finais de 1965 fiquei mais longe de Lisboa e só voltei a ouvir falar de Fernando Correia em 1966 aquando do seu falecimento.
Foi um projecto meu que eu não consegui concretizar. Mas a prova de que eu devolvi o manuscrito está aqui hoje. (sorrisos da assistência).
Joaquim Manuel Correia nasceu numa época em que pertenciamos à diocese de Pinhel que teve quatro bispos mas nenhum lá viveu.
Como não havia seminário menor na diocese funcionava em Vale de Espinho, junto do pároco, o verdadeiro seminário onde os rapazes da aldeia aprendiam. Dá-se o primeiro contacto de Joaquim com o padre Morcela de Vale de Espinho.
António Mendes Belo criou um curso de hermenêutica e era o reitor do seminário de Pinhel quando o nosso homenageado de hoje que por lá passou. António Mendes Belo foi posteriormente nomeado cardeal-patriarca.
É a época em que se deram as aparições de Fátima – reconheço que sou um apaixonado de Fátima – porque mesmo sendo  mentira eu acreditava em Fátima. Como terá sido a reacção de Joaquim Manuel Correia em 1917 às aparições de Coimbra? Era estudante em Coimbra na Universidade de Direito num momento em que se aprofundaram as influências do positivismo jurídico que abriu as portas ao republicanismo. A semente do republicanismo foi lançada nesse tempo em Coimbra. A imagem da República é uma mulher. A pátria, como mátria, como mãe.
A sua obra é apenas etnográfica ou é algo mais? Mesmo na Igreja a teologia tinha sido substituída pela sociologia. A estrutura mental da obra de Joaquim Manuel Correia é uma estrutura de uma antropologia sociológica porque ele assume não apenas os dados do folclórico mas tudo quando anda á volta da vida dos povos. As lendas, os adágios, os modos de falar e vestir. É um verdadeiro ensaio de antropologia sociológica aplicada ao concelho do Sabugal.
O que mais releva nesta obra dele é a etnolinguística que se percebe transferida da linguagem popular para uma linguagem literária.
Por essa altura já estava grávido da «Rosa da Montanha» e gostei ainda mais do «Celestina». A Serra da Malcata e a Marvana que foi refúgio dos revoltosos espanhóis. Destaco o capítulo 55 sobre a romaria da Senhora da Póvoa. É para mim o mais bonito.
O episódio que retrata Joaquim Correia não tem a sentimentalidade que Nuno Montemor transmitia. O autor ruvinense era mais disciplinado. Retrata a importância da Senhora da Póvoa. Viva a Velha! Viva a Nova!
A ponte do Sabugal era um símbolo. A passagem da ponte era um símbolo. A simbologia da ponte dava um congresso.
A obra de Joaquim Manuel Correia está disponível para fazer a ponte e a transposição para os tempos modernos. Nós, de Ribacôa, talvez deixássemos de ser aquilo que sempre fomos: una hermandad.»
Final da intervenção de Jesué Pinharanda Gomes.
(continua)
jcl

O Dia da Terra, idealizado por Gaylord Nelson, celebra-se hoje, 22 de Abril, em todo o Mundo. O motor de busca Google apresenta uma criação artística e numa atitude muito rara, ou mesmo inédita, em 85 anos de existência a revista «Time» modificou esta semana o seu cabeçalho de vermelho para verde.

Capa da revista Time

Google

O Dia da Terra foi criado em 1970 por Gaylord Nelson, um activista norte-americano que organizou o primeiro protesto contra a poluição. A sua iniciativa acabou por levar à fundação da Agência de Protecção Ambiental dos Estados Unidos.
O planetário motor de busca «Google» apresenta a sua denominação na página web com uma criação artística que inclui uma floresta estilizada de onde jorra água em forma de ribeiro cristalino.
A revista «Time» (provavelmente a melhor news magazine do Mundo) está a comemorar 85 anos de publicação e, no seu portal na web, pede aos leitores que elejam a melhor capa de todos os tempos.
Ao mesmo tempo concebeu, esta semana, uma capa histórica aproveitando o simbolismo da foto dos soldados americanos erguendo a bandeira em Iwo Jima, na Segunda Guerra Mundial. Numa atitude inédita o pormaior está na alteração da cor de vermelho para verde da palavra «Time».
A edição é dedicada ao «aquecimento global – o nosso próximo inimigo na grande guerra em que temos que nos alistar todos», porque o Planeta precisa de nós.
jcl

