Em 1916, sendo Vice-Reitor do Seminário da Guarda, o Padre Manuel Mendes da Conceição Santos, natural da região de Torres Novas, e figura de proa do movimento católico durante a difícil passagem pela 1.ª República, foi eleito bispo de Portalegre. Quatro anos depois viu-se eleito para arcebispo de Évora, em cuja cátedra permaneceu até à morte, em 1955.

Jesué Pinharanda – Carta DominicalAgora, temos a grata surpresa, se é que surpresa se pode chamar, da eleição do actual bispo de Portalegre para a dignidade residencial de arcebispo de Évora. Trata-se de um sacerdote raiano de Riba Coa, D. José Francisco Sanches Alves, que neste aspecto repete o caminho do arcebispo Mendes Santos.
Raiano, D. José Alves pertencia, todavia, não ao clero da diocese da Guarda, mas ao clero da arquidiocese de Évora, que agora vai governar, o que não lhe será difícil, apesar dos problemas sociais da região. Em Évora ele conta com uma indubitável solidariedade: a dos muitos padres eborenses naturais do concelho do Sabugal e de outras terras da Raia, que estudaram e se fizeram padres em Évora. Julgamos que foi o arcebispo Mendes Santos que terá iniciado a captação de vocações na região da Guarda, cujos Seminários não tinham capacidade para acolher tantos candidatos, pelo que alguns eram encaminhados para Lisboa, Beja e Évora.
Pastor na força da idade, com vasta experiência pastoral e autoridade (dado que tendo sido Vice-Reitor do Seminário de Évora, alguns dos actuais padres foram por ele formados) estamos certos de que o episcopado de D. José Alves será um êxito para a Igreja do Alentejo e de Portugal. Amen. Amen.
«Carta Dominical», opinião de Pinharanda Gomes

pinharandagomes@gmail.com

Anúncios