Ao abordar este tema do Colégio, não é minha intenção criar problemas ou situações do género, antes facultar alguma informação, ainda que superficial do Colégio, reforçando o conhecimento de uma instituição que foi merecedora de algum crédito, presumindo que não tenha sido muito fácil a sua criação, com estatutos próprios e aprovados em 1901, com a designação de Estatutos do Colégio de Aldeia da Ponte.

Esteves Carreirinha - Ecos da AldeiaO Colégio de Aldeia da Ponte desenvolveu um meritório trabalho, especialmente na recolha de crianças órfãs e desamparadas, bem como na educação e saber da nossa região, proporcionada pelos frades portugueses e espanhóis.
Nasci e cresci mesmo em frente ao Colégio antigo de Aldeia da Ponte, hoje com algumas casas em ruínas, outras recuperadas e habitadas, bem como a sua bela e altiva Igreja, transformada em palheiro depois do encerramento, na rua com o mesmo nome.
Toda a minha meninice e juventude foi passada paredes-meias com o Colégio, ainda era totalmente habitado por várias famílias.
Em Aldeia da Ponte há alguns especialistas na pesquisa de todo o historial desta instituição, construída há dois séculos atrás, servindo também como um centro escolar, onde os Frades espanhóis ministravam um ensino de qualidade.
Colégio de Aldeia da PonteSegundo relatos de quem conheceu a realidade do Colégio, começou por ser uma casa de acolhimento de meninos abandonados, necessitados e pobres, sendo transformado também em estabelecimento escolar, onde muitos adquiriram conhecimentos que lhes foram úteis e favoráveis para a vida.
Tal como acima referi, não serei a pessoa mais habilitada a escrever sobre a história do Colégio, que é muito rica, apenas referirei alguns aspectos gerais, que poderão conter algumas imprecisões, de que me penitencio.
A estrutura do Colégio englobava todo o casario em torno da Igreja, bem como as terras situadas atrás, passando do alto da Santa Bárbara, denominada a Costa, onde os Frades cuidavam das suas culturas, entre as quais um afamado vinho, em que a Costa ou Encosta era, e ainda se mantém, como um dos melhores locais para a cultura da vinha e muitas outras, na nossa Aldeia, que os Frades cultivavam para consumo de todos os seus utentes.
Hoje em dia, a Costa está a ficar apinhada de casas, expandindo-se a povoação para este local, com muitas casas de emigrantes, que apenas visitam a Aldeia por altura das férias.
«Ecos da Aldeia», opinião de Esteves Carreirinha

estevescarreirinha@gmail.com

Anúncios