Capeia Arraiana esteve na cidade de Maputo, capital de Moçambique, onde deambulou pelas ruas conhecendo a urbe, o seu povo humilde e sereno e, também, os restaurantes e a magnifica gastronomia, de aqui deixamos registo.

Lagosta de MoçambiqueMariscada no Mercado do Peixe
Quem vá a Maputo não pode deixar de comer uma boa mariscada. Essa é uma das grandes riquezas do país, que tem o melhor camarão do mundo.
No restaurante Marisco à Maneira, no Mercado do Peixe de Maputo, servem-se aparatosos pratos de marisco. É um espaço muito limitado, com meia dúzia de mesas. O cliente pode pedir a um dos cozinheiros que o acompanhe ao mercado do peixe para o ajudar a escolher o melhor produto. Nas bancas vendem-se lagostas, caranguejos, camarões, e muitas variedades de peixe, tudo fresco, vindo directamente do mar. Depois de escolhido o marisco é cozinhado, cozido ou grelhado, consoante o gosto, e vem à mesa, para gáudio de quem anseia degustar o apetitoso fruto do mar de Moçambique. Há que ter cuidado com os picantes, que são intensíssimos.
Ora quem vem ao «Marisco à Maneira» arrisca a encontrar-se com Eusébio. O «Pantera Negra» do futebol português vem amiúde a Moçambique e sempre que permanece no Maputo é ali que vai almoçar e jantar e beber uns copos com os amigos. Indo Capeia Arraiana ao «Marisco à Maneira» e estando Eusébio em Moçambique, o encontro era inevitável e ali estivemos com o antigo futebolista, já recuperado da doença do coração que recentemente o apoquentou, que cumprimentou os presentes, abancou e bebeu uns tragos de bom whisky.

Peixe inteiro à moçambicanaPeixe inteiro à moçambicana
O restaurante Pirata, na Avenida Julius Nyerere, tem ao dispor pratos da cozinha tradicional de Moçambique, por entre ementas de outras origens, incluindo a asiática.
Querendo provar-se fruto do mar, pode pedir-se «peixe inteiro à moçambicana». Trata-se de peixe vermelho (red fish) grelhado na brasa, aqui chamado vermelhão. É servido num grande prato, gostosamente coberto com um molho de manteiga, acompanhado por uma salada de alface, pepino, tomate e cebola e ainda um saboroso arroz de legumes. Ao lado terá ainda, como acontece sempre neste país, uma malga com piripiri, mas nada de pão, que aqui isso não faz parte do hábito de bem servir. Para beber ficará bem uma cerveja «Laurentina» clara, que é a forma de ali se referirem à cerveja branca.

Pargo grelhadoPargo grelhado
Para jantar de requinte o viajante que aporte no Maputo pode ir ao restaurante Zambi, na Marginal, junto à baía, recentemente inaugurado. O cliente é recebido com salamaleques e conduzido à mesa num espaço muito amplo, que, não fosse o primor do mobília e da decoração das longas paredes, mais pareceria um armazém. Oferece variados pratos de peixe, mariscos e carne, mas onde se destacam os de peixe grelhado à moda da terra.
«Peixe do dia» é o prato que se aconselha, podendo-se aqui optar-se por algumas variantes de peixe fresco. Pargo grelhado será mesmo a melhor opção, dado o sabor magistral dessa espécie capturada nas águas profundas do Oceano Pacífico, ao largo de Moçambique. A acompanhar terá batata cozida e uma muito vistosa e apetitosa espetada de legumes, que contém pedaços de beringela, abóbora, cenoura e pimento verde.
Para comer o visitante tem ainda outros restaurantes, quase todos propriedade de portugueses: o Escorpião, o Piri-Piri, o Coimbra ou o Clube dos Empresários. Todos dispõem de bons pratos de peixe de carne, de saladas e de sobremesas que representam o melhor da gastronomia moçambicana.
plb