Os painéis moderados pelo vereador António Robalo contaram com ilustres convidados sabugalenses da área da cultura e da história. O filósofo e pensador mestre Pinharanda Gomes, o professor e historiador Adérito Tavares, o escritor e poeta Leal Freire, o professor e historiador João Serra e o politólogo Manuel Meirinho.

João SerraO vereador António Robalo, natural e residente na Ruvina, abriu a palestra agradecendo à família de Joaquim Manuel Correia e a todos os participantes pela sua presença e fez a introdução ao primeiro palestrante o professor e historiador João Serra. Passamos ao resumo da sua intervenção:
«A vida de Joaquim Manuel Correia está dividida em duas partes» começou por dizer João Serra separando «uma parte entre 1858 e 1905 em que a vida se processa entre o Sabugal, Guarda e Coimbra e uma segunda metade 1905-1945 que decorre basicamente nas Caldas da Rainha e Óbidos. Peniche onde viveu entre 1888 e 89 mudou a história da sua vida. Aqui conheceu a sua mulher mas tiveram que ir viver para a Columbeira, Bombarral quando o sogro, médico, morreu.
Por essa altura deve ter conhecido os irmãos Bordalo Pinheiro. Um grupo de rendilheiras (renda de bilros) de Peniche eram orientadas por Augusta Bordalo Pinheiro e na edição da obra do escritor sabugalense encontramos um desenho que representa o escritor (com a nota «precisa de ser melhorado») feito por Rafael Bordalo Pinheiro e datado de 26-9-1889.
Entre 1905 e 1945, Joaquim Manuel Correia estabeleceu-se nas Caldas da Rainha, na Praça Maria Pia, (Praça da República depois de 1910) e passou a residir na Rua Nova que foi rebaptizada de Rua Rafael Bordalo Pinheiro. Tinha um percurso intelectual e percebeu-se, localmente, que não era uma pessoa qualquer. Em 1907 o Partido Republicano das Caldas convidou-o para uma paletra que teve um enorme êxito e em Novembro de 1908 o partido convidou-o a encabeçar a lista à Câmara.
Foi Presidente da Comissão Republicana e o primeiro presidente republicano das Caldas da Rainha e administrador do concelho (representante do Governo).
Dois momentos marcantes – No dia 7 de Outubro de 1910 dirige-se a todos os habitantes do concelho para que colaborem na concretização da implantação da nova ordem, a República Portuguesa, proclamando o fim da monarquia e aclamando o progresso de um novo regime assente na razão e nos operários da razão que são capaz de ir além da religião porque é necessário separar o Estado da religião.
Um levantamento popular invade o convento franciscano e dá ordem prisão dos frades. Considerou, como administrador do concelho, não haver justificação e devolve aos frades as suas terras o que lhe causa alguns dissabores no partido republicano. Na sequência de um conflito entre o professor e o padre na freguesia de Santa Catarina o edifício público da escola foi apedrejado. Outubro era o mês do rosário e o início do ano lectivo. O administrador do concelho, Joaquim Manuel Correia, foi chamado a intervir e fez então um apelo histórico: todos têm direito à sua fé mas o fanatismo é prejudicial à estabilidade social.
Um depois demitiu-se e não mais regressou à vida política activa.
Foi fundador da «Gazeta das Caldas» e fez parte da rede de sábios dos finais do séc. XIX e princípios do séc. XX. A acumulação de saberes locais levou a proferir um dia uma frase lapidar. «A unidade de Portugal é feita de enorme riqueza de diversidades regionais.»
(continua)
jcl

As Termas do Cró estão autorizadas a funcionar por despacho da ministra da Saúde, Ana Jorge, que reconheceu às águas do Cró qualidades terapêuticas.

