A ADES (Associação Desenvolvimento Sabugal) tomou posição pública sobre o estudo da Universidade da Beira Interior (UBI) que coloca o município do Sabugal no último lugar de uma tabela que analisa a qualidade de vida em Portugal.

ADES - Associação Desenvolvimento do SabugalO Capeia Arraiana recebeu um pedido de divulgação do comunicado da ADES sobre a qualidade de vida no município do Sabugal. Aqui fica:

«Os letrados da ODES (Observatório para o Desenvolvimento Económico e Social) da UBI (Universidade da Beira Interior), publicaram um estudo cujos resultados colocaram o município do Sabugal no fundo da tabela em termos de qualidade de vida nos concelhos portugueses.
O estudo baseou-se num anuário estatístico publicado em 2004 pelo Instituto Nacional de Estatística. Chamam-lhe metodologia original e inovadora, segundo Pires Manso, professor catedrático da UBI e responsável pelo ODES. O índice tem em conta variáveis como o Produto Interno Bruto (PIB), o consumo, disponibilidade de bens culturais e outros de difícil medição. O índice avalia ainda a educação e mercado de emprego, infra-estruturas, ambiente económico e habitacional. Por fim conclui-se que o Litoral supera o Interior.
Definição de Qualidade de Vida – Não significa apenas que o indivíduo ou o grupo social tenham saúde física e mental, mas que esteja(m) bem com eles mesmos, com a vida, com as pessoas que os cercam, enfim, ter qualidade de vida é estar em equilíbrio. E esse equilíbrio diz respeito ao controlo sobre aquilo que acontece à sua volta, como por exemplo, os relacionamentos sociais.
Posto isto, perguntamos: Será que qualidade de vida é viver numa cidade grande sobrelotada, poluída, insegura, e congestionada, ou em vez disso viver sem sobressaltos, sem trânsito, sem portagens, com menos stress, respirar ar puro, viver em sossego e em harmonia com a natureza e com o próximo?
Em nossa opinião o Sabugal tem qualidade de vida:
– Qualidade de ar e tranquilidade invejável a nível nacional;
– Uma Escola Secundária, e uma EB 2/3 com as melhores classificações a nível distrital;
– Mais de 95% da população já abastecida com água ao domicílio;
– Cerca de 90% da população já beneficia de saneamento básico;
– Não existem problemas com trânsito;
– Existe mais segurança e menos pobreza do que na maior parte do País;
– Existem equipamentos sociais, culturais e desportivos importantes.
O Sabugal é um Concelho cheio de potencialidades com: cinco castelos, a aldeia histórica de Sortelha, Sabugal, Vila do Touro, Alfaiates e Vilar Maior;
– Nascente do Rio Côa, achados arqueológicos em Aldeia Velha, Ponte de Sequeiros em Valongo;
– Uma área protegida: Serra da Malcata.
– Termas do Cró (aposta no Turismo de saúde);
– Cultura de festividades taurinas muito importantes em algumas freguesias da Raia (Capeia Arraiana);
– Demanda habitual para caça e pesca, e produtos gastronómicos associados;
– Acessibilidades viárias francamente melhoradas (A23/A25).
Por tudo isto, a ADES–Associação Desenvolvimento Sabugal não concorda em nada com o estudo e a sua tipologia apontada. Sabemos que existe muito mais a fazer e que podemos e devemos aproveitar o novo pacote financeiro (QREN – Quadro de Referência Estratégico Nacional, entre outros) com vários programas de apoio, alguns dos quais em que já estamos a trabalhar, para contribuirmos para a concretização do objectivo comum, “O DESENVOLVIMENTO DO CONCELHO DO SABUGAL” aliado à sua qualidade de vida.
É tempo de semear, para mais tarde colher.»

E posto isto, o Capeia Arraiana repete a pergunta: Será que qualidade de vida é viver numa cidade grande sobrelotada, poluída, insegura, e congestionada, ou em vez disso viver sem sobressaltos, sem trânsito, sem portagens, com menos stress, respirar ar puro, viver em sossego e em harmonia com a natureza e com o próximo?
jcl