Se a percentagem de idosos atinge hoje 40 por centro da população concelhia, os mesmos devem merecer uma atenção especial, devendo adoptar-se estratégias que conduzam a um aumento da qualidade de vida dos nossos «mais velhos».

Ramiro Matos - «Sabugal Melhor»Iniciarei esta semana um conjunto de pequenas crónicas com algumas propostas que considero essenciais para se garantir uma real melhoria da qualidade de vida dos nossos idosos, colocando a questão da saúde como a primeira de todas.
O Concelho possui um Centro de Saúde localizado na cidade do Sabugal e com extensões em Aldeia da Ponte, Aldeia Velha, Alfaiates, Bendada, Bismula, Casteleiro, Cerdeira do Côa, Fóios, Quadrazais, Santo Estêvão, Seixo do Côa, Soito e Vale de Espinho.
Por outro lado o Concelho possui quatro farmácias – Sabugal, Soito e Cerdeira do Côa –, com extensões em Aldeia do Bispo, Aldeia da Ponte, Alfaiates, Aldeia Velha e Vale de Espinho.
Tem-se assim que as populações de 26 freguesias têm de se deslocar ao Centro de Saúde para terem uma consulta médica, situação ainda mais gravosa no que diz respeito à aquisição de medicamentos. Claro que se trata, sobretudo, de pessoas idosas, habitando em lugares sem transportes públicos, deslocando-se ao Sabugal em táxi ou utilizando outro tipo de transporte privado.
Lar de idososFoi a pensar nesta populações de aldeias distantes da sede de concelho, que mais têm sofrido com os fenómenos da desertificação e do envelhecimento, que nos últimos anos, concelhos como o Fundão, Cabeceiras de Basto, Nisa, Mortágua, Celorico de Bastos, Vouzela, entre outros, decidiram estabelecer protocolos com as Administrações Regionais de Saúde e os Centros de Saúde concelhios criando Unidades Móveis de Saúde, possibilitando deste modo o acesso a serviços de enfermagem e cuidados primários com maior facilidade, sem terem de se deslocar aos centros ou extensões de saúde.
Estas Unidades estão contidas em viaturas, permitindo a sua deslocação às freguesias de acordo com um calendário pré-estabelecido.
Os protocolos estabelecidos, vão desde a aquisição da Unidade pelo Ministério da Saúde garantindo a autarquia a sua operacionalidade, até à aquisição e operação da mesma pela Autarquia, competindo ao Centro de Saúde a garantia de equipas médicas e de enfermagem necessárias.
E não se pense que se está a falar de investimentos muito avultados – A Unidade Móvel de Saúde adquirida pela Câmara Municipal de Celorico de Bastos teve um custo de cerca de 45.000 euros!
Não merecerão os nossos «mais velhos» um acesso mais fácil aos cuidados de saúde?
«Sabugal Melhor»
opinião de Ramiro Matos

ramiro.matos@netcabo.pt

Anúncios