Termas do Cró (Sabugal)O Ministério da Saúde reconheceu às águas do Cró, no concelho do Sabugal, qualidades terapêuticas para tratamento de doenças do aparelho respiratório, reumáticas e musculo-esqueléticas.
O despacho que legaliza a qualidade termal do Cró foi assinado pela ministra da Saúde, Ana Jorge, no dia 3 de Março e publicado a 18 no «Diário da República».
A Câmara Municipal do Sabugal realizou um estudo médico-hidrológico que foi submetido e aprovado pela Comissão de Avaliação Técnica que por sua vez o propôs à Direcção-Geral de Saúde para ratificação e envio para autorização ministerial.
As obras de requalificação das Termas do Cró inseridas no Plano de Intervenção Global são uma das grandes apostas da gestão autárquica do presidente Manuel Rito.
Numa primeira fase ficaram concluídas as obras de integração paisagística como infra-estruturas e redes de abastecimento de electricidade, água e saneamento, telecomunicações, vias urbanas, passeios e estacionamentos.
Em declarações à Rádio Altitude o presidente sabugalense, Manuel Rito, considerou que «a procura tem sido superior à oferta estando a Câmara a equacionar a hipótese de alargar o balneário principal».
No início de 2008 foi lançado o concurso público para projectar e construir o balneário termal do Cró que permitirá, finalmente, a utilização do complexo que tem servido de bandeira eleitoral a muitos candidatos à presidência da Câmara Municipal do Sabugal.
No mesmo processo de aprovação das águas termais do Cró, no concelho do Sabugal, foram ainda aprovadas as águas termais da Fonte Santa, em Almeida e de Longroiva, na Mêda.

Mas a maximização e optimização do investimento deverá passar por parcerias com privados especializados em termas, saúde e turismo.
jcl

As comemorações dos 150 anos do nascimento de Joaquim Manuel Correia organizadas pela Câmara Municipal do Sabugal e a empresa municipal Sabugal+ em colaboração com a família do autor arrancaram no dia 5 de Abril no Auditório Municipal do Sabugal com uma palestra e o lançamento editorial do romance inédito «Celestina» escrito em 1904. Completa-se assim a triologia de romances raianos, escritos nos finais do séc. XIX e princípios do séc. XX e que inclue a «Rosa da Montanha», de António José de Carvalho (1871) e «Maria Mim», de Nuno de Montemor, publicado em 1939.

Familia de Joaquim Manuel CorreiaAs comemorações dos 150 anos do nascimento de Joaquim Manuel Correia no dia 5 de Abril, no Auditório Municipal do Sabugal, foram abertas por Norberto Manso, presidente da Sabugal+ que deu as boas-vindas a todos os presentes.
«Estamos aqui para recordar o homem, a obra e alguns aspectos da vida do homenageado. Vamos ouvir durante a manhã as intervenções dos ilustres palestrantes convidados aos quais aproveito para agradecer a sua disponibilidade e na parte da tarde estamos todos convidados para o lançamento da edição do livro Celestina, um romance inédito de Joaquim Manuel Correia», salientou Norberto Manso no seu discurso de abertura finalizando com a apresentação da neta do autor, Natália Correia Guedes, a quem deu a palavra.
«É um dia muito importante para a família. A figura do meu avô não teria tido relevo se o seu filho Fernando Correia não tivesse contribuído para isso. A família sente-se muito honrada com a homenagem que a Câmara Municipal do Sabugal, a quem saudo na pessoa do seu presidente, lhe faz», começou por dizer Natália Correia Guedes recordando de seguida o percurso da família e do avô que «tinha paixão pela Ruvina, pelo Sabugal e de um modo geral pela Beira. Depois de se formar em Coimbra foi colocado no Litoral, em Peniche, teve uma breve estadia no Sabugal e voltou novamente ao Litoral para as Caldas da Rainha. Toda a minha vida houve um corte com o Sabugal. O regresso às origens deu-se agora com o regresso da família com o herdo da Quinta da Telhada na Ruvina. O meu avô emigrou para o Litoral e agora nós emigrámos para o Sabugal.»
A neta do escritor considerou ainda que a interioridade é qualidade de vida e descoberta para as novas gerações do prazer do campo. «As gerações urbanóides nunca ouviram matar um enxame de abelhas nem um javali bater à porta», poetizou.
«Felicito-vos por todos aqueles ficaram e que nos transmitem. Já começámos a recuperar as casas e os moinhos da quinta e tivemos o prazer de conhecer novos primos que não sabíamos que existiam. Queria agradecer em especial à Irmã Felicidade que nos recebeu no Colégio de Cristo-Rei, na Ruvina, como se fosse a nossa casa. É nosso desejo que actas desta conferência sejam publicadas em breve», disse a terminar.
O presidente da Câmara Municipal do Sabugal, Manuel Rito, tomou a palavra para dar as boas-vindas, em nome do município, a todos os prelectores e à família do homenageado.
– Um concelho sem história não pode ter futuro! Não há dúvida que o autor escreveu o livro das memórias para que o castelo e o Sabugal nunca fosse esquecido. Joaquim Manuel Correia amava o concelho e pretendia acima de tudo dá-lo a conhecer. Conheci «pessoalmente» o autor ruvinense no Liceu da Guarda pelo livro Terras de Ribacôa apesar de ser muito difícil de consultar porque estava esgotado em todo o lado. Recordo que em 1988 o município sabugalense reeditou o livro. Em boa-hora, acrescento!
O presidente aproveitou, ainda, para destacar o «seu» concelho…
– Há algum tempo atrás fiquei a saber de um romance sem título definitivo que falava sobre os usos e costumes da nossa região. A família mostrou a sua disponibilidade para conversar e estamos em condições de afirmar que, por protocolo, houve uma cedência dos direitos dos livros Terras de Ribacôa e de Celestina a favor do património municipal. O concelho do Sabugal sendo um concelho do Interior é esquecido porque não aparece nas televisões mas… somos um concelho com muita qualidade de vida.
O período introdutório das comemorações terminou, assim, com a intervenção de Manuel Rito Dias, presidente da Câmara Municipal do Sabugal.

(Continua.) (Este trabalho de reportagem, dividido em seis partes, obrigou a uma preparação cuidada e vai ser publicado por fases e de acordo com a disponibilidade temporal do autor. A sequência completa e seguida pode ser lida na categoria «Cultura» / «Joaquim Manuel Correia».)
jcl

O fadista Carlos do Carmo, nome prestigiado da canção nacional, vai actuar no Teatro Municipal da Guarda (TMG), com concerto a 25 de Abril, às 21h30, assinalando o terceiro aniversário da instituição.

Carlos do CarmoNo dia da Revolução dos Cravos Carlos do Carmo subirá ao palco do TMG, actuando no âmbito da evocação de três anos de existência do TMG, cuja actividade encheu de prestígio a cidade da Guarda.
No texto de divulgação do espectáculo do TMG, diz-se:
Falar de Carlos do Carmo é associar o seu nome ao que de mais genuíno e popular se canta nas ruas de Lisboa, quer seja um simples pregão de varina, um esvoaçar de gaivotas do Tejo ou uma festa popular com sardinha assada.
Na sua voz, andam também de mãos dadas a saudade, os amores não correspondidos, a solidão, a Primavera com andorinhas e os «putos» deste Portugal e ainda a esperança e o futuro.
Carlos do Carmo é acarinhado por um público que o respeita e estima, apreciando nele, além das suas qualidades de grande intérprete e comunicador, as de um homem interessado na evolução da música da sua terra, acreditando na evolução do homem na sua globalidade.
Os seus mais de um milhão de discos vendidos são prova inequívoca disso mesmo.
Carlos do Carmo é um dos artistas portugueses de maior prestígio internacional, tendo levado já o Fado aos quatro cantos do mundo. Recentemente, participou no filme «Fados», do realizador espanhol Carlos Saura, do qual foi também consultor. Por essa participação, recebeu um prestigiado galardão do cinema espanhol, o Prémio Goya de «Melhor Canção Original», para o tema «Fado da Saudade»
.
Carlos do Carmo será acompanhado no espectáculo do TMG por Ricardo Rocha na guitarra portuguesa, Fernando Araújo no baixo, José Maria Nóbrega e Carlos Manuel Proença na viola.
plb

A Câmara Municipal de Almeida pretende candidatar a vila histórica a Património da Humanidade, estando já a trabalhar no processo de candidatura, em conjunto com Valença e Elvas, também vilas de fronteira amuralhadas.

Almeida - Entrada da fortalezaFortaleza, baluartes, casamatas, casas apalaçadas, ruínas do antigo castelo, igrejas e capelas, são alguns exemplos do riquíssimo património da vila fronteiriça de Almeida, cujo município deseja ver classificado como Património da Humanidade. O processo está já a ser organizado, tendo sido constituído um grupo de trabalho, assessorado por um arquitecto, consultor da Fundação Calouste Gulbenkian.
Com Almeida também Elvas e Valença apostam em tornar-se Património da Humanidade, tratando-se de fortalezas raianas, onde impera a arquitectura abaluartada, cuja edificação se iniciou a seguir à Restauração. Em Almeida o traçado da fortaleza foi desenhado pelo engenheiro francês Antoine Deville e a sua construção foi dirigida pelo também francês Pedro Gilles. Foi com o recurso aos baluartes que a praça-forte enfrentou as incursões espanholas e tentou resistir às invasões napoleónicas.
O presidente da Câmara, Baptista Ribeiro está seguro que em dois anos a autarquia conseguirá concluir o processo e apresentar a candidatura.
Ainda dentro do esforço de afirmação de Almeida como fortaleza histórica a Câmara Municipal promove um conjunto de iniciativas de divulgação do seu património. Exemplo disso é a primeira visita guiada ao Património do Concelho de Almeida, no dia 24 de Abril, que para além da sede de concelho inclui ainda vistas a Malpartida, Vale de Coelha, Vale da Mula, Aldea del Obispo, S. Pedro do Rio Seco, Vilar Formoso, Naves e Junça.
plb

A Universidade da Beira Interior (UBI) está a desenvolver um modelo de cinta para grávidas que monitoriza os movimentos do feto.

Cinta para grávidasA investigação da UBI está a ser efectuada com o envolvimento do serviço de obstetrícia do Hospital da Covilhã e algumas empresas de base tecnológica que aderiram ao projecto.
Quatro investigadores estudam a criação de uma cinta, cujo tecido conterá alguns circuitos electrónicos que registarão as movimentações do feto e os batimentos cardíacos. Os dados registados serão guardados num cartão de memória, ficando disponíveis para análise por um médico. Os dados poderão ainda ser enviados por e-mail para o médico ou ser acedidos remotamente, através do sistema bluetoohth.
A cinta de monitorização terá a vantagem de permitir que a grávida faça as actividades normais, sem necessidade de uma constante observação médica.
Numa outra vertente a cinta pode também ser usada por doentes que tenham sofrido lesões que interesse manter sob vigilância, ou acompanhar na fase de reabilitação, para verificar se tudo corre normalmente.
O projecto de criação do vestuário inteligente está a ser financiado com fundos europeus, ainda com verbas do III Quadro Comunitário de Apoio. Existe a possibilidade de comercialização do vestuário, apostando-se na divulgação desta experiência na perspectiva de encontrar financiadores de uma futura produção voltada para o mercado.
plb

O «Cartão do Cidadão» já pode ser solicitado no concelho de Penamacor. O documento foi criado, há três anos, no âmbito do Simplex e reúne a identificação e informação até aqui incluída em cinco cartões.

Cartão do CidadãoOs munícipes de Penamacor já podem requerer na Conservatória local o «Cartão do Cidadão» concebido para facilitar a vida dos cidadãos.
O presidente da Câmara Municipal de Penamacor, Domingos Torrão, em declarações ao jornal «Reconquista» defendeu a aposta no Simplex que «simplifica a vida das populações ao mesmo tempo que abre as novas tecnologias a um contacto mais directo com os utilizadores dos serviços públicos».
Em Penamacor os funcionários públicos frequentaram um curso de formação específico de adaptação aos novos programas. No entanto há funcionalidades que ainda não estão disponíveis como a requesição de medicamentos ou a marcação de consultas no Centro de Saúde pela Internet, as informações sobre reformas ou a renovação da carta de condução.
O documento tem um formato smart card e é apelidado de «cinco em um» porque substitui os actuais bilhete de identidade, cartão de contribuinte, cartão de beneficiário da Segurança Social, cartão de eleitor e cartão de utente do Serviço Nacional de Saúde.
O cartão exibe na frente a fotografia e os elementos de identificação civil. No verso terá os números de identificação dos diferentes organismos cujos cartões agrega e substitui incluindo ainda uma zona de leitura óptica e o chip.
A leitura electrónica dos dados será feita com um chip de contacto, com certificados digitais (para autenticação e assinatura electrónica), podendo ainda ter a mesma informação do cartão físico como, por exemplo, a morada do titular.
jcl

O Grupo Territorial da GNR da Guarda efectuou durante a última semana cinco detenções por flagrante delito, num total de 46 ocorrências criminais, e tomou conhecimento de 29 acidentes de viação.

GNRSegundo nota à comunicação social pela corporação, das 46 ocorrências criminais destacam-se 10 crimes de ofensas à integridade física, três de condução sem habilitação legal, três de condução sob influência do álcool, dois de dano, um de furto de cobre, um de desobediência e um de violência doméstica.
No mesmo período, de 14 a 20 de Abril, a GNR procedeu à detenção de cinco cidadãos, sendo três por condução sob influência do álcool e duas por condução sem habilitação legal.
Ainda na mesma semana registaram-se 29 acidentes de viação, dos quais 23 resultaram de colisões e seis de despistes. Mau grado o elevado número de acidentes verificados, dos mesmos resultaram apenas quatro feridos ligeiros. Segundo o comunicado, a velocidade excessiva foi a principal causa da sinistralidade rodoviária verificada.
plb

Ao longo de cerca de 2 600 metros de margens do Rio Côa, desde a açude que serve a praia fluvial até à ponte das poldras, realizou-se no domingo, 20 de Abril o 3.º Concurso de Pesca Desportiva – Sabugal2008, cuja organização pertenceu ao Clube de Caça e Pesca do Sabugal e ao INATEL – Delegação da Guarda e que contou ainda com o apoio da Câmara Municipal do Sabugal.

Sabugal-2008 – Concurso de Pesca DesportivaParticiparam no evento mais de meia centena de concorrentes que se posicionaram ao longo das margens do rio, divididos em quatro sectores (A, B, C e D) dispostos a retirar do seu leito alguns dos seus melhores habitantes – trutas, bogas, etc. – embora por breves instantes, tantos quantos os estritamente necessários para serem rigorosamente pesados pela equipa do INATEL, sendo logo de seguida deitados à água para serem novamente livres.
Quando soaram as doze badaladas do relógio da torre, retiraram-se todos os anzóis da água pois estava encerrada oficialmente a pescaria. Iniciou-se então a pesagem dos peixes pescados para sabermos quem seria o vencedor. Foi uma operação algo demorada, pois a equipa que participava na pesagem era constituída por apenas três elementos e os concorrentes, como já se disse, eram mais de meia centena. Terminada a complicada operação, compararam-se os diversos resultados e procedeu-se à organização dos concorrentes por ordem decrescente dos seus resultados. Assim:
Vencedor absoluto: Zeferino Pereira, da PinhelZoo.
Por sectores, os primeiros classificados foram os seguintes:
Sector A: Zeferino Pereira, da PinhelZoo;
Sector B: António Amaral, do CDR – Quintela;
Sector C: António Gonçalves Fernandes, Individual (Guarda);
Sector D:
Nuno Santos, Individual (Celorico da Beira).
Jorge Leitão, foi o concorrente melhor classificado do concelho de Sabugal.
Depois realizou-se o tradicional almoço-convívio, servido no Restaurante Robalo onde todos conviveram irmãmente, já sem vencedores nem vencidos e no final foram distribuídos os tão desejados troféus e medalhas de participação, que irão ornamentar as suas casas para mais tarde recordar.
Joaquim Ricardo

JOAQUIM SAPINHO

DESTE LADO DA RESSURREIÇÃO
Em exibição nos cinemas UCI

Deste Lado da Ressurreição - Joaquim Sapinho - 2012 Clique para ampliar

Indique o seu endereço de email para subscrever este blog e receber notificações de novos posts por email.

Junte-se a 836 outros seguidores

PUBLICIDADE

CARACOL REAL
Produtos Alimentares


Caracol Real - Produtos Alimentares - Cerdeira - Sabugal - Portugal Clique para visitar a Caracol Real


PUBLICIDADE

DOISPONTOCINCO
Vinhos de Belmonte


doispontocinco - vinhos de belmonte Clique para visitar Vinhos de Belmonte


CAPEIA ARRAIANA

PRÉMIO LITERÁRIO 2011
Blogue Capeia Arraiana
Agrupamento Escolas Sabugal

Prémio Literário Capeia Arraiana / Agrupamento Escolas Sabugal - 2011 Clique para ampliar

BIG MAT SABUGAL

BigMat - Sabugal

ELECTROCÔA

Electrocôa - Sabugal

TALHO MINIPREÇO

Talho Minipreço - Sabugal



FACEBOOK – CAPEIA ARRAIANA

Blogue Capeia Arraiana no Facebook Clique para ver a página

Já estamos no Facebook


31 Maio 2011: 5000 Amigos.


ASSOCIAÇÃO FUTEBOL GUARDA

ASSOCIAÇÃO FUTEBOL GUARDA

ESCOLHAS CAPEIA ARRAIANA

Livros em Destaque - Escolha Capeia Arraiana
Memórias do Rock Português - 2.º Volume - João Aristides Duarte

Autor: João Aristides Duarte
Edição: Autor
Venda: Casa do Castelo (Sabugal)
e: akapunkrural@gmail.com
Apoio: Capeia Arraiana



Guia Turístico Aldeias Históricas de Portugal

Autor: Susana Falhas
Edição: Olho de Turista
Venda: Casa do Castelo (Sabugal)



Música em Destaque - Escolha Capeia Arraiana
Cicatrizando

Autor: Américo Rodrigues
Capa: Cicatrizando
Tema: Acção Poética e Sonora
Venda: Casa do Castelo (Sabugal)



SABUGAL – BARES

BRAVO'S BAR
Tó de Ruivós

Bravo's Bar - Sabugal - Tó de Ruivós

LA CABAÑA
Bino de Alfaiates

La Cabaña - Alfaiates - Sabugal


AGÊNCIA VIAGENS ON-LINE

CERCAL – MILFONTES



FPCG – ACTIVIDADES

FEDERAÇÃO PORTUGUESA
CONFRARIAS GASTRONÓMICAS


FPCG-Federação Portuguesa Confrarias Gastronómicas - Destaques
FPCG-Federação Portuguesa Confrarias Gastronómicas Clique para visitar

SABUGAL

CONFRARIA DO BUCHO RAIANO
II Capítulo
e Cerimónia de Entronização
5 de Março de 2011


Confraria do Bucho Raiano  Sabugal Clique aqui
para ler os artigos relacionados

Contacto
confrariabuchoraiano@gmail.com


VILA NOVA DE POIARES

CONFRARIA DA CHANFANA

Confraria da Chanfana - Vila Nova de Poiares Clique para visitar



OLIVEIRA DO HOSPITAL

CONFRARIA DO QUEIJO
SERRA DA ESTRELA


Confraria do Queijo Serra da Estrela - Oliveira do Hospital - Coimbra Clique para visitar



CÃO RAÇA SERRA DA ESTRELA

APCSE
Associação Cão Serra da Estrela

Clique para visitar a página oficial


SORTELHA
Confraria Cão Serra da Estrela

Confraria do Cão da Serra da Estrela - Sortelha - Guarda Clique para ampliar



SABUGAL

CASA DO CASTELO
Largo do Castelo do Sabugal


Casa do Castelo


CALENDÁRIO

Arquivos

CATEGORIAS

VISITANTES ON-LINE

Hits - Estatísticas

  • 3.144.979 páginas lidas

PAGERANK – CAPEIA ARRAIANA

BLOGOSFERA

CALENDÁRIO CAPEIAS 2012

BLOGUES – BANDAS MÚSICA

SOC. FILARM. BENDADENSE
Bendada - Sabugal

BANDA FILARM. CASEGUENSE
Casegas - Covilhã


BLOGUES – DESPORTO

SPORTING CLUBE SABUGAL
Presidente: Carlos Janela

CICLISMO SERRA ESTRELA
Sérgio Gomes

KARATE GUARDA
Rui Jerónimo

BLOGUES RECOMENDADOS

A DONA DE CASA PERFEITA
Mónica Duarte

31 DA ARMADA
Rodrigo Moita de Deus

A PÁGINA DO ZÉ DA GUARDA
Crespo de Carvalho

ALVEITE GRANDE
Luís Ferreira

ARRASTÃO
Daniel Oliveira

CAFÉ PORTUGAL
Rui Dias José

CICLISMO SERRA ESTRELA
Sérgio Paulo Gomes

FANFARRA SACABUXA
Castanheira (Guarda)

GENTES DE BELMONTE
Investigador J.P.

CAFÉ MONDEGO
Américo Rodrigues

CCSR BAIRRO DA LUZ
Alexandre Pires

CORREIO DA GUARDA
Hélder Sequeira

CRÓNICAS DO ROCHEDO
Carlos Barbosa de Oliveira

GUARDA NOCTURNA
António Godinho Gil

JOGO DE SOMBRAS
Rui Isidro

MARMELEIRO
Francisco Barbeira

NA ROTA DAS PEDRAS
Célio Rolinho

O EGITANIENSE
Manuel Ramos (vários)

PADRE CÉSAR CRUZ
Religião Raiana

PEDRO AFONSO
Fotografia

PENAMACOR... SEMPRE!
Júlio Romão Machado

POR TERRAS DE RIBACÔA
Paulo Damasceno

PORTUGAL E OS JUDEUS
Jorge Martins

PORTUGAL NOTÁVEL
Carlos Castela

REGIONALIZAÇÃO
António Felizes/Afonso Miguel

ROCK EM PORTUGAL
Aristides Duarte

SOBRE O RISCO
Manuel Poppe

TMG
Teatro Municipal da Guarda

TUTATUX
Joaquim Tomé (fotografia)

ROTA DO CONTRABANDO
Vale da Mula


ENCONTRO DE BLOGUES NA BEIRA

ALDEIA DA MINHA VIDA
Susana Falhas

ALDEIA DE CABEÇA - SEIA
José Pinto

CARVALHAL DO SAPO
Acácio Moreira

CORTECEGA
Eugénia Santa Cruz

DOUROFOTOS
Fernando Peneiras

O ESPAÇO DO PINHAS
Nuno Pinheiro

OCEANO DE PALAVRAS
Luís Silva

PASSADO DE PEDRA
Graça Ferreira



FACEBOOK – BLOGUES

Anúncios