A precariedade dos contratos de trabalho levou cerca de 20 enfermeiros do Hospital Sousa Martins a acamparam em frente ao Governo Civil da Guarda para protestarem contra a situação.

Maria do Carmo Borges recebeu moção de protestoNo dia 25 de Setembro os enfermeiros que trabalham na Guarda encontraram essa forma de exprimirem o seu desagrado com a situação. Querem ter garantias de futuro, pois embora sabendo a falta que fazem ao Serviço Nacional de Saúde, a sua situação é de grande precariedade.
Para além de acamparem os enfermeiros colocaram cartazes denunciando a sua situação e entregaram uma moção de protesto à governadora civil, Maria do Carmo Borges, que os recebeu.
Nem todos se juntaram à manifestação, já que só no Hospital da Guarda há 52 enfermeiros com o futuro incerto, a que se juntam outros nos centos de saúde do distrito, inclusive no do Sabugal, onde quatro enfermeiros estão a trabalhar já com os contratos caducados e sem que fosse ainda celebrado um novo.
Na sua maior parte os profissionais verão os seus contratos caducar em Outubro, desconhecendo porém qual será o seu futuro, pois a administração do hospital e a tutela mantêm-se em silêncio.
